sexta-feira, 6 de abril de 2018

Imunoterapia, a nova esperança dos pacientes

A menos de uma semana do Dia Mundial do Parkinson, um novo tratamento promissor para as 200.000 pessoas afetadas na França por essa doença está sendo testado: imunoterapia. Isso consiste em injetar pacientes com anticorpos que destroem os depósitos anormais de proteínas no cérebro.

06.04.2018 | A doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum do sistema nervoso após a doença de Alzheimer. É devido à degeneração progressiva de uma classe particular de células nervosas secretoras de dopamina no tronco cerebral.

Afetando quase 200.000 pessoas na França, a doença de Parkinson ainda permanece incurável, apesar do progresso considerável feito por tratamentos médicos e cirúrgicos. Embora o Dia Mundial do Parkinson seja realizado em 11 de abril, uma nova trilha de pesquisa é "uma nova esperança para os pacientes de Parkinson": a imunoterapia.

Fortalecer as defesas imunitárias dos pacientes
Detalhado esta sexta-feira 6 abril em Le Parisien pelo Professor Philippe Damier, neurologista do Hospital Universitário de Nantes, este novo tratamento tem como objetivo fortalecer o sistema imunológico do paciente para "retardar o processo degenerativo ou mesmo parar se você chegar muito cedo à doença". "Significa uma qualidade de vida muito melhor, menos fadiga, rigidez, problemas gestuais, distúrbios intestinais, menos tremores, mesmo que esse sintoma afete apenas" 30% dos pacientes", continua ele.

Especificamente, o uso da imunoterapia de Parkinson consiste em injetar anticorpos monoclonais, ou seja, "da mesma linhagem de linfócitos, os glóbulos brancos essenciais para a ativação do sistema imunológico", explica o jornal diário. Esses anticorpos têm como alvo depósitos proteicos anormais no cérebro e os destroem. "Tome o cérebro: ele é preenchido com proteínas alfa-sinucleína, mas em quase todos os pacientes com doença de Parkinson, eles se agregam anormalmente, especialmente nas células dopaminérgicas, o que é essencial para controlar o movimento do corpo. "onde a idéia de eliminar na fonte esses depósitos anormais pela imunoterapia", desenvolve o professor Philippe Damier.

Outras faixas médicas estudadas
A imunoterapia para a doença de Parkinson está atualmente passando por um ensaio clínico internacional. A segunda fase de testes acaba de começar em mais de 300 pacientes infundidos todos os meses e dá aos pacientes uma melhora clara em sua condição.

Entrevistado por Le Parisien, o presidente da France Parkinson Didier Robiliard explica "encontrar muita esperança" na imunoterapia, enquanto segue de perto as outras faixas médicas.

Entre estes, o da disfunção de astrócitos, formando células gliais, com oligodendrócitos e microglia, glia, isto é, as células que circundam os 100 bilhões de neurônios presentes em nosso cérebro. Essas células em forma de estrela, que estimulam, protegem e nutrem nossos neurônios, teriam, segundo os pesquisadores, um impacto no processo de morte neuronal quando parassem de funcionar adequadamente.

A degradação de astrócitos desempenha um papel no desenvolvimento da doença de Alzheimer. Supostamente para capturar e destruir as proteínas beta-amilóides características da doença, elas gradualmente perdem sua capacidade de fornecer suporte metabólico aos neurônios. Estes então começam a degenerar.

Outro estudo clínico atual, desta vez na Europa, está analisando os altos níveis de ferro no cérebro e tentando abaixá-los. "Se é essencial para o corpo, o excesso de ferro pode de fato estar na origem de uma degeneração dos neurônios", explica o professor Damier. Original em francês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Pourquoidocteur. Veja também aqui: Parkinson : les essais prometteurs de l'immunothérapie.

Nenhum comentário:

Postar um comentário