quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

A Imagem por Ressonância Magnética pode oferecer uma maneira livre de drogas para acompanhar a doença de Parkinson


February 15, 2017 - Os pesquisadores estão testando uma maneira não-invasiva para determinar se os tratamentos para Parkinson lentificam ou param a progressão da doença.

A técnica envolve o uso de ressonância magnética (MRI) para revelar áreas onde a doença provoca declínio progressivo da atividade cerebral.

Esses biomarcadores oferecem uma forma quantificável de medir como os remédios tratam não apenas os sintomas, mas também as alterações neurológicas por trás deles.

Estudos anteriores têm utilizado técnicas de imagem que requerem a injeção de uma droga que atravessa a barreira hematoencefálica.

"Nossa técnica não depende da injeção de uma droga. Não só é não-invasivo, é muito menos caro ", diz David Vaillancourt, professor de fisiologia aplicada e cinesiologia da Universidade da Flórida e autor sênior do estudo publicado em Neurology.

Vaillancourt e colegas usaram exames de ressonância magnética para avaliar cinco áreas do cérebro que são fundamentais para o movimento e equilíbrio.

Um ano após o estudo de base, os 46 pacientes de Parkinson no estudo mostraram função declinante em duas áreas: o córtex motor primário e o putamen.

Os distúrbios relacionados ao Parkinson avaliados no estudo também mostraram declínios:

Os 13 indivíduos com atrofia do sistema múltiplo tiveram atividade reduzida em três das cinco áreas, enquanto os 19 com paralisia supranuclear progressiva apresentaram declínios em todas as cinco áreas.

A atividade cerebral dos 34 indivíduos controle saudáveis ​​não mudou.

A descoberta baseia-se em um estudo de 2015 que foi o primeiro a documentar deterioração progressiva de Parkinson através de ressonância magnética, mostrando um aumento no fluido sem restrições em uma área do cérebro chamada substancia nigra.

Um estudo que começa em novembro usará ambos os biomarcadores para testar se um medicamento aprovado para o alívio dos sintomas pode retardar ou parar a degeneração progressiva.

Os Institutos Nacionais de Saúde financiaram o trabalho. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Knowridge.

Nenhum comentário:

Postar um comentário