sexta-feira, 18 de maio de 2018

Novos insights sobre processos moleculares em Parkinson

Os insights sobre a interação da proteína α-sinucleína (azul) com membranas (branco / vermelho) mostram como estes podem afetar positiva ou negativamente a formação de depósitos relevantes de Parkinson. (© HHU / H. Etzkorn)
18. Mai 2018 - A proteína α-sinucleína é difícil de entender. A molécula, que desempenha um papel fundamental na doença de Parkinson, muda de forma milhares de vezes por segundo. Com um truque, os cientistas conseguiram decifrar em detalhe as propriedades moleculares da proteína em voo.

A α-sinucleína ocorre como um componente normal nas células nervosas. Por outro lado, também forma depósitos microscópicos que podem ser detectados nas células nervosas dos pacientes com Parkinson. "Como uma chamada proteína intrinsecamente desordenada constantemente assume diferentes estados dobráveis ​​espaciais, chamados conformações", explicou o Prof. Henrike Heise, pesquisador do Centro de Pesquisa de Jülich e da Universidade Heinrich-Heine, em Dusseldorf.

Como resultado, faz parte de um grupo de blocos de proteínas cuja pesquisa é particularmente desafiadora. O método de ressonância magnética nuclear (RMN) é praticamente padrão quando se trata de medir a estrutura de moléculas biológicas com extrema precisão. "Mas os diferentes estados da proteína de Parkinson vêm mudando rápido demais para serem captados diretamente. Portanto, até agora você só podia medir as médias de tempo", disse o químico.

No Centro de RMN Biomolecular do Forschungszentrum Jülich e na Universidade de Düsseldorf, Heise desenvolveu um método que fornece uma visão melhor. Primeiro, ela e seus colegas esfriaram as amostras para temperaturas abaixo de 173 graus Celsius negativos. No nível molecular, isso tem um efeito semelhante ao sobrepor os instantâneos individuais de um filme em ritmo acelerado em uma única imagem fixa. Da mesma forma, as proteínas do Parkinson se comportam. Trancados no líquido gelado e congelado, eles permitem que os pesquisadores observem todo o conjunto de diferentes conformações em grande detalhe ao mesmo tempo.

"Os resultados mostram sobre que afirma a proteína pode assumir quando está em sua forma 'saudável', mas também como eles mudam conformação quando interage com membranas ou formas deformadas agrega" Sayagyi declarou Heise.

Tipo de parede celular é crucial

A interação da α-sinucleína com a parede celular também foi o foco de um estudo conduzido por uma equipe de pesquisadores liderada pelos drs. Manuel Etzkorn se apresentou. As interações com a membrana celular de certas células nervosas são consideradas um fator importante no desenvolvimento da doença de Parkinson. Eles podem ser o ponto de partida para a formação das primeiras células germinativas, que então crescem em depósitos maiores. No decurso da doença, estes poderiam destruir a parede celular e, assim, levar à morte das células nervosas afetadas.

"Os nossos dados demonstram, pela primeira vez uma clara ligação entre as conformações que podem ser causados ​​pela interacção com a membrana celular e como eles favorecem a dobragem incorreta de patogenicidade de α-sinucleína, ou mesmo impedir," Etzkorn explicou. Portanto, além dos novos insights sobre os mecanismos básicos, um melhor entendimento das interações também pode abrir novas opções terapêuticas. Original em alemão, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Biermann-Medizin.

Nenhum comentário:

Postar um comentário