terça-feira, 13 de setembro de 2016

Pesquisa sobre Canabidiol (CBD) na doença de Parkinson

September 12, 2016 - A doença de Parkinson é uma doença progressiva do sistema nervoso, que afeta cerca de 1 milhão de norte-americanos e estudos têm mostrado que a maconha pode retardar a progressão da doença e ajudar os pacientes a controlar os sintomas associados.

Visão Geral da Doença de Parkinson
A doença de Parkinson é uma doença crônica, progressiva do sistema nervoso que provoca o mau funcionamento e a morte das células nervosas do cérebro. doença de Parkinson (DP) começa tipicamente com um tremor menor e desenvolve-se gradualmente, eventualmente causando a rigidez ao longo do corpo e abrandando o movimento. Alguns neurônios produzem dopamina, um produto químico que envia mensagens para a parte do cérebro que controla o movimento, e uma vez que estes neurônios morrem na doença de Parkinson, a quantidade de dopamina é diminuída e o movimento é posteriormente afetado.

Embora a causa da doença de Parkinson seja desconhecida, genes e causas ambientais provavelmente desempenham um papel, mutações genéticas específicas foram identificadas e ter um parente próximo aumenta as chances de desenvolver a doença de Parkinson. A exposição a determinadas toxinas como herbicidas e pesticidas também pode aumentar o risco.

Os sintomas associados com a doença de Parkinson incluem tremor, bradicinesia (lentidão de movimento), rigidez e instabilidade postural. Tremores podem ocorrer nas mãos, braços, pernas, mandíbula e face. A doença de Parkinson também é comumente acompanhada de depressão, problemas cognitivos, problemas de deglutição, problemas de sono, fadiga e dor. Psicose, uma deficiência grave no pensamento e emoção que leva a pessoa a perder o contato com a realidade, também podem ocorrer.

Não há cura para a doença de Parkinson. No entanto, os tratamentos podem ajudar a melhorar os sintomas. Medicamentos podem ser usados ​​para ajudar a gerenciar a marcha, circulação e problemas tremor aumentando ou substituindo a dopamina. A cirurgia pode eventualmente ser necessária para regular certas regiões do cérebro.

DADOS: efeitos da cannabis sobre a Doença de Parkinson
A evidência sugere que a cannabis poderia retardar a progressão da doença de Parkinson, proporcionando efeitos neuroprotetores. Os canabinóides encontrados na cannabis são capazes de suprimir a excitotoxicidade, a ativação glial e dano oxidativo que causam a degeneração dos neurônios liberando dopamina. Além disso, eles melhoram a função das mitocôndrias da célula e ativação de apuramento de restos celulares, o incentivo à saúde neuronal (Mais & Choi, 2015) (Garcia-Arencibia, Garcia & Fernandez-Ruiz, 2009) (Lastres-Becker & Fernandez-Ruiz, 2006) (Zeissler, et al., 2013). Os investigadores encontraram provas de que um canabinóide específico encontrado na cannabis, tetra-hidrocanabinol (THC), ajuda no tratamento da doença de Parkinson, auxiliando na prevenção de danos provocados pelos radicais livres e a ativação de um receptor que estimula a formação de novas mitocôndrias (Zeissler, et al., 2013). Outra grande canabinóide encontrado na cannabis, o canabidiol (CBD), também demonstrou a sua capacidade para apoiar a saúde das células das mitocôndrias neuronais, fazendo com que os pesquisadores concluíssem que o CBD deveria ser considerado como um potencial opção terapêutica em doenças neurodegenerativas como Parkinson por causa de suas propriedades neuroprotetoras (da Silva et al., 2014) (Zuardi, 2008).

A pesquisa também mostra que a cannabis pode ajudar os pacientes com doença de Parkinson a controlar seus sintomas. Um estudo observou que depois de fumar cannabis, os pacientes com doença de Parkinson viram melhorias significativas na incapacidade motora e deficiência, tremores, rigidez, bradicinesia, sono e dor (Lotan, Treves, Roditi & Djaldetti, 2014). Estudos adicionais confirmaram a capacidade dos cannabis para reduzir bradicinesia e tremores (Garcia-Arencibia, Garcia, Fernandez-Ruiz, 2009) (Lastres-Becker & Fernandez-Ruiz, 2006).

As melhorias significativas no bem-estar e qualidade de vida em pontuação foram encontrados em pacientes com doença de Parkinson a que foram dadas doses diárias de CBD por uma semana (Chagas, et al., 2014). Um estudo de caso descobriu que os pacientes tratados com CBD, embora eles não tivessem visto melhorias significativas em medidas motoras ou sintomas gerais, experimentaram reduções rápidas e significativas na frequência de sono REM e eventos de distúrbio de comportamento (Chagas, et al., 2014). Em uma pesquisa, apesar de apenas 4,3% dos pacientes com doença de Parkinson que responderam que usaram cannabis para tratar seus sintomas, foi classificado como a opção de tratamento mais eficaz de que vitaminas, oração, massagem, terapia da arte, musicoterapia e relaxamento (Finseth, et al., 2015).

Além disso, o CBD pode ajudar com aqueles pacientes com doença de Parkinson que experimentam psicose. Quatro semanas de CBD levaram doentes de Parkinson com a psicose de experimentar uma diminuição significativa nos sintomas psicóticos, como avaliado pela Brief Psychiatric Rating Scale e o Parkinson Psicose Questionnaire (Zuardi, et al., 2009).

O artigo acima é datado de 2016/09/09 (http://www.medicalmarijuanainc.com/Parkinsons-disease-medical-marijuana-researchCanabidiol (CBD) Parkinsons Disease Research). Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Hemp Oil Facts.

Nenhum comentário:

Postar um comentário