segunda-feira, 9 de maio de 2016

Parkinson, saliva revela a doença e sua evolução

Descoberta italiana: 250.000 doentes e cresce no país a tendência

09 maggio - Um simples teste de saliva irá diagnosticar e também avaliar o que muda terá em um paciente com doença de Parkinson. A descoberta, o resultado de pesquisadores da Universidade La Sapienza de Roma liderados pelo neurologista Alfredo Beradelli e apenas publicados na revista PlosOne, estava no centro do Congresso da Academia Italiana LIMPE-DISMOV para o estudo dos Transtornos de Doenças de Movimento e de Parkinson, um ponto de referência para estas doenças em nosso país, que terminou em Bari. é uma descoberta, diz Berardelli, ''que será muito útil no diagnóstico e na prática clínica para avaliar a evolução temporal da doença, e isso vai determinar as melhores estratégias de tratamento para os ​​pacientes individuais. Os investigadores têm mostrado que, de fato, na saliva de pacientes com Parkinson diminui a alfa-sinucleína, uma proteína muito abundante no sistema nervoso, bem como em outros órgãos. Normalmente, a alfa-sinucleína contribui para a liberação de neurotransmissores das terminações nervosas, incentivando a troca de informações, e ajuda a transmissão do neurotransmissor dopamina, que é crucial para controlar o movimento e fazendo falta na doença de Parkinson. Medição das concentrações desta proteína e seus componentes diretamente na saliva, diz o especialista, presidente da Academia, '' é um grande passo em frente em relação ás pobres manipulações de medições complexas realizadas até à data no CSF ​​através de punção lombar, que é invasiva, dolorosa e mal repetível. Por algum tempo, a comunidade científica está à procura de um biomarcador que possa ajudar os médicos no diagnóstico e avaliação da evolução da doença: agora temos mostrado que, em comparação com indivíduos saudáveis ​​da mesma idade, em pacientes de Parkinson é reduzida alfa-sinucleína e esta é diretamente detectável na saliva, e que o parâmetro correlaciona proporcional à gravidade do quadro do motor ''.

A saliva, assim, representa uma mais simples e menos invasiva análise do que marcadores de fluido cerebroespinal por meio de punção lombar, mas os resultados, precisou Berardelli, '' vai, naturalmente, ser confirmado por outros estudos''. Outro grande progresso em termos de tratamento, lembre-se os especialistas, é a estimulação cerebral profunda (DBS), que, quando introduzidos nos anos 80, revolucionou o tratamento da doença por meio de micro-impulsos elétricos que reativam neurônios trazê-los de volta para o estado que tinham quando eles ainda eram sensíveis.

Atualmente são 250 mil italianos que sofrem desta doença, e 6 mil novos casos por ano, a incidência da doença deve dobrar em 15 anos. Afetando principalmente os idosos, mas 1 em cada 5 pessoas desenvolvem sintomas antes dos 50 anos.

Não só Parkinson: os especialistas também fizeram um balanço das distonias, ou as perturbações do movimento, caracterizada por movimentos repetitivos lentos, posturas anormais e tremores musculares incontroláveis, que afeta 40.000 italianos e para quem a falta de biomarcadores diagnósticos e resultados de testes atrasam o diagnóstico com picos de 34 anos. Para isso, a Academia criou o primeiro Registro Italiano para o distonias Adulto, que vai chamar para a real situação da doença no nosso país. Original em italiano, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Ansa.it.

Nenhum comentário:

Postar um comentário