quinta-feira, 9 de maio de 2019

Estudo liga a remoção do apêndice ao maior risco de Parkinson, e contradiz outra pesquisa

New research suggests that patients who have had their appendix removed are three times more likely to develop Parkinson’s disease. (File image: kupicoo/Istock.com)
Thursday, May 9, 2019 - Uma nova pesquisa sugere que os pacientes que tiveram seu apêndice removido são três vezes mais propensos a desenvolver a doença de Parkinson, apesar de estudos anteriores sugerirem o contrário.

Os pesquisadores analisaram os registros de saúde de mais de 62,2 milhões de pacientes, identificando aqueles que sofreram apendicectomias e foram diagnosticados com a doença de Parkinson pelo menos seis meses depois.

Eles descobriram que entre os 488.190 pacientes que tiveram seu apêndice removido, 0,92 por cento passou a desenvolver a doença neurodegenerativa.

Dos pacientes restantes que não realizaram uma apendicectomia, apenas 117.230 - ou 0,29% - desenvolveram Parkinson.

"Esta pesquisa mostra uma relação clara entre o apêndice, ou remoção do apêndice, e doença de Parkinson, mas é apenas uma associação", disse o Dr. Mohammed Z. Sheriff, da Case Western Reserve University e University Hospitals Cleveland Medical Center em um comunicado de imprensa emitido quinta-feira.

Pesquisas anteriores ligando o apêndice à doença de Parkinson foram inconsistentes, levando os pesquisadores a explorar mais o link.

Em outubro, pesquisas abrangendo mais de um milhão de registros de pacientes concluíram que as pessoas que tiveram seus apêndices removidos tinham um risco menor de desenvolver Parkinson. O estudo também mostrou que os pacientes que foram submetidos a apendicectomias, mas ainda foram diagnosticados com a doença, relataram um atraso no início dos sintomas de Parkinson em 3,5 anos.

Uma das principais descobertas do estudo revelou que o apêndice é um ponto de coleta de uma proteína anormal ligada à doença de Parkinson chamada “alfa-sinucleína”. Pesquisas mostraram que a proteína pode pular entre os neurônios e é capaz de percorrer o trato gastrointestinal para o cérebro.

"Pesquisas recentes sobre a causa da doença de Parkinson se concentraram em torno da alfa-sinucleína, uma proteína encontrada no trato gastrointestinal no início do Parkinson", disse Sheriff.

"É por isso que cientistas de todo o mundo têm procurado no trato gastrointestinal, incluindo o apêndice, evidências sobre o desenvolvimento da doença de Parkinson."

Sheriff observa que pesquisas adicionais são necessárias para entender a real conexão entre o apêndice e a doença de Parkinson.

A doença incurável afeta mais de 100.000 canadenses. Segundo a Statistics Canada, o canadense médio diagnosticado com a doença tem 64 anos de idade.

Aqueles que vivem com a doença experimentam uma série de sintomas debilitantes, incluindo tremores, fala arrastada, movimentos musculares restritos e reflexos inibidos.

O estudo será apresentado na Digestive Disease Week, em San Diego, no dia 20 de maio. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: CTVNews.

Nenhum comentário:

Postar um comentário