quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Vantagens e Dificuldades da Telemedicina no Estudo de Parkinson Analisado em Revisão

SEPTEMBER 13, 2018 - A telemedicina tem o potencial de se tornar um componente crítico dos cuidados de saúde em pessoas com doença de Parkinson, mas estudos maiores são necessários para determinar seu papel, afirma um estudo de revisão.

O estudo, "Perspectivas atuais sobre o papel da telemedicina no tratamento da doença de Parkinson", foi publicado na revista Smart Homecare Technology and TeleHealth.

Embora tenha sido estabelecido que os pacientes com Parkinson se beneficiam significativamente dos cuidados especiais, o número de pacientes que recebem esse tipo de atendimento ainda é limitado, e as pessoas nas áreas rurais ou nos países em desenvolvimento enfrentam desafios ainda maiores para acessá-lo.

A telemedicina oferece recursos clínicos avançados e conhecimento especializado para pacientes que, de outra forma, não teriam acesso a atendimento especializado. Ele permite que os profissionais de saúde avaliem, diagnostiquem, tratem e acompanhem pacientes à distância usando tecnologia de telecomunicações.

Embora possa não ser o método mais apropriado para fazer um diagnóstico inicial da doença de Parkinson, vários estudos sugeriram que a telemedicina é tão eficaz quanto - e mais conveniente e economicamente vantajosa que - visitas de acompanhamento em pessoa, tanto para pacientes quanto para pacientes de saúde. fornecedores.

Os pesquisadores agora avaliaram as vantagens e restrições da telemedicina no tratamento da doença de Parkinson nos EUA após o estabelecimento de uma relação paciente-provedor e um diagnóstico definitivo através de uma consulta em pessoa.

Após uma extensa pesquisa de estudos publicados, os pesquisadores identificaram e analisaram 13 estudos adequados (realizados entre 2006 e 2017) que focalizaram a videoconferência, também conhecida como visitas virtuais, como uma forma de telemedicina.

A equipe descobriu que a telemedicina tem várias vantagens no tratamento da doença de Parkinson, tanto em casa como em lares de idosos.

A telemedicina aumentou a viabilidade - mais de 90% das consultas de telemedicina foram concluídas conforme o planejado - economiza tempo e dinheiro e mostra grande satisfação entre os pacientes de Parkinson e os profissionais de saúde (mais de 85% dos participantes estavam satisfeitos).

Além disso, a satisfação do paciente aumentou com o tempo, sugerindo que, à medida que a tecnologia avança, menos problemas técnicos estão ocorrendo nas visitas virtuais.

Os pesquisadores observaram que uma versão modificada da Escala Unificada de Avaliação da Doença de Parkinson (UPDRS) - uma medida válida da gravidade da doença - foi desenvolvida para simplificar a avaliação virtual do estado da doença e excluir a necessidade de avaliação prática, que pode melhorar a avaliação virtual.

Notavelmente, os pacientes acompanhados de telemedicina mostraram melhorias clínicas similares àquelas seguidas com consultas presenciais, sugerindo que “os resultados do tratamento para a telemedicina, baseados na melhora do funcionamento motor, são objetivamente tão bons quanto para os cuidados em pessoa”, disseram pesquisadores.

No entanto, eles observaram que os estudos publicados atualmente têm algumas limitações, e que há uma necessidade urgente de estudos maiores e de longo prazo envolvendo pacientes de todas as raças e status educacional, e com incapacidade mais grave.

O uso difundido da telemedicina é limitado por barreiras tecnológicas, pois pacientes sem acesso à internet de alta velocidade ou que moram muito longe de centros com essa tecnologia, não conseguem esse tipo de atendimento. Além disso, alguns estudos sugeriram que a qualidade atual da videoconferência pode não permitir que os médicos acessem efetivamente as disfunções motoras sutis.

"Ainda não está claro se a avaliação da casa é mais precisa porque reflete o ambiente natural de um paciente ou se uma avaliação do consultório é mais precisa porque os médicos podem ver os pacientes com mais clareza", escreveu a equipe.

Questões burocráticas e jurídicas, como dificuldades em negociar o reembolso de visitas virtuais a companhias de seguros e licenciamento médico em todo o país, também são duas grandes barreiras para as visitas de telemedicina.

Os autores acreditam que um programa de telemedicina ideal deve ser baseado no desenvolvimento de uma clínica remota com os recursos necessários para ter videoconferência confiável.

Embora a telemedicina não substitua o tradicional exame prático, “estamos mais próximos do que nunca de tornar a avaliação de visita virtual tão boa quanto a de uma pessoa com acesso mais amplo aos cuidados, maior conveniência para os pacientes e comunicação perfeita entre os membros. equipe de tratamento”, concluíram. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinsons News Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário