quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Alterações climáticas são o tema central do Congresso de Neurologia

16 de Novembro de 2017 - Hoje, pelas 18h30 no hotel SANA, em Lisboa, há uma conferência intitulada “Alterações climáticas: da génese aos impactos” com o professor João Carlos Andrade Santos, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

A conferência acontece no âmbito do Congresso de Neurologia, que decorre até dia 18 naquele hotel da capital. Este ano, o tema do encontro é “Alterações Climáticas, Globalização, Ambiente e Neurologia”.

As melhorias alcançadas em múltiplos indicadores de saúde a nível mundial demonstram uma evolução extraordinária nos últimos 50 anos, com ganhos espetaculares na saúde pública global. No entanto, as alterações climáticas tornaram-se numa ameaça major à saúde, pairando sobre a Humanidade a possibilidade de retrocessos e perdas incalculáveis se nada for feito. Esta é uma questão que nos deve preocupar a todos”, esclarece a Sociedade Portuguesa de Neurologia (SPN), entidade organizadora do evento.

A SPN considera ainda que “mais do que uma questão científica, a descarbonização da economia tornou-se, primeiro que tudo, numa questão política. Cabe aos Médicos, no âmbito da sua atividade clínica e académica, colocarem-se não só ao serviço dos doentes na busca constante de métodos de diagnóstico e tratamento mais eficazes, mas também disponibilizarem o seu saber ao serviço da causa pública num âmbito mais global – informando, sensibilizando e influenciando os decisores políticos para que as melhores opções sejam tomadas no sentido de proteger o planeta e a Humanidade”.


Nos últimos 130 anos a temperatura média global aumentou 1º C. A quantidade de neve e gelo no planeta diminuiu e o nível do mar aumentou 19 cm entre 1901 e 2010. Com o aumento previsto na emissão de gases de estufa para a atmosfera estima-se que, no final deste século, a temperatura tenha subido 1.5–2.5º C acima da verificada na era pré-industrial. Fonte: SaúdeOnline.

Nenhum comentário:

Postar um comentário