quarta-feira, 7 de março de 2018

Fadiga: o sintoma silencioso da doença de Parkinson

07 March 2018 - Uma pesquisa de 2013 pela Fundação da Doença de Parkinson (PDF) identificou a fadiga como a necessidade mais urgente da comunidade de pesquisa de Parkinson.

Enquanto os tremores, a rigidez muscular e a marcha irregular são os sintomas mais associados à doença de Parkinson, 50% dos pacientes com DP apresentam fadiga grave e um terceiro diz que é o seu sintoma mais debilitante. A fadiga é a razão mais importante citada para reivindicações de seguro de invalidez médica por pacientes com DP nos Estados Unidos. Apesar desta evidência esmagadora, os neurologistas tendem a não reconhecer a fadiga como uma preocupação proeminente dos pacientes com DP.

Dois estudos em pacientes recém-diagnosticados de Parkinson relataram que a fadiga era um problema clinicamente relevante mesmo quando os sintomas motores eram mínimos. Esses estudos identificaram a fadiga como um sintoma "pré-motor", aparecendo bem antes que os sintomas motores se tornem óbvios. Os pacientes de Parkinson descrevem sua fadiga como diferente do cansaço que experimentaram antes do diagnóstico. Ao contrário da fadiga no público em geral, a fadiga de DP geralmente melhora com o exercício.

A fadiga mental que afeta os pacientes de Parkinson é chamada de "fadiga central" e se relaciona com a experiência de se sentir cansada ou esgotada durante uma tarefa intelectualmente desafiadora, juntamente com a diminuição da capacidade de iniciar ou sustentar atividades cognitivamente desafiadoras. Os pacientes de Parkinson que sofrem de fadiga cognitiva reduziram a capacidade de atenção e podem ter déficits na aprendizagem, memória e processamento de informações. A fadiga cognitiva geralmente surgirá à medida que as tarefas se tornam cada vez mais complexas ou as demandas de atenção são maiores.

Causas de fadiga de DP
A causa da fadiga na doença de Parkinson ainda é evasiva, embora os pesquisadores especulem que pode ser devido a mudanças que ocorrem no cérebro. Recentemente, pesquisadores descobriram que os pacientes de Parkinson com fadiga apresentavam associação de transportador de serotonina significativamente menor do que os pacientes sem fadiga nos gânglios basais e estruturas límbicas do cérebro. Outras causas de fadiga de DP em investigação incluem inflamação periférica e ativação imune e disfunção mitocondrial.

Depressão, distúrbios do sono e medicamentos também podem contribuir ou causar fadiga. No entanto, o Dr. Joseph Friedman, professor e chefe da Divisão de Distúrbios do Movimento na Escola Médica Warren Alpert da Brown University, ressalta que, embora a fadiga seja um sintoma inicial e possa estar associada à depressão, a maioria dos pacientes com DP com fadiga não estão deprimidos.

Clínicos e pesquisadores usam escalas de classificação para diagnosticar a existência e gravidade da fadiga de DP. Algumas escalas, como a Escala de impacto de fadiga modificada, avaliam a função cognitiva, bem como física e social. Embora a maioria desses testes avalie a fadiga em um nível subjetivo, existem medidas objetivas para a função cognitiva que podem medir as mudanças de desempenho durante as tarefas mentais.

Abordagens de tratamento
Atualmente, não há tratamentos efetivos para a fadiga de DP. Os clínicos freqüentemente encorajam os pacientes a exercitar, praticar bons hábitos de sono, tirar cochilos, manter mentalmente ativos, aumentar a ingestão de fibra e beber bastante água.

Embora alguns medicamentos tenham provado ser úteis, o metilfenidato, um estimulante farmacêutico, mostrou-se eficaz na redução do escore de fadiga em pacientes com DP em um período de tratamento de 6 semanas. Este medicamento é muitas vezes prescrito fora do rótulo na prática clínica para ajudar a combater o efeito da fadiga debilitante em pacientes com DP.

A fim de oferecer melhores opções de tratamento, são necessários padrões claros para medir e definir a fadiga na doença de Parkinson. A pesquisa também é necessária para identificar biomarcadores que possam diagnosticar e avaliar melhor os tratamentos de fadiga. O uso de uma série de técnicas de imagem cerebral para examinar a biologia subjacente da fadiga, incluindo o papel da inflamação, pode ajudar a identificar mudanças no cérebro associadas à fadiga. Por último, o estudo da eficácia das terapias não farmacológicas, como a redução do estresse baseada na mente e as estratégias de gerenciamento de energia (estimulação), pode ser útil. Essas terapias não medicamentosas também foram úteis para pacientes com fadiga devido a esclerose múltipla. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Hope for Fatigue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário