terça-feira, 23 de junho de 2020

Em que pé ’tá o Parkinson hoje, junho de 2020?

Hoje em dia não se vêem mais as pessoas de corpo inteiro em carne e osso, a não ser que sejam seus vizinhos. Basicamente em função da pandemia e do isolamento social advindo.

Quando me perguntam como estou, perguntam também como estão os estudos relativos ao Mr Parkinson, que pressupõem que eu esteja ao par em vista de manter vivo este blog.

Pessoalmente estou relativamente bem, carente de regulagem do meu gerador de pulsos implantável (marcapasso cerebral / dbs) cujo melindroso processo teve repentina parada em fevereiro, quando o médico a interrompeu, por se tratar de atividade eletiva. Um tombo aqui, outro ali, e considerando que não tomo nenhuma droga, com 20 anos de Parkinson, afirmo que estou bem. Não necessariamente por não tomar drogas, mas principalmente por inexistirem os efeitos colaterais advindos delas, a Levodopa e do Pramipexole principalmente. Quem tem Parkinson entende bem. E diga-se de passagem, horríveis, tobogã diário.

Com relação à doença em si, quanto à procura ou busca da cura e diagnóstico, a história é bem mais complicada.

A vacina (também aqui) em desenvolvimento ataca a proteína alfa-sinucleína, que é aquela que blinda as sinapses nervosas de transmissão da dopamina. O desenvolvimento conforme recentes notícias estaria correndo bem. O fato é que ainda não está claro o papel da alfa-sinucleína no corpo humano, seus prós e contras. Por isso vejo com cautela essa vacina.

Mas de onde vem esta alfa-sinucleína? Segundo estudos, o apêndice intestinal seria rico, e através do nervo vago a mesma sinalizaria ao cérebro para torcê-la e se agregar ali, impedindo a liberação de dopamina. O que provocaria a concentração de alfa-sinucleína no intestino? A biota intestinal está sob estudo com o objetivo de estabelecer o perfil adequado de equilíbrio entre as bactérias intestinais, a biota. Vislumbra-se a possibilidade futura de se vir a diagnosticar o Parkinson através de um exame desta biota, ou seja, um exame de fezes para diagnosticar.

Afora isto, também se vislumbra a possibilidade de vir a cura quando precocemente diagnosticado, através de um implante de fezes, ou seja, identificada a biota inadequada, um implante que fosse capaz de eliminar esta e corrrigir e estimular o crescimento da biota saudável.

Essa teoria chama-se “eixo intestino-cérebro” e se constitui na hipótese mais recentemente formulada para explicar a causa do Parkinson e sua possível cura. Mas no pé em que estamos, não será a minha geração que irá vivenciar isto. Muito tutano ainda vai ser queimado, isto é, terão ainda muitos estudos pela frente. Considerar é esta a teoria ultimamente em voga.

sábado, 2 de maio de 2020

Atenção

Em virtude do bloqueio a compartilhamentos deste blog com o facebook, por tempo indeterminado, as postagens estarão disponíveis neste blog aqui.

Não foi possível, até o presente, identificar o conteúdo abusivo. Suspeitas recaem sobre desafetos por razões terapêuticas sugeridas aqui, ou visão crítica a métodos terapêuticos de exploração mercadológica. ...Tempos obscuros...

Taxas mais altas de infecção e morte por COVID-19 em pessoas com doença de Parkinson

30.04.20 - Artigo aceito para publicação em Distúrbios do Movimento (Movement Disorders) sugere que pessoas com doença de Parkinson (DP) com maior duração da doença (média de 12,7 anos) podem ser mais suscetíveis à infecção pelo vírus SARS-CoV2 (COVID-19). Indivíduos com maior tempo de DP que são infectados também podem ter uma taxa de mortalidade mais alta (40% em uma série de 10 casos). Indivíduos em terapias avançadas, como infusões de levodopa ou estimulação cerebral profunda, pareciam estar em risco particularmente alto.

Nesta série de casos de 2 indivíduos na Itália e 8 no Reino Unido com DP e COVID-19 (idade média de 78,3 anos), 5 precisaram de doses aumentadas de levodopa durante o tratamento para COVID-19.

O aumento do risco de COVID-19 para pessoas com DP pode estar relacionado à rigidez do músculo respiratório, bem como à diminuição do reflexo da tosse ao lado da dispnéia pré-existente. Os efeitos indiretos do distanciamento social em qualquer indivíduo com doença crônica também podem desempenhar um papel.

Curiosamente, no entanto, também há evidências de uma ligação entre DP e COVID-19, em que há mais de duas décadas sabe-se que anticorpos para vírus corona ocorrem em pessoas com DP e têm sido sugeridos como evidência para um papel de processos infecciosos na etiologia da DP. A capacidade dos vírus corona de penetrar no cérebro através das passagens nasais determina a perda de olfato (anosmia) e sabor (ageusia) observada no COVID-19 e também é um sintoma prodrômico da DP.

Os autores do artigo sugerem que, à luz desses novos dados, as diretrizes nacionais de saúde devem incluir indivíduos com DP de longa data naqueles considerados de risco para o COVID-19. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Practical Neurology.

Casal casado há 58 anos morre dias depois do COVID-19

May 1, 2020 - Marido e mulher, casados ​​há 58 anos, morreram com apenas quatro dias de diferença como resultado de complicações do novo coronavírus.

Margaret Sanders Powe, 80 anos, morreu em 14 de abril no Baptist East Memorial Hospital em Memphis, Tennessee. O Dr. Charles Edwin Powe Jr., também conhecido como Ed, 88 anos, morreu em 18 de abril.

"Eles gostaram da vida juntos", disse a filha Hettie Reule ao "Good Morning America". “Como toda família, sempre há momentos, mas eles realmente trabalharam juntos para superar esses momentos difíceis. Eles se apoiaram em sua fé para trazer paz e conforto a essas situações.”

"Eles viveram uma vida bonita", acrescentou. “Eles eram um casal doce. Ficamos com o coração partido porque eles se foram, mas há conforto em saber que estão juntos. "

Antes de se casar, Margaret conheceu Ed, um ginecologista e obstetra, na Flórida, enquanto trabalhava como comissária de bordo. Mais tarde, eles se mudaram para Charlotte, Carolina do Norte, onde criaram seus filhos, Hettie e Charles Powe III.

A família descreveu Margaret como tendo um grande senso de estilo e talento artístico - muitas vezes apontando agulhas, pinturas e arranjos de flores. Ed era um fã de futebol e se orgulhava de seu trabalho. Ele gostava especialmente de ter filhos, disse Reule.

Ambos gostavam de jantares, montanhas e grandes reuniões familiares.

"Ela era vivaz e enérgica", disse Reule sobre sua mãe. "Ela amava as pessoas."

"Ele era paciente, sempre encorajador", acrescentou ela sobre o pai. “Ele também tinha um amor genuíno pelas pessoas. Ele gostava de criar momentos divertidos. Ele era muito ativo. Ele voltava para casa depois do trabalho, brincava com meu irmão e eu - futebol ou luta livre. Ele amava sua família e ele amava minha mãe.

Ed e Margaret também eram carinhosamente conhecidos como "Poppie" ou "Popo" e "Nana" para suas cinco netas: Anne-Grace, Mary e Emma Reule e Elizabeth e Margaret Powe.

Quando solicitada a descrever o relacionamento que mantinha com os avós, Margaret Powe, 20, disse que sua Nana era conhecida por seu espírito jovem e amor por fazer compras.

"Minha avó [e eu] éramos muito próximas", ela disse à "GMA". “Todos os meus amigos diriam que ela era sua maior seguidora no Instagram. Ela era muito ativa nas mídias sociais.”

Margaret Powe continuou: “Meu avô tinha senso de humor e era uma boa pessoa para pedir conselhos. Estou na faculdade e ele era médico, então teríamos essas conversas. "

Charles Powe disse que, à medida que seus pais envelheciam, eles desenvolveram vários problemas de saúde. Margaret teve artrite reumatóide e cirurgia para uma ruptura da aorta no início de março. Ed tinha a doença de Parkinson.

Ambos foram hospitalizados no início deste ano por pneumonia, e é assim que Powe suspeita que sua mãe e seu pai eventualmente tenham contraído e testado positivo para o COVID-19, disse ele.

Quando Margaret ficou doente e começou a mostrar sintomas, foi levada para o Baptist Memorial Hospital em Memphis. Ed a seguiu logo depois.

A equipe do Memorial Batista havia providenciado para que o casal tivesse quartos próximos um do outro.

Powe disse ao "GMA" que as enfermeiras estavam "acima e além" para não apenas cuidar de Margaret e Ed, mas também para garantir que a família estivesse bem informada.

"Eles eram super afiados, corajosos e compassivos", disse Powe. “Emily foi uma [enfermeira] que nos ajudou muito. Nós pensamos que seria muito legal se eles pudessem ficar juntos. Ela trabalhou duro para ajudar a fazer isso acontecer. Foi apenas um grande alívio para nós.”

Dias antes de sua morte, Powe pôde ver seus pais através de uma parede de vidro no hospital. Ele e sua família também estavam se despedindo via FaceTime.

A esposa de Powe, Lisa, disse ao "GMA" que ela conhece seus sogros desde que era adolescente e eles costumavam se referir a ela como sua "filha".

"Eles sempre me fizeram sentir tão amada", disse ela. “Apreciei tudo o que eles fizeram pela minha família. Minha sogra, a coisa dela era que ela sempre quis levar cada uma das netas para Nova York para seus 16 anos e ela o fez. Eu apenas pensei que ela fizesse coisas muito especiais para cada membro da família.”

Devido às ordens de ficar em casa em meio à pandemia, as famílias Reule e Powe agora são incapazes de realizar cerimônias de celebração da vida de Margaret e Ed.

Quando é seguro fazê-lo, eles esperam férias em família para homenageá-los.

"Como eles adoravam ter todos em um só lugar", disse Lisa Powe. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: ABC Columbia.

Composição e metabolismo da microbiota estão associados à função intestinal na doença de Parkinson

2020 May 1 - Microbiota Composition and Metabolism Are Associated With Gut Function in Parkinson's Disease.

sexta-feira, 1 de maio de 2020

Sobrevivente do COVID-19 pede: 'Para todos vocês: continuem lutando'

Friday, May 1 2020 - (AP) - Sugando o pouco oxigênio que seus pulmões ainda podem processar, Diane Wanten não recuaria em sua luta contra uma doença que está matando dezenas de milhares por semana em todo o mundo. Muitos ainda estavam esperando por ela.

“Ele me virou na cabeça: eu preciso sobreviver a isso. Ainda quero voltar para casa”, disse ela, lembrando-se dos dias sombrios em uma unidade de terapia intensiva belga há algumas semanas. “Antes de adormecer, fiquei automaticamente acordada um pouco mais para ter certeza de que ainda estava viva. E eu esperava poder acordar de manhã, por favor.

Colada atrás de um escudo claustrofóbico que cobria toda a cabeça, ela às vezes acordava de um sono em meio pânico, imaginando se havia deixado comprimidos suficientes na caixa para o marido de volta para casa, atingido por Parkinson e demência precoce.

Ela finalmente venceu o COVID-19 após três semanas de hospitalização, incluindo 16 dias na UTI. Ela se reuniu com o marido, Francesco, e está se recuperando na casa de seu filho. Ainda não há um abraço, já que Wanten, de 61 anos, está em grande parte em quarentena em seu quarto e a uma distância de seu marido, que não entende o que está acontecendo. Somente o contato visual vale a pena.

Com uma voz rouca e ainda lutando para respirar 100% normalmente, Wanten tem uma lição permanente para todos aqueles que procuram voltar da doença debilitante que já matou pelo menos 200.000 pessoas em todo o mundo e infectou milhões de outras.

“Para todos vocês: continuem lutando. Vale a pena”, disse ela. “No início, é difícil. Mas quando olho para o resultado, digo a todos: Vá em frente.” Para quase todos os que lutam contra a luta dela em todo o mundo, há família esperando, amigos esperando, entes queridos esperando.

Antes que o coronavírus a colocasse perto da porta da morte, Wanten já sabia o quanto a vida poderia ser difícil. Ela vendeu sapatos, limpou escritórios, casou-se com um jovem mineiro de carvão cujo pai havia descido da região italiana de La Spezia, no grande movimento de imigração da Europa no pós-guerra. O fechamento de minas no leste da Bélgica foi difícil o suficiente, mas seu marido desenvolveu a doença de Parkinson aos 38 anos e, há mais de um ano, demência precoce. Ela mesma lutou contra o câncer há cinco anos.

"Ela passou por muita coisa", disse seu filho Frederico Taramaschi.

Ainda assim, o coronavírus a pegou de surpresa. Ela já havia enfrentado febre e tosse com remédios para aliviar a dor e um xarope quando tudo subitamente voltou uma semana depois. A província de Limburgo é o epicentro do coronavírus na Bélgica e ela estava bem no meio.

Ela foi fazer um check-up em 3 de abril e, quando chegou ao hospital Jessa, na cidade de Hasselt, "eu não podia contar nada ao médico porque não conseguia respirar". O médico só tinha uma opção, ela disse. "Direto para a enfermaria de emergência."

O estresse em Jessa, um dos principais hospitais da Bélgica, a cerca de 80 quilômetros a leste de Bruxelas, foi intenso. Dentro de 24 horas, os casos aumentariam de 257 para 343 na província de Limburgo.

Atordoada com os remédios e com medo da morte durante os primeiros dias, os pensamentos se desviavam frequentemente para o marido. "Eu não percebi todas as coisas que estavam acontecendo, mas isso passou pela minha cabeça: como ele seria?"

"Ele sempre dizia: 'No dia em que você não está mais lá, eu quero ir também.' Eu disse para mim mesma: 'Eu tenho que seguir em frente porque eu realmente não quero que nós dois morramos'".

Naquela época, Frederico e sua esposa, Tania, já estavam cuidando do marido, uma extensão natural de um vínculo familiar. Havia medo de que Francesco o tivesse também, mas Frederico disse: "Não pensei duas vezes. Meus pais sempre cuidaram muito bem de mim.”

Ao contrário das famílias de mais de 200.000 vítimas, este pode se alegrar. Mas o caminho de volta ainda é longo. Sair da UTI para uma enfermaria regular foi uma vitória, mas a fisioterapia teve que começar.

"Eu estava tonta, não consegui encontrar meu equilíbrio e minha respiração estava diminuindo", disse ela. A princípio, apenas levantar-se era um esforço, uma prova do que o vírus havia feito nos pulmões. Palavras foram escalonadas com suspiros.

A equipe médica conhece bem os desafios.

“Eles precisam de alguns meses de reabilitação porque ficam muito fracos. Seus músculos se foram. E isso é mais do que as outras doenças ", disse Luc Jamaer, do hospital Jessa.

Lentamente, seu vigor e ânimo voltaram e, na semana passada, ela foi autorizada a sair da cadeira de rodas e entrar no carro de seu filho para recuperação e fisioterapia em sua casa.

Chegou a hora de olhar para o futuro e o que o vírus lhe ensinou.

Gerações diferem. “Aprendi que tenho que cuidar melhor das coisas. Seu medicamento sempre foi colocado em duas caixas. Se eles tivessem terminado - ela disse, com a voz sumindo. "Agora eu sei que tenho que escrever tudo."

Para Frederico, o mais recente acidente de família reforçou sua crença no carpe diem. "Você precisa aproveitar ao máximo todos os dias porque, quem sabe o que o amanhã traz".

Wanten aproveitará seu dia em breve também. O dia em que ela poderá tocar e abraçar sua querida novamente será na véspera do dia das mães belga.Wanten vai aproveitar

"Será o melhor dia das mães que eu já tive." Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Air1.

Pernambuco: Remédios para tratar doença de Parkinson está em falta na Farmácia do Estado

Denúncia foi feita por pacientes que precisam de dois medicamentos e um deles está em falta, há mais de seis meses.
Farmácia do Estado/ Foto: Divulgação
30 de abril de 2020 - Os pacientes que têm doença de Parkinson estão sem acesso a dois medicamentos essenciais para o tratamento da enfermidade, entregues pela Farmácia do Estado. Um desses medicamentos está em falta há seis meses, segundo alguns pacientes.

Os medicamentos que são de uso contínuo, precisam ser tomados diariamente para que os pacientes tenham qualidade de vida, mas em alguns casos, estão há mais de seis meses sem chegar.

De acordo com a representante da Associação dos Pacientes com Parkinson de Pernambuco, Maria José Melo, estão em falta o Prolopa e o Mantidan, medicamentos de valor elevado.

“O Prolopa é o mais importante para os pacientes, e já falta o Mantidan há mais de seis meses. Não podemos deixar faltar que o Prolopa, que custa caro. Então, aqui fica meu apelo. Por favor, governo, não deixe faltar nossa medicação”, disse.

Resposta
A Farmácia do Estado reconheceu que está em falta o Prolopa de 200 miligramas e afirmou que esse remédio está em processo de compra. O cloridrato de amantadina de 100 miligramas, conhecido como Mantidan, também está em falta, porque houve problemas na licitação de compra.

A gestão da Farmácia do Estado disse, ainda, que a Secretaria Estadual de Saúde iniciou mai sum processo para adquirir o Mantidan e que o procedimento está em fase final de andamento. Fonte: Portal de Prefeitura.

quinta-feira, 30 de abril de 2020

I Simpósio da Associação Medianeirense de Portadores de Parkinson (AMPP) - Parte 1

Doenças degenerativas e a Covid-19

29-04-2020 - Alvo de grande atenção por serem grupo de risco para o coronavírus, os idosos requerem cuidados ainda mais incisivos pela vulnerabilidade às doenças degenerativas.

Portadores e cuidadores de pessoas com Alzheimer ou Parkinson podem sentir o isolamento social dos tempos atuais de forma mais crítica. A necessidade de lidar com paciência e compreensão, por parte dos cuidadores, se soma à manutenção de atividades que estimulem o cérebro e o sistema motor dos portadores.

O neurologista Miguel Muratore esclarece que, embora ambas as patologias sejam progressivas e incuráveis, o Alzheimer atinge mais a parte mental, cognitiva, pela redução da conexão entre os neurônios. “Já o Parkinson ataca mais as células nervosas que comandam a parte motora, levando a tremores, lentidão de movimentos e mudanças na postura.”

Conforto, compreensão e atividades para o cérebro
A prevenção para as doenças degenerativas deve começar na infância, alerta o neurologista. Quanto mais informação o cérebro tiver para processar, se a alimentação for saudável e as atividades físicas fizerem parte da rotina, desde cedo, mais chance se tem de afastar Alzheimer e Parkinson. “Isso porque o declínio leve começa a partir dos 65 anos; o que varia é o ritmo da progressão, e quanto mais saudável a pessoa for, mais se consegue alongar o processo”, observa.

Quando os quadros de declínio cognitivo ou motor já estão instalados, a melhor maneira de lidar é dar conforto e ter muita paciência: “Não cobrar do paciente, compreender os momentos de irritabilidade, dar o máximo de carinho e estimular o cérebro com novas atividades”.

Dicas para manter o cérebro ativo, mesmo em casa
Aprendizado progressivo: aprender um novo idioma ou a lidar com a internet; aprender um instrumento musical.

Novos modos de pensar: escrever um poema rimado; desenhar; escrever as memórias; ler um novo tipo de livro (por exemplo, biografia em lugar de ficção).

Desafio corpo movimento: pintar quadros, potes ou objetos de madeira; dançar.
Interação: jogar cartas ou jogos recreativos com familiares ou cuidadores.

Dicas de livros e filmes para entender e conviver com o Alzheimer:
• Livro Quando o dia tem 36 horas, escrito pela neurologista Nancy L. Mace.
• Filme Íris, história de amor entre a filósofa Íris Murdoch e seu marido, o professor John Bayley, contada em duas épocas: na juventude e na velhice, quando Íris sofre de Alzheimer.
• Filme Para sempre Alice conta a história de uma linguista que tem a vida totalmente mudada quando é diagnosticada com Alzheimer.
• Filme Viver duas vezes narra a união de uma família quando o pai é diagnosticado com Alzheimer, e todos resolvem ir em busca do amor de infância do pai enquanto ele ainda se lembra. Fonte: Hospital Ernesto Dornelles.