segunda-feira, 29 de outubro de 2018

CANNABIS MEDICINAL ALIVIA SINTOMAS DA DOENÇA DE PARKINSON

29 OCTOBRE 2018 - O Parkinson pode ser algo que você não percebe tão de repente. Os primeiros sintomas podem ser leves. Você pode se sentir cansado ou desconfortável. Podemos notar no início da doença, um leve tremor das mãos ou outras partes do corpo. A pessoa tem dificuldade em se levantar ... A doença de Parkinson é progressiva, como resultado, muitos sintomas debilitantes arruínam a vida diária da pessoa. Como os sintomas pioram, a dificuldade de fazer atividades diárias fica mais forte ... Mas a maioria das pessoas com Parkinson pode gerenciar a doença e seus sintomas com cannabis.

DOENÇA DE Parkinson
A doença de Parkinson pode ser muito difícil de administrar. Causa uma mistura de sintomas motores e não motores que afetam quase todos os aspectos da vida diária. Embora os medicamentos prescritos pelos médicos possam ser úteis, ainda existem lacunas no que os tratamentos podem oferecer ...
Naturalmente, as pessoas com Parkinson estão ansiosas para encontrar outros métodos para aliviar seus sintomas. Isso leva muitos desses pacientes a questionar se outras terapias, como a cannabis medicinal, podem ser úteis.

SINTOMAS COMUNS
Rigidez muscular. As pessoas com doença de Parkinson têm uma certa rigidez que dificulta a movimentação de certas partes do corpo. Isso ocorre porque os músculos não podem relaxar normalmente. E isso também pode causar dor.

Tremores. Estes tremores descontrolados geralmente começam nas mãos e braços. Embora eles também possam ocorrer na mandíbula ou nos pés. Observe que o polegar e o indicador se esfregam um no outro, especialmente quando você descansa a mão ou quando a pessoa se sente estressada.

No início, o tremor geralmente afeta apenas um lado do corpo ou outro membro. Com o tempo, os tremores podem se espalhar para outras partes do corpo.

Movimentos lentos. Ações como caminhar, sair da cama e até conversar tornam-se mais difíceis e lentas. Os médicos chamam de bradicinesia. Isso acontece porque o sinal do cérebro está diminuindo.

A bradicinesia pode dar ao rosto uma aparência de máscara inexpressiva.

Mudanças na caminhada. Um sinal precoce comum é que o (s) braço (s) pára de balançar naturalmente ao caminhar. Além disso, os passos podem se tornar curtos e arrastados. Assim, é difícil andar em lugares apertados, e parece que os pés estão colados ao chão.

OUTROS SINAIS
A doença de Parkinson é uma doença evolutiva. O que significa que os sintomas pioram com o tempo. Assim, pode afetar o movimento, a visão, o sono e a saúde mental. No entanto, uma pessoa com Parkinson pode ter sintomas diferentes em momentos diferentes do que outra pessoa com a mesma doença:

Distúrbios do equilíbrio
Desequilíbrio para frente ou para trás. Que pode causar quedas.
Postura estacionária com cabeça inclinada e ombros flácidos
Sacudir a cabeça
Problemas de memória
Dificuldade com o banheiro
Fadiga
Sedação excessiva
Problemas de pele, como caspa
Dificuldade em engolir e mastigar
Dificuldade em obter uma ereção ou um orgasmo
Tontura ou desmaio ao levantar-se
Medo e ansiedade
Confusão
Demência ou distúrbios do pensamento e raciocínio
Perda de olfato

Esses sintomas nem sempre significam que você tem a doença de Parkinson. Pode ser outra coisa ... Mas em cerca de 5% dos casos, a doença é o resultado da mutação de certos genes. No entanto, na grande maioria dos pacientes, a causa é desconhecida. A doença de Parkinson é provavelmente uma combinação de predisposições genéticas e fatores ambientais.

A doença de Parkinson (entre outras) é atribuída à degeneração de neurônios produtores de dopamina. A dopamina é um neurotransmissor que desempenha um papel fundamental no controle das funções motoras.

Atualmente, não há cura para a doença e a intervenção médica é limitada ao tratamento dos sintomas. Uma das principais formas de tratamento, a levodopa é usada para compensar a depleção de dopamina. Mas o tratamento deixa de ser efetivo após alguns anos e causa movimentos descontrolados (discinesia) em pacientes …

CANNABIS E O CÉREBRO
No final do século XIX, o uso de cannabis para tratar a doença de Parkinson foi descrita pela primeira vez na Europa no "Manual de Doenças do Sistema Nervoso", de William Richard Gowers (Philadelphia, PA, EUA: P Blakiston's Son & Co., 1888). Cento e trinta anos depois, estamos agora olhando para a evidência científica ...
A cannabis é um tipo de planta que, quando ingerida pelos seres humanos, pode ter muitos efeitos no cérebro e no corpo. Outras pesquisas científicas descobriram que os efeitos da planta canábica ocorrem através da ligação de certos produtos químicos de cannabis a um sistema receptor no cérebro humano chamado sistema endocanabinóide (ECS).

O SISTEMA ENDOCANNABINOIDE (ECS)
Os compostos de cannabis conhecidos sob o nome de canabinóides atuam no cérebro através da ligação a estruturas chamadas receptor CB1 (encontrado principalmente em neurónios e responsável pelo efeito psicoactivo de alguns destes canabinóides) e o receptor CB2 (encontrado principalmente em células gliais e responsável, entre outros, pela resposta inflamatória).

Esses receptores, assim como as moléculas endógenas que os ativam (endocanabinóides) fazem parte do sistema endocanabinóide, um sistema de comunicação intercelular presente em nosso corpo. Com este link, o ECS regula muitas funções, incluindo humor, dor, memória e apetite.

Demonstrou-se que o sistema endocanabinoide está comprometido na doença de Parkinson tanto em modelos animais experimentais como em pacientes com doença de Parkinson. Isso foi interpretado como uma reação do corpo aos danos causados ​​pela doença. Alguns consideram o sistema endocanabinóide como o mecanismo de defesa inato do cérebro.

THC E CBD
Os dois principais produtos químicos que são isolados da planta cannabis são Delta-9-tetrahydrocannabinol (THC) e Cannabidiol (CBD). Na maioria dos casos, a cannabis para fins médicos consiste em combinações purificadas desses dois produtos químicos em proporções variadas. A combinação pode ser dispensada como um líquido, comprimido ou spray nasal.

O THC e o CBD interagem com o ECS e seus efeitos terapêuticos são numerosos e reconhecidos.
E, portanto, pode-se supor que o THC e / ou o CBD podem ser úteis para aspectos da doença de Parkinson, tais como:

o tremor
rigidez muscular
insônia
distonia
a dor
discinesia
perda de peso

Ligando-se ao receptor CB1 nos neurônios, eles podem protegê-los contra uma variedade de estímulos nocivos. Eles também têm uma capacidade anti-inflamatória, mediada pelo receptor glial CB2. Além disso, esses canabinóides são importantes compostos antioxidantes que protegem os neurônios dos danos causados ​​pelo estresse oxidativo (um fator muito importante na doença de Parkinson). Isto tem sido demonstrado em vários estudos pré-clínicos para várias doenças, incluindo a doença de Alzheimer, doença de Huntington, esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica (doença do neurônio motor).

ESTUDOS CLÍNICOS SOBRE A CANNABIS E A DOENÇA DE Parkinson
Alguns ensaios clínicos foram realizados sobre o papel do CBD e THC na doença de Parkinson. Em um deles, um estudo aberto sobre o CBD, os sintomas psicóticos diminuíram. Em um segundo estudo, outro estudo aberto sobre o CBD, os sintomas do distúrbio do sono REM diminuíram. E em um terceiro estudo, há uma melhora clara na qualidade de vida dos pacientes. Todos esses estudos disponíveis foram resumidos em um documento resumido nesta tabela.

Em outro estudo, os pacientes foram convidados a preencher um questionário anônimo sobre sua experiência com a cannabis. Dos 84 pacientes que admitiram o uso de cannabis, 39 descreveram uma melhora leve ou substancial dos sintomas, incluindo tremor e discinesia, o que é demonstrado por um estudo da Universidade do Colorado.

A cannabis medicinal parece ser uma forma segura e eficaz para os idosos aliviarem os sintomas da doença de Parkinson, mas …

Entretanto, estudos observacionais desse tipo apresentam muitos problemas: os pesquisadores não conseguem controlar as variáveis ​​do experimento. De fato, não há grupo de controle com o qual comparar o efeito; as medições são indiretas e baseadas nos próprios relatórios do paciente. Assim, tais estudos produzem muitas variáveis ​​que podem confundir o resultado.

RESULTADOS MISTOS
Apesar da grande quantidade de evidências pré-clínicas acumuladas, nenhuma das pesquisas clínicas realizadas até o momento produziu resultados totalmente positivos. No entanto, à luz destes resultados, o uso de cannabis não parece ser a melhor estratégia para o tratamento da doença de Parkinson (*). Em suma, a terapia com cannabis depende do paciente e da sua predisposição para a cannabis. No entanto, o tratamento com compostos tendo um melhor perfil farmacológico, tal como o Δ-THCV associado ao CBD, seja no estado puro ou na forma de um extrato botânico de plantas enriquecidas nestes compostos, pode ser útil. Original em francês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Blog Cannabis.
(*) Mas é a única opção disponível, tirante as drogas legais com seus malignos efeitos colaterais e o dbs. Eu, como já fiz, testaria como último recurso. E é um alívio!
Mas o tráfico mata! Legalize a medicinal já!

Nenhum comentário:

Postar um comentário