domingo, 20 de maio de 2018

A incrível descoberta de alguns espanhóis que poderia detectar Parkinson

Pacientes com Parkinson presentes no cérebro como imagem de marca desta doença é a acumulação da referida proteína que forma uma estrutura chamada corpos de Lewy, cujo número aumenta à medida que a doença progride

Domingo, 20 mayo 2018 - Certamente é um avanço médico sem precedentes. Pesquisa em que os cientistas da Universidade de Alicante e dos Estados Unidos participam nota que o acúmulo de uma proteína chamada alfa-sinucleína na retina é um bom biomarcador que poderia ajudar a detectar Parkinson e da gravidade da doença.

Este trabalho foi publicado no prestigioso “Journal of Movement Disorders” em todo o mundo no campo da neurologia clínica publicada pela Associação Internacional de Parkinson e Distúrbios do Movimento, e é parte de um projeto científico mais amplo financiado pela Fundação Michael J. Fox.

O investigador principal do projeto, que começou em fevereiro de 2015, é o Dr. Nicolas Cuenca, coordenador do grupo de pesquisa Visual Sistema de Neurobiologia e terapia de doenças neurodegenerativas na Universidade de Alicante (UA).

Com a colaboração do Dr. Thomas Beach, Instituto de Banner Health Research Sun, Sun City, Arizona (EUA), e especialistas da Arizona State University e da Clínica Mayo nesse estado. O trabalho é novo em todo o mundo porque foi realizado com retinas de pacientes falecidos Parkinson, doado para a Sun Faixa, um centro dedicado à investigação sobre esta doença e doença de Alzheimer, e enviado para a UA a ser estudado por Cuenca e também o pesquisador predoctoral da Universidade de Alicante Isabel Ortuño Lizaran.

Em entrevista Cuenca e Ortuño Lizaran explicaram que eles estudaram especificamente a proteína alfa-sinucleína, porque é uma das principais marcas patológicas que normalmente são analisadas para determinar se você sofre de doença de Parkinson, uma doença neurodegenerativa que afeta entre sete e dez milhões as pessoas do mundo.

Os pacientes com Parkinson apresentam no cérebro a imagem de marca desta doença que é a acumulação da referida proteína que forma uma estrutura chamada corpos de Lewy, cujo número aumenta à medida que a doença progride.

Ortuño Lizaran Bacia e sublinhou que a importância científica do trabalho que eles têm feito é que, pela primeira vez foram identificados corpos de Lewy em retinas de pessoas com Parkinson. Este é o resultado de estudar as retinas enviados pelos pacientes post-mortem Bandeira Sun com Parkinson, cujos dados clínica e patológica na anatomia do cérebro é coletado no Instituto norte-americano.

Além disso, os investigadores descobriram uma correlação: a maior quantidade de alfa-sinucleína na retina, mais alterações motoras de Parkinson ocorre, o que significa que a doença está em fase mais grave.

A acumulação desta proteína na retina para formar corpos de Lewy é semelhante ao encontrado no cérebro na doença de Parkinson, resume Mancha. "É por isso que acreditamos que alfa-sinucleína é um bom biomarcador de Parkinson, pode mostrar o grau de gravidade da doença e de alguma forma reflete o que está acontecendo no cérebro", disse ele. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Ideal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário