sexta-feira, 10 de maio de 2019

Doença de Parkinson e medicação: o que há de novo?

Desde o seu lançamento no final dos anos 1960, a carbidopa / levodopa (N.T.: no Brasil a mais popular é o Prolopa) (nome comercial SINEMET® nos EUUA) ainda é o tratamento de sintomas motores mais eficaz da doença de Parkinson (DP). No entanto, não aborda todas as facetas da doença. Medicamentos para reforçar a sua eficácia e tratar sintomas não motores relacionados com a DP estão disponíveis recentemente ou apenas no horizonte.

Este artigo é baseado em um webinar da Parkinson Foundation Expert Briefings que explora tratamentos inovadores de DP por Rajesh Pahwa, MD, Diretor, Parkinson e Divisão de Transtorno do Movimento, da Universidade de Kansas Medical Center, um Centro de Excelência da Fundação Parkinson.

Medicina pioneira
É um momento empolgante para os avanços das drogas na DP. Enquanto os benefícios da terapia gênica ainda estão sendo estudados, muitos novos medicamentos estão no mercado ou estarão em breve. Estes novos tratamentos são projetados para enfrentar os desafios da doença de Parkinson, incluindo:

Psicose - alucinações e delírios.
Hipotensão ortostática - queda da pressão arterial ao levantar-se ou ficar de pé.
Tempo “off” - quando os sintomas e dificuldades de movimento aumentam.
Discinesia - movimento muscular anormal e involuntário.
Demência - memória e pensamento declinam.
Quedas - A DP pode causar lentidão de movimentos, aumentando a queda e outros riscos.

Tratamentos Atuais
Psicose da doença de Parkinson
A psicose associada à DP pode ser causada pela própria doença ou medicamentos de DP. Desafiando as pessoas com DP e cuidadores, os sintomas incluem confusão, delírios e alucinações. Comunicar quaisquer alterações à sua equipe médica.

O pimavanserin (Nuplazid®), mais recente no mercado, é o único tratamento aprovado para a psicose na DP. Não bloqueia a dopamina nem piora os sintomas motores. Pode melhorar alucinações, delírios, sono noturno e sonolência diurna. Os efeitos colaterais incluem náusea, confusão e alucinações. (N.T.: Medicamento polêmico)

Hipotensão Ortostática
De 20 a 50% das pessoas que vivem com DP sofrem uma queda significativa da pressão arterial quando em pé, conhecida como hipotensão ortostática; certos medicamentos podem piorar isso. Esta queda pode causar tonturas ou desmaios e outros sintomas.

Droxidopa (NORTHERA®) trata a tontura. Não deve ser tomado dentro de cinco horas antes de dormir. Os efeitos colaterais incluem dor de cabeça, tontura, náusea, fadiga e pressão alta quando deitado.

"Off" - Avanços no Tempo
A levodopa é sintetizada no cérebro em dopamina, tornando-se fundamental para o controle dos sintomas da doença de Parkinson. Mas vários fatores podem interferir na entrega de dose constante e precisa. Quando a medicação não é tomada a tempo, ou a absorção é retardada, o congelamento e outros sintomas motores súbitos e debilitantes podem ocorrer. Estes medicamentos mais recentes podem ajudar a combater os períodos "off".

Suspensão Carbidopa / Levodopa Enteral (Duopa ™)
A terapia com Duopa ™, um tratamento mais recente com carbidopa / levodopa, pode beneficiar pessoas com DP avançada que respondem bem à levodopa e experimentam três ou mais horas “off” diariamente. É entregue em forma de gel (chamado de suspensão enteral). Os usuários de Duopa ™ devem primeiro fazer uma cirurgia para colocar um tubo no intestino que é posteriormente conectado a uma bomba que fornece Duopa ™. (N.T.: não disponível no Brasil)

Safinamida (XADAGO®)
Os comprimidos de safinamida (XADAGO®) são um tratamento adicional para pessoas com Parkinson que estão a tomar carbidopa / levodopa e com períodos “off”. A safinamida é um inibidor da monoaminoxidase B (MAO-B) que pode reduzir os tempos “off” até 55 minutos por dia, sem discinesia. As interações incluem outras drogas da classe MAO-B, alguns antidepressivos e o medicamento para a dextrometorfano. Qualquer um que tome um remédio para DP deve conversar com seu médico e farmacêutico sobre possíveis interações medicamentosas.

Terapia sob demanda
Inalação de Levodopa (INBRIJA ™)
O pó de inalação de levodopa INBRIJA ™ é um medicamento adicional para períodos “off” em pessoas que tomam carbidopa / levodopa. Administrado via inalador, pode ser usado até cinco vezes por dia, melhorando os sintomas “off” em 10 minutos e com duração de até 60 minutos. Isto pode melhorar os sintomas das pessoas com motilidade diminuída do intestino enquanto esperam que a carbidopa / levodopa oral tenha efeito.

Cápsulas de Amantadine ER (GOCOVRI®)
Esta é a única medicação para tratar a discinesia e o tempo "off" em pessoas com DP tomando carbidopa / levodopa. Deve ser tomado antes de dormir e fornece controle da discinesia ao despertar e ao longo do dia. Pode causar alucinações e tontura. Este medicamento é diferente dos comprimidos de amantadina de liberação imediata e amantadina ER (OSMOLEX ER ™) que não são aprovados para discinesia ou tempo “off”.

Toxina IncobotulinumA (XEOMIN)
Mais de 50 por cento das pessoas com DP podem ter baba excessiva, causando afecções na pele ao redor da boca, odores, constrangimento ou asfixia. Duas injeções no rosto, a cada 3-4 meses de XEOMIN, podem controlar os sintomas.

Terapias Futuras
Apomorfina sublingual
A apomorfina é administrada através de injeções sob a pele. A apomorfina sublingual, dissolvida sob a língua, pode aliviar os episódios de "off" em pessoas com doença de Parkinson em 15 minutos e dura até 90 minutos. Os efeitos colaterais podem incluir náusea, sonolência e tontura.

Rimabotulinumtoxin B (MYOBLOC®)
A rimabotulinumtoxina B está atualmente aprovada para distonia e usada off-label para baba. Está passando por testes para tratar a baba. Os efeitos colaterais incluem boca seca, dificuldade leve de deglutição, leve fraqueza na mastigação e alterações na espessura da saliva.

Antagonista da Adenosina A2: Istradefilina
Um grupo de circuitos cerebrais chamados de gânglios da base desempenha um papel na causa dos sintomas da DP. Os gânglios da base têm receptores de adenosina A2A que estão localizados próximos aos receptores de dopamina. Os cientistas acreditam que ativar o receptor da dopamina ou bloquear o receptor da adenosina A2 pode melhorar os sintomas da doença.

Istradefilina, um antagonista do receptor de adenosina A2A, apresenta melhorias leves na flutuação dos sintomas motores. Aprovado para uso no Japão, o Istradefylline não recebeu aprovação do FDA dos EUA.

Infusão subcutânea de apomorfina
Disponível na Europa, o tratamento com apomorfina subcutânea oferece uma opção de tratamento de flutuação motora menos invasiva. Um pequeno tubo de fornecimento colocado sob a pele é conectado a um dispositivo de bombeamento preenchido com apomorfina. Pode reduzir o tempo “off” diário e possivelmente a discinesia, reduzindo a dose necessária de levodopa. Aqueles com alucinações e demência podem não ser candidatos.

Bomba Subcutânea de Carbidopa / Levodopa
Atualmente, duas empresas estão desenvolvendo bombas para terapia contínua com carbidopa / levodopa sob a pele, para reduzir os tempos “off” e as flutuações dos sintomas motores. As bombas podem ser usadas o tempo todo e não exigem cirurgia.

Liberação prolongada de carbidopa / levodopa
Novos testes estão em andamento para a terapia de carbidopa / levodopa de liberação prolongada para reduzir os tempos de “off” e as flutuações dos sintomas motores.

A fabricante do Accordion Pill ™, Carbidopa / Levodopa (AP-CD / LD), começará sua fase 3 de testes clínicos da nova tecnologia de entrega. O Accordion Pill libera lentamente o tratamento no estômago para uma absorção mais constante.

O IPX203, uma formulação de carbodopa / levodopa oral de liberação estendida e em fase de investigação que aumenta o tempo “on”, está atualmente inscrevendo participantes em seu estudo clínico de Fase 3.

Opicapone
Opicapone experimental é um inibidor da COMT (catecol-o-metil transferase). Esta classe de medicamentos pode estender os benefícios da levodopa. Disponível na Europa, o opicapone reduz o tempo “desligado” para pessoas com DP que sofrem flutuações de eficácia da levodopa. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinson.org.

Obs.: A maioria dos novos medicamentos ainda não está disponível no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário