sábado, 21 de setembro de 2019

21 de setembro Dia Mundial do Alzheimer! Dez coisas que você nunca deve esquecer

Sábado, Septiembre 21, 2019 - Em 21 de setembro e como o Dia Mundial do Alzheimer é comemorado todos os anos, é uma data para ter sempre em mente, pois pode ser feita sem suspeitar.

É uma das doenças neurológicas mais temidas por uma parte importante da população devido ao seu impacto sobre a pessoa que a sofre e seus arredores.

Atualmente, é a principal causa de demência em todo o mundo, mas também a doença que causa a maior incapacidade nas pessoas.

O medo da doença de Alzheimer é justificado porque, hoje, essa doença não tem cura e nenhum dos ensaios clínicos de novos medicamentos para deter a doença em pessoas que sofrem com ela foi bem-sucedido, segundo a Fundação Pasqual Maragali.

Conforme relatado pelo portal Vanguard, embora não haja cura, existem estudos que confirmam que é, portanto, evitável.

Pelo menos 1% dos casos de Alzheimer são determinados geneticamente, enquanto 99% são casos esporádicos nos quais a doença é causada por uma interação entre uma predisposição genética e fatores ambientais, como estilo de vida.

“Estima-se que metade dos casos da doença de Alzheimer possa ser atribuída a nove fatores de risco potencialmente modificáveis: diabetes mellitus, pressão alta e obesidade na meia idade, tabagismo, inatividade física, depressão, inatividade cognitiva ou baixa escolaridade, perda auditiva e isolamento social”, afirmou o coordenador do Grupo de Estudo sobre Comportamento e Demência do SEN, Juan Fortea.

O especialista acrescentou que "o exercício físico, a atividade cognitiva, as relações sociais e a dieta têm um papel muito importante na saúde do cérebro".

O que é Alzheimer?

É um distúrbio progressivo que faz com que as células cerebrais se consumam (degenerem) e morram.

A doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência, um declínio contínuo no pensamento, comportamento e habilidades sociais que alteram a capacidade de uma pessoa de funcionar de forma independente.

Os primeiros sinais da doença podem aparecer quando eventos ou conversas recentes são esquecidos.

À medida que a doença progride, uma pessoa com doença de Alzheimer desenvolverá grave comprometimento da memória e perderá a capacidade de realizar tarefas diárias.

Riscos:

Os principais fatores de risco contra o aparecimento da doença de Alzheimer são:

1. Idade como geralmente aparece após os 65 anos.

2. Tenha um histórico familiar.

3. Trauma craniano.

4. Fumar

5. Síndrome de Down.

6. Diabetes

7. hipertensão.

8. Depressão

Sintomas a considerar:

- Repita constantemente as mesmas perguntas ou as mesmas coisas.

- Esqueça as conversas, os eventos ... e insista para que não ocorram.

- Se perca em lugares conhecidos.

- Esqueça nomes de família e ações e coisas cotidianas.

- Dificuldade em lembrar as palavras certas.

- Dificuldade de concentração e pensamento no aspecto abstrato e também numérico.

- Dificuldade para executar tarefas (controle de finanças, pagamentos ...).

- Diminuição da capacidade de tomada de decisão.

- Atitudes impróprias em situações sociais.

- Use roupas inadequadas para a estação.

- depressão

- Apatia.

- Alterações de humor.

- Desconfiança.

- Irritabilidade e agressividade.

- Mudanças nos padrões de sono.

- Perda de inibição.

- ilusões.

Fatos importantes que você não deve esquecer:
1. Prevenir e controlar o diabetes Isso ajuda a manter as doenças cardiovasculares afastadas.

2. Dieta saudável, exercício físico regular e evitar excesso de peso.

3. Manter uma boa pressão sanguínea para isso é alcançada com uma dieta saudável, evite álcool, baixa ingestão de sal, controle o estresse e não fume.

4. Evite excesso de peso: limite o consumo de alimentos ricos em açúcares e gorduras; coma frutas e legumes várias vezes ao dia; dar mais peso em nossa dieta às leguminosas e grãos integrais e realizar atividades físicas frequentes.

5. Não fumar: Fumar, a dependência do tabaco, causa muitas doenças e causa danos irreversíveis às células cerebrais.

6. Evite um estilo de vida sedentário: um estilo de vida sedentário aumenta o risco de todos os fatores de risco acima mencionados obesidade, diabetes, hipertensão. Você tem que se exercitar regularmente e pausas ativas no trabalho.

7. Afaste-se da depressão. Cuide do estado mental e de humor. Não se refugie em drogas ou álcool e a melhor coisa nesses casos é procurar a ajuda de um profissional que ensina a controlar essas emoções.

8. Coloque o cérebro para trabalhar. Uma das recomendações dos profissionais é aprender um novo idioma ou tocar um instrumento. Outras atividades úteis são ler um jornal e dançar, pois esse tipo de atividade obriga a estimular a conversa entre os neurônios.

9. Ter vida social: é muito importante ter uma atividade social moderada com a família e os amigos. Especialmente com o passar dos anos e é mais importante construir e manter pontes emocionais.

10. Cuidar dos ouvidos: perda auditiva, como fator de risco para a doença de Alzheimer. Entre outras razões, porque ouvir mal contribui para o isolamento social que, como mencionado, deteriora a mente. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: HSB Notícias.

A CUN (Clínica Universidad de Navarra) destaca o papel do PET no diagnóstico precoce da doença de Alzheimer

Um diagnóstico precoce da doença permite a adoção de estratégias que retardam a deterioração

21/09/2019 - Os especialistas da Clínica Universidad de Navarra destacam os avanços que uma tecnologia como o PET (tomografia por emissão de pósitrons) representa para o diagnóstico da doença de Alzheimer em estágios iniciais.

E é que um diagnóstico com os primeiros sintomas permite "executar estratégias terapêuticas para tentar impedir a deterioração", diz a neurologista Angela Milan.

O PET é uma ferramenta que permite medir a atividade cerebral e corroborar se a proteína beta amilóide está se acumulando, o que produz a doença de Alzheimer, e você pode ver quais áreas do cérebro são mais afetadas para prever quais funções cognitivas (memória, atenção , idioma, planejamento ...) pode ser alterado mais.

O diagnóstico geralmente é complementado com técnicas para descartar outras causas das falhas experimentadas pelo paciente, como hemorragia, tumor ou ataque cardíaco, além de uma punção na região lombar permite verificar se há acúmulo de beta amilóide, acrescenta Milan, que destaca como O PET permite não apenas confirmar que o amilóide está sendo depositado, mas também saber se há sinais de degeneração ou "morte neuronal".

Embora a doença de Alzheimer seja a demência mais frequente, estima-se que em 2050 cerca de um milhão de pessoas na Espanha sofram dela, existem outras doenças como a demência associada à patologia de Parkinson, frontotemporal ou vascular.

Doenças que também podem ser diagnosticadas por testes como o PET-FDG, que distingue entre diferentes tipos de demência.

Além disso, diante de falhas de memória, linguagem ou planejamento, que podem ser causadas por demência, mas também pelo envelhecimento natural do cérebro, existem programas de estimulação cognitiva para melhorar o desempenho da memória, atenção, funções executivas, linguagem ou capacidade visoespacial.

São programas individualizados que melhoram a qualidade de vida das pessoas e tentam retardar a deterioração, fortalecendo o cérebro na parte mais afetada.

Um tratamento que também pode beneficiar pessoas saudáveis, tanto pessoalmente quanto em centros médicos e online, para melhorar as habilidades cognitivas como parte de hábitos de vida saudáveis. 

Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Diario de Navarra.

A criança de 12 anos com uma forma rara de Parkinson

20th September 2019 - The 12 year old with a rare form of Parkinson’s.

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

França interrompe um ensaio clínico ilegal em pacientes com Alzheimer e Parkinson

Eles foram submetidos a um tratamento derivado da melatonina cuja "qualidade, efeitos e tolerância" são desconhecidos, apontaram as autoridades de saúde francesas.

Viernes, 20 septiembre 2019 - As autoridades de saúde francesas interromperam um ensaio clínico não autorizado conduzido em cerca de 350 pacientes, especialmente pacientes com Alzheimer e Parkinson, por um médico polêmico que afirma ser inspirado por Deus e conhecido por sua oposição às vacinas.

A Agência Nacional de Vigilância de Drogas (ANSM, na sigla em francês) alertou para possíveis "riscos à saúde" entre os pacientes submetidos a esse tratamento com base em manchas de pele nas quais uma molécula foi incluída "cuja qualidade", efeitos e tolerância não são conhecidos. "

O estudo clínico foi conduzido pelo Dr. Jean-Bernard Fourtillan, um médico controverso que, em seu site, diz que seu conhecimento foi "revelado" como "um homem de fé que ama e ouve Deus".

A ANSM pediu que ele parasse o ensaio clínico e alertasse todos os pacientes, enquanto levava o caso à justiça por essas "práticas ilegais", disse ele em comunicado.

Ele também recomendou que os pacientes fossem ao médico da família e fizessem um check-up completo para determinar possíveis efeitos colaterais.

TRATAMENTO ILEGAL
Fourtillan aplicou aos candidatos, pacientes com Alzheimer, Parkinson e outras patologias neurológicas, parches (adesivos na pele) baseados em um derivado da melatonina.

Os responsáveis ​​procederam à coleta de sangue dos pacientes em uma abadia perto de Poitiers, sul de Paris, de onde foram enviados para um laboratório, que foi submetido a uma inspeção da ANSM, que descobriu a existência do ensaio clínico.

Segundo a rede de televisão BFM, alguns dos pacientes foram internados naquela abadia, enquanto outros passaram lá uma noite antes de seu sangue ser coletado na manhã seguinte. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: El Mundo, veja mais aqui:  Interdiction d’un essai clinique « sauvage » mené sur des malades de Parkinson et d’Alzheimer.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Cannabis e Doença de Parkinson

September 19, 2019 - Cannabis and Parkinson's Disease

Alegrias e dores de ser canhoto

Estudo da Universidade de Oxford revela uma maior probabilidade de esquizofrenia e menor probabilidade de Parkinson entre os que têm preferência manual esquerda

19/09/2019 - RIO — Atualmente não há nada de especial em ser canhoto, mas houve época em que esses membros da nossa espécie eram considerados... estranhos.

Na língua portuguesa, sinistro tem duplo significado: aquele que prefere utilizar a mão esquerda (canhoto), e pessoa estranha, malévola.

Mais modernamente, os sinistros foram reabilitados: a palavra ganhou uma conotação superlativamente positiva! Sinistro!!

Canhotos famosos talvez tenham contribuído para desmentir essa crença sem sentido: Leonardo da Vinci, Marie Curie, Pelé, Paul McCartney...

Os seres humanos são a única espécie com preferência manual majoritária para um lado: 90% dentre nós são destros. Qual a razão, não se sabe. Mas a questão é foco de intensa curiosidade dos neurocientistas, porque remete à especialização entre os hemisférios cerebrais, reconhecida como um caminho da evolução que resultou em racionalização do espaço e das funções neurais.

Trabalho publicado há poucos dias por um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, debruçou-se sobre a genética da preferência manual, a lateralidade da atividade cerebral e, mais ainda, sua relação com a incidência de doenças.

O grupo fez um estudo genômico com mais de 350 mil participantes, dentre eles 38 mil canhotos. Os pesquisadores mapearam os genes relacionados exclusivamente aos canhotos, e os relacionaram com registros médicos, questionários sobre estilo de vida e métricas cognitivas.

Identificaram 4 genes ligados à preferência manual esquerda: 3 deles expressam moléculas ligadas ao desenvolvimento dos circuitos neurais.

Imagens do cérebro de quase 10 mil desses participantes indicaram diferenças na estrutura cerebral da substância branca do cérebro dos canhotos, ou seja, dos feixes de fibras nervosas encarregadas da conectividade entre a rede neural da linguagem, a chamada rede neural padrão (ativa durante o pensamento não direcionado), e uma outra encarregada de identificar estímulos relevantes para o foco atencional.

Tudo bem, é possível então identificar uma maior conectividade funcional entre os hemisférios cerebrais dos canhotos no que se refere à linguagem, e menor conectividade nas outras duas redes citadas acima. Mas o que isso tem a ver com o desempenho do cérebro e da mente dos amigos canhotos?

A questão é que um desses genes em particular, que atende pelo críptico nome de rs199512, participa dos processos de formação de circuitos anômalos durante o desenvolvimento cerebral dos pacientes com esquizofrenia.

De fato, sabe-se por estudos envolvendo grande número de participantes que a não-destralidade é muito mais comum em esquizofrênicos. O mesmo gene que define a preferência manual à esquerda participa das anomalias do desenvolvimento de circuitos neurais nesses pacientes.

A boa notícia é que esses genes dos canhotos têm correlação fortemente negativa com a doença de Parkinson, e correlação tendencialmente negativa com a anorexia nervosa e o transtorno bipolar.

Canhotos, não se desesperem. Este é apenas um estudo de correlação: revela uma maior probabilidade de esquizofrenia e menor probabilidade de Parkinson entre vocês.

O que significa dizer que nós destros podemos ter menor chance de desenvolver esquizofrenia, mas temos maior possibilidade de apresentar a doença de Parkinson.

Relevante no estudo é a relação entre genes, proteínas do neurodesenvolvimento e doenças psiquiátricas. Pesquisas futuras poderão abordar essa relação para estabelecer por quais mecanismos essas doenças são determinadas durante o desenvolvimento cerebral. Fonte: O Globo.

Maus hábitos geram doença de Parkinson

Atenção, isto é um mito!
Sim e não necessariamente!

18/09/2019 - Malos hábitos generan enfermedad de Parkinson.