sexta-feira, 8 de junho de 2018

Projetam um fotofármaco com potencial terapêutico contra Parkinson.

No momento, ele só foi usado em ratos de laboratório.
07/06/2018 - Cientistas do Instituto de Neurociências da Universidade de Barcelona (UB), o Instituto de Pesquisa Biomédica de Bellvitge (IDIBELL) e da Universidade Autônoma de Barcelona (UAB) ter projetado o primeiro medicamento ativado por luz com potencial terapêutico contra o Parkinson, embora sua aplicação clínica ainda esteja distante.

Esta nova droga, chamada 'MRS7145', é eficaz em modelos animais, neste caso, em ratos laboratoriais com doença de Parkinson, de acordo com pesquisa publicada pelo Journal of Controlled Release.

Este é o primeiro fotofármaco com potencial terapêutico para combater a doença de Parkinson, causada pela dopamina reduzida devido à morte progressiva de neurônios dopaminérgicos.

Devido à falta de especificidade espacial e distribuição lenta e imprecisa, entre outras razões, a ação de drogas convencionais é muito limitada. Além disso, ao longo do tempo, a eficácia do tratamento tradicional Parkinson (levodopa) diminui, é necessário aumentar a dose ou alterar a droga.

A operação optofarmacológica MRS7145 é uma disciplina inovadora que é baseada no uso da luz (com um determinado comprimento de onda) para controlar a atividade de fármacos e torná-los mais precisos. Este é utilizado na MRS7145, um derivado fotossensível um antagonista selectivo do receptor A2A de adenosina.

Inicialmente, este primeiro fotofarmacêutico é um composto químico inativo cujo estado não muda até que seja ativado pela luz visível (com um comprimento de onda de 405 nanómetros) que não é prejudicial para o organismo.

Uma série de fibras ópticas implantadas no corpo estriado (dentro do cérebro) de ratos de laboratório facilita a irradiação da região do cérebro responsável pelo controle da atividade motora.

Após irradiação com luz violeta, o fármaco ativo é libertado e bloqueia o receptor A2A de adenosina, "que tem uma atividade facilitadora do efeito dopamina" de acordo com o pesquisador Francisco Ciruela, adicionando "precisão espaçotemporal mais fina para manipular circuitos neurais em mais detalhe e estabelecer funcionamento e fins terapêuticos neuroprotetores".

De acordo com o cientista, este tratamento pode ser monitorizado em pessoas", por exemplo, com um adesivo acoplado com um sistema de irradiação remotamente controlado por um aplicativo móvel, o médico pode controlar de uma maneira precisa a libertação da dose eficaz da droga ativa para o local da ação".

Embora a aplicação clínica deste fotofármaco em pacientes ainda é uma referência distante, esta inovação farmacológica poderia abrir o caminho para encontrar novas terapias para a doença de Parkinson. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: 20 Minutos. Veja também aqui: First photoactive drug to fight Parkinson's disease.

Nenhum comentário:

Postar um comentário