quinta-feira, 23 de novembro de 2017

AstraZeneca junta-se a Takeda, Berg para promover o desenvolvimento de terapias de doença de Parkinson

SEPTEMBER 5, 2017 - AstraZeneca fez parceria com a Takeda Pharmaceutical para desenvolver e comercializar o anticorpo de alfa-sinucleína MEDI1341 para o tratamento da doença de Parkinson.

Espera-se que MEDI1341 entre em um ensaio clínico de Fase 1 no final deste ano. Nos termos do acordo, a AstraZeneca supervisionará o desenvolvimento do MEDI1341 até a Fase 1, enquanto a Takeda orientará futuros desenvolvimentos clínicos.

"Hoje, não há medicamentos que possam retardar ou interromper o progresso degenerativo da doença de Parkinson, por isso continua a ser uma grande área de necessidade médica não atendida", disse Mene Pangalos, vice-presidente executivo de desenvolvimento de negócios globais da AstraZeneca, em um comunicado de imprensa.

"A Takeda tem um excelente histórico em pesquisa de neurociências e estamos ansiosos para trabalhar juntos. Ao combinar nossos conhecimentos científicos e compartilhar os riscos e o custo do desenvolvimento, esperamos acelerar o avanço do MEDI1341 como uma nova abordagem promissora para apoiar o tratamento de pessoas com doença de Parkinson em todo o mundo", acrescentou Pangalos.

Um dos mecanismos subjacentes à progressão da doença de Parkinson é a acumulação de proteína alfa-sinucleína em agregados denominados corpos de Lewy. As terapias para a doença de Parkinson atualmente se concentram em estratégias para remover ou prevenir a formação e disseminação desses agregados.

O MEDI1341 tem um alto grau de afinidade e seletividade, além de pouca interação com o sistema imunológico, sugerindo que poderia ser mais eficaz e seguro que outros anticorpos visando a alfa-sinucleína.

"Apesar dos modestos avanços em terapias de manutenção, a doença de Parkinson continua a representar um diagnóstico devastador e um desafio oneroso para a descoberta terapêutica", disse Emiliangelo Ratti, chefe da Unidade de Área Terapêutica Global CNS da Takeda. "Nossa colaboração com a AstraZeneca é sofisticado e que nos permitirá avançar de forma eficiente um alvo validado em uma nova modalidade, com o objetivo de melhorar a vida dos pacientes".

AstraZeneca também anunciou recentemente colaboração de pesquisa com a empresa Berg para identificar e testar novos alvos para doenças neurodegenerativas, como o Parkinson. Sob o acordo, a Berg usará a biblioteca da AstraZeneca de fragmentos otimizados do sistema nervoso central (CNS) e acoplá-la-á à sua plataforma de análise de inteligência artificial proprietária para identificar novas metas terapêuticas.

"Durante a última década, a BERG esteve na vanguarda do uso da inteligência artificial para a descoberta de drogas e estamos empolgados em parceria com a AstraZeneca, que tem sido líder da indústria na descoberta e desenvolvimento de terapias para melhorar o atendimento ao paciente na neurociência", disse Niven. R. Narain, co-fundador, presidente e diretor executivo da Berg, disse em um comunicado de imprensa da empresa.

"A doença de Parkinson é uma desordem progressiva devastadora e estamos orgulhosos de colaborar com a AstraZeneca para encontrar novas abordagens para o tratamento de pacientes com Parkinson e explorar alvos terapêuticos para doenças neurológicas adicionais", acrescentou Narain. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: ParkinsonsNews Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário