sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Os cientistas fazem um avanço na compreensão de como o Parkinson se desenvolve

por Benjamin Butterworth

Thursday December 14th 2017 - Os cientistas fizeram um grande avanço na compreensão de como a doença de Parkinson se desenvolve.

Os pesquisadores estabilizaram os aglomerados de proteínas tóxicas associados à condição por tempo suficiente para poder estudá-los em detalhes pela primeira vez.

Os cachos de moléculas de proteínas conhecidas como oligômeros tóxicos, que perturbam as membranas de células cerebrais saudáveis, são pensados por desempenhar um papel fundamental na doença de Parkinson.

Os clusters já se mostraram muito difíceis de examinar, deixando os especialistas coçarem a cabeça quanto ao efeito que eles tiveram no Parkinson.

Detalhes despreocupados
Pouco depois da formação, os cachos se desmoronam ou se juntam em estruturas maiores que são menos prejudiciais às células individuais.

Pela primeira vez, os acadêmicos conseguiram estabilizar os oligômeros por tempo suficiente para examinar como prejudicam as paredes celulares cerebrais.

Os cientistas analisaram o oligômero com detalhes sem precedentes para revelar que é capaz de se conectar à parede celular e um "núcleo estrutural", que então se aprofunda na célula saudável.

Desenvolver uma droga
A Dra. Giuliana Fusco, pesquisadora pós-doutora em St John's College, Universidade de Cambridge, realizou grande parte do trabalho experimental para o estudo.

Ela disse: "Só ter essa informação não significa que agora podemos fazer uma droga, mas, obviamente, se pudermos entender por que esses grupos de proteínas se comportam da maneira que fazem, podemos fazer um progresso científico mais rápido no tratamento da doença de Parkinson.

"Isso significa que podemos adotar uma abordagem mais racional para a descoberta de drogas".

A ciência
Os oligômeros tóxicos se formam em um estágio inicial da série de eventos que levam à doença de Parkinson, que se acredita começar quando as proteínas de alfa sinucleína funcionam mal e começam a ficar juntas e provam ser letais para a função neuronal.

Uma vez que os oligômeros se formaram, eles se dispersam e permitem que a toxicidade inicial se espalhe para outras células.

Os pesquisadores foram capazes de caracterizar diferentes características de formas tóxicas e não tóxicas de oligômeros e oligômeros de alfa sinucleína usando o estado sólido de ressonância magnética nuclear espectroscópica.

Eles então estudaram como essas várias propriedades influenciaram suas interações com amostras de células cerebrais.

A nova pesquisa foi liderada pelo professor Christopher Dobson do St John's College, Universidade de Cambridge e pelo Dr. Alfonso De Simone do Imperial College de Londres.

O professor Dobson disse: "Uma das coisas realmente emocionantes sobre este trabalho é que não só foi possível definir a estrutura das espécies patogênicas críticas em um distúrbio neurodegenerativo, mas também conseguimos propor um mecanismo para sua toxicidade, fornecendo pistas vitais para a busca de estratégias terapêuticas racionais".

O relatório, Base estrutural da ruptura da membrana e toxicidade celular por oligómeros de a-sinucleína, é publicado na revista Science. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: inews.

Nenhum comentário:

Postar um comentário