sexta-feira, 8 de junho de 2018

Problemas do sono na doença de Parkinson: podemos consertá-los?

June 7, 2018 - Uma equipe de pesquisadores da VIB e KU Leuven descobriu por que pessoas com uma forma hereditária da doença de Parkinson sofrem distúrbios do sono. Os mecanismos moleculares descobertos em moscas-das-frutas e células-tronco humanas também apontam para alvos candidatos para o desenvolvimento de novos tratamentos.

Sono e Parkinson

A doença de Parkinson afeta 5 milhões de pessoas em todo o mundo. Seus sintomas típicos estão relacionados à dificuldade de movimento: tremor, rigidez, perda de equilíbrio ... Mas os pacientes também são confrontados com vários sintomas não-motores, incluindo distúrbios do sono. Quase todos os pacientes experimentam algum tipo de distúrbio do padrão de sono, variando de movimentos noturnos ou insônia até a sonolência diurna.

Problemas com padrões de sono são um dos primeiros sintomas da doença, às vezes ocorrendo até 10 anos antes do início dos sintomas motores e, muitas vezes, antes que o diagnóstico real seja feito. Escusado será dizer que isso tem um enorme impacto sobre as pessoas com Parkinson e seus entes queridos.

Defeitos lipídicos no cérebro

Usando células estaminais pluripotentes humanas induzidas derivadas de pessoas com uma forma hereditária da doença de Parkinson, bem como moscas da fruta geneticamente modificadas com sintomas de Parkinson, uma equipe de cientistas liderada por Patrik Verstreken (VIB-KU Leuven Center for Brain & Disease Research) descobriu problemas com os chamados neurônios neuropeptidérgicos, um tipo específico de neurônios que regulam os padrões de sono.

O tráfico anormal de lipídios nesses neurônios perturba a produção e liberação de neuropeptídeos, que por sua vez afeta a regulação do sono e dos ritmos circadianos. O resultado é um ciclo de sono-vigília perturbado nas moscas geneticamente modificadas.

Restaurando o equilíbrio lipídico?

"Descobrimos qual tipo de lipídio está faltando, para que possamos tentar resgatar os defeitos do padrão de sono restaurando o equilíbrio lipídico", explica Jorge Valadas, que faz parte da equipe da Verstreken. "Quando nós modelamos a doença de Parkinson em moscas de frutas, descobrimos que eles têm padrões de sono fragmentados e dificuldades em saber quando ir dormir ou quando acordar. Mas quando nós os alimentamos fosfatidilserina - o lipídio que está esgotado nos neurônios neuropeptidérgicos - vemos uma melhora em questão de dias ".

As descobertas são promissoras, mas os cientistas ressaltam que muito trabalho precisa ser feito antes que os resultados possam ser traduzidos para os pacientes.

Patrik Verstreken: "Traduzir os experimentos de fosfatidilserina não é simples, já que manifestações semelhantes de sono estão ausentes em modelos de ratos da doença de Parkinson. A boa notícia é que a fosfatidilserina já é comercializada como um suplemento alimentar, então se pudermos provar a eficácia em humanos, Entretanto, ainda há muitas perguntas. Por exemplo, não sabemos se a fosfatidilserina pode ser liberada no cérebro em seres humanos ou em qual dose. "

Mudança de paradigma

Os sintomas não-motores geralmente recebem menos atenção, mas ainda assim têm um grande impacto na vida dos pacientes. Entender e potencialmente intervir no que causa problemas de sono na doença de Parkinson é, portanto, um importante passo à frente, mas segundo Verstreken, as descobertas também são uma mudança conceitual: "Os principais responsáveis ​​pelos sintomas motores são os neurônios dopaminérgicos, mas o ritmo circadiano e os problemas do padrão de sono são específicos para defeitos em neurônios neuropeptidérgicos. Ao contrário dos neurônios dopaminérgicos, os problemas neuropeptidérgicos são causados ​​por disfunção neuronal, não degeneração, o que implica que eles podem ser corrigidos. Esta pode ser uma verdadeira mudança de paradigma no campo da doença de Parkinson. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Science Daily.

Nenhum comentário:

Postar um comentário