sexta-feira, 10 de novembro de 2017

O teste da LCT não demonstra eficácia

Infelizmente o teste da LCT (Nova Zelândia) com xenotransplantes não mostou eficácia.

Living Cell enfrenta uma estrada mais lenta para a comercialização após o teste, precisa de mais análise
10 Nov, 2017 - A empresa de biotecnologia neo-zelandesa, listada na ASX como Living Cell Technologies, não buscará o consentimento provisório para o tratamento da doença de Parkinson após o último teste não mostrar uma "diferença estatisticamente significativa" entre as pessoas que receberam o tratamento e as que não o fizeram.

A empresa com sede em Melbourne interrompeu a negociação de suas ações ontem antes dos resultados do julgamento, o que esperava que lhe dê o todo claro para buscar vendas comerciais de seu tratamento no início do ano que vem.

"É necessária mais análise e contribuição de dados de nossos consultores, mas neste momento não podemos continuar com um aplicativo regulatório", disse o executivo-chefe Ken Taylor em um comunicado ao ASX.

A Living Cell desenvolveu o tratamento NTCELL para a doença de Parkinson usando células cerebrais de plexo coroideo de porcos neonatais, que são implantados em um local danificado no cérebro e funcionam como uma "fábrica neuroquímica" que produz fatores que promovem o crescimento do sistema nervoso central e reparam a doença - degeneração nervosa induzida.

A terapia celular mostrou potencial nos primeiros ensaios como agente modificador da doença na doença de Parkinson.

O último estudo foi projetado para confirmar a dose mais efetiva de NTCELL, definir qualquer componente placebo da resposta e identificar ainda o subgrupo do paciente inicial da doença de Parkinson.

O ensaio clínico da Fase IIb da empresa de biotecnologia foi concluído em abril e esperava que os resultados não estivessem cegos,

Havia três grupos de seis pacientes e dois pacientes de cada grupo tiveram cirurgia simulada sem nenhum NTCELL implantado, para atuar como controle.

Os pacientes restantes receberam diferentes números de microcápsulas de NTCELL em cada lado do cérebro.

Embora não tenham ocorrido eventos adversos de produtos ou procedimentos e não haja evidência de infecção xenogênica em pacientes e seus parceiros "estamos desapontados com o fato de que o desfecho primário de eficácia não foi cumprido", disse Taylor.

O investigador principal Barry Snow no Auckland City Hospital disse que o próximo passo é analisar os dados em profundidade e continuar monitorando os pacientes de acordo com o protocolo de extensão do estudo, particularmente para os movimentos de eficácia em pontos de tempo mais longos.

As ações listadas na ASX foram negociadas em 20,5 centavos australianos e aumentaram 130% neste ano. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: NZ Herald.

Nenhum comentário:

Postar um comentário