sábado, 13 de outubro de 2018

Terapia Light Spectramax mostra-se promissora na atenuação dos sintomas não motores de Parkinson

OCTOBER 12, 2018 - A terapia de luz Spectramax da PhotoPharmics reduz a gravidade da doença, diminui os sintomas não motores e melhora a qualidade de vida dos pacientes com Parkinson, de acordo com os resultados recentes de um estudo clínico controlado.

O estudo “Ensaio duplo-cego controlado da terapia com luz Spectramax™ para o tratamento de pacientes com doença de Parkinson com terapia dopaminérgica estável” foi apresentado no Congresso Internacional de Doenças de Parkinson e Distúrbios do Movimento (MDS), realizado de 5 a 9 de outubro em Hong Kong, China.

Além dos sintomas motores bem conhecidos, a doença de Parkinson também é caracterizada por sintomas não motores, como comprometimento cognitivo, distúrbios do sono, depressão e dor.

Esses sintomas não motores podem ocorrer anos antes da perda marcante no Parkinson das células nervosas produtoras de dopamina e do início dos sintomas motores, e geralmente são resistentes aos medicamentos dopaminérgicos.

Os pacientes de Parkinson também têm um ritmo circadiano desregulado - o “relógio biológico” natural que regula as funções essenciais, como sono, ritmo de atividade de repouso e metabolismo - que tem sido cada vez mais associado ao desenvolvimento dos sintomas motores e não motores da doença.

Estudos pré-clínicos anteriores sugeriram que a terapia de luz melhora o ritmo circadiano e pode ser uma terapia eficaz para as características motoras e não motoras da doença de Parkinson.

"A luz terapêutica é a ferramenta mais poderosa para a regulação circadiana e, com base em nossa experiência no tratamento de distúrbios circadianos com fototerapia de largura de banda específica, acreditamos que podemos fazer uma grande diferença no tratamento da DP", disse Dan Adams, diretor de ciências da PhotoPharmics num comunicado de imprensa.

No estudo clínico randomizado e duplo-cego (NCT02175472), a PhotoPharmics avaliou a segurança e a efetividade da terapia de luz Spectramax em pacientes com doença de Parkinson com terapia dopaminérgica estável.

O estudo envolveu 92 pacientes com Parkinson com 45 anos ou mais em três centros nos EUA e na Europa. Os participantes foram randomizados para receber uma hora de terapia de luz (45 pacientes) ou placebo (47 pacientes) todas as noites durante seis meses. O placebo foi uma terapia de luz com uma largura de banda que não era considerada biologicamente ativa.

A gravidade da doença do paciente (incluindo sintomas motores e não motores), distúrbios do sono, ansiedade, depressão e qualidade de vida foram avaliadas antes e após seis meses de tratamento através de vários métodos validados.

De acordo com o site da PhotoPharmics, o dispositivo Spectramax da empresa, que fornece doses de luz fortes, mas inofensivas, em comprimentos de onda específicos, foi colocado principalmente em uma mesa ou escrivaninha na casa dos participantes. Desta forma, os pacientes foram capazes de realizar várias atividades - como ler, assistir TV e comer uma refeição - enquanto recebiam a terapia de luz.

Após seis meses de terapia de luz, os pacientes mostraram uma melhora clinicamente significativa na gravidade da doença - avaliada pela Sociedade de Distúrbios do Movimento - Escala de Avaliação de Doença de Parkinson Unificada (MDS-UPDRS) - comparada com pacientes no grupo de placebo.

Os pacientes tratados também mostraram uma redução significativa nos sintomas não motores (medidos através da Parte 1 do MDS-UPDRS), uma melhoria significativa na sua qualidade de vida (avaliada pelo Parkinson's Disease Questionnaire (PDQ-39)) e quase estatisticamente redução significativa na sonolência diurna (medida pela Escala de Sonolência de Epworth), comparada àquelas que receberam apenas tratamento dopaminérgico padrão.

A terapia com luz Spectramax foi bem tolerada, com olho seco, olho lacrimal e cansaço visual sendo os efeitos colaterais mais comuns.

Esses resultados são um "marco significativo para pacientes com doença de Parkinson e mostram o que pode ser a única terapia adjuvante para melhorar os sintomas da doença de Parkinson além dos medicamentos dopaminérgicos que os pacientes já estão tomando", disse Kent Savage, CEO da PhotoPharmics.

A PhotoPharmics observou que estudos duplo-cegos maiores são necessários para confirmar esses resultados, e que a empresa planeja conduzir ensaios clínicos adicionais para investigar melhor a terapia de luz em doenças neurodegenerativas. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Parkinsons News Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário