sexta-feira, 17 de maio de 2019

Mitofagia Neuronal: Lições de uma Via Ligada à Doença de Parkinson

17 May 2019 – Resumo
Os neurônios são células especializadas com arquitetura complexa e estendida e altos requisitos de energia. A energia na forma de adenosina trifosfato, produzida essencialmente pela respiração mitocondrial, é necessária para preservar a morfologia neuronal, manter o potencial de repouso, ativar os potenciais de ação e garantir a neurotransmissão. Piscinas de mitocôndrias funcionais são necessárias em todos os compartimentos neuronais, incluindo corpo celular e dendritos, nós de Ranvier, cones de crescimento, axônios e sinapses. Os mecanismos pelos quais as mitocôndrias antigas ou danificadas são removidas e substituídas nos neurônios permanecem não completamente compreendidos. A mitofagia ganhou considerável interesse desde a descoberta das formas familiares da doença de Parkinson, causadas pela disfunção do PINK1 e do Parkin, duas proteínas multifuncionais que colaboram na regulação desse processo. Nos últimos 10 anos, os mecanismos moleculares pelos quais PINK1 e Parkin promovem conjuntamente a degradação de mitocôndrias defeituosas por autofagia foram dissecados. Entretanto, nossa compreensão da relevância da mitofagia para a homeostase mitocondrial em neurônios permanece pobre. O insight foi recentemente obtido graças ao desenvolvimento de sistemas repórteres fluorescentes para rastrear as mitocôndrias no compartimento ácido do lisossoma. Usando essas ferramentas, eventos de mitofagia foram visualizados em neurônios primários em cultura e in vivo, sob condições basais e em resposta a insultos tóxicos. Apesar destes avanços, se o PINK1 e Parkin desempenham um papel importante na promoção de mitofagia neuronal em condições fisiológicas em animais adultos e durante o envelhecimento, permanece uma questão de debate. Estudos futuros terão que esclarecer até que ponto a disfunção da mitofagia neuronal é central na fisiopatologia da doença de Parkinson. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Springer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário