domingo, 18 de março de 2018

a máquina de fazer espanhóis


domingo, 18/3/2018 - Me desculpem a intromissão, pois este post não relaciona-se especificamente ao parkinson, entretanto o fato abordado, leitura de um livro, e seu conteúdo o qual considero ter tudo a ver com o envelhecimento, inexorável a qualquer um de nós, isto se o leitor não tiver o parkinson muito avançado que dificulte a leitura.

Não costumo postar minhas questões pessoais com a doença, pois as considero em geral além de tristes, piegas e enfadonhas, mas como mantenho este blog há muitos anos, decidi usá-lo, também, para a questão pessoal, cuja leitura pode ser adequada para muitos que tem parkinson, enfim, ousei, fora do meu perfil, e saí da zona dita de conforto. Afinal Parkinson é uma sinucleinopatia auto imune.

O fato é que estou lendo um livro. Chama-se a máquina de fazer espanhóis. É de um português angolano chamado Valter Hugo Mãe. Trata-se de uma leitura desafiadora, ante a inexistência de hierarquia gráfica (não são utilizadas maiúsculas). Mas considero importante destacar um trecho:

“… o nosso inimigo é o corpo. porque o corpo é que nos ataca. estamos finalmente perante o mais terrível dos animais, o nosso próprio bicho, bicho que somos. que decide que é chegado o momento de começar a desligar-nos os sentidos e decide como e quando devemos padecer de que tipo de dor ou loucura. (§2 pag 139).

Nenhum comentário:

Postar um comentário