quinta-feira, 30 de julho de 2015

Novos avanços no tratamento da doença de Parkinson

por Viatcheslav Wlassoff, PhD

July 29, 2015 - Cerca de 7 milhões de pessoas ao redor do mundo são diagnosticadas com a doença de Parkinson a cada ano. Esta é uma doença degenerativa progressiva que não tem cura. Houve, no entanto, uma série de descobertas muito encorajadores publicadas nas últimas semanas, algumas das quais são brevemente descritas neste artigo.

Medicamentos para controlar os sintomas da doença de Parkinson estão disponíveis, mas eles tornam-se ineficazes depois que o paciente tomou-os por alguns anos. A estimulação cerebral profunda (DBS) é um procedimento cirúrgico para pacientes em estágios avançados da doença. Ela envolve a implantação de eletrodos em regiões do controle de movimento no cérebro. Os eletrodos são ligados a um gerador de impulsos que é colocado sob a clavícula e envia sinais eléctricos para o cérebro. Este método pode controlar os sintomas da doença, que incluem lentidão de movimentos, rigidez e tremores. Mas é caro, nem todo mundo é considerado apto a passar por este procedimento cirúrgico invasivo de 10-15 horas, e o método, acredita-se, por provocar perturbações cognitivas e de humor.

A busca foi sempre a de encontrar formas não invasivas para gerenciar os sintomas da doença de Parkinson. Agora parece haver luz no fim do túnel. Os cientistas descobriram que certos medicamentos e uma espécie de capacete que proporciona sinais elétricos podem ser usados para controlar os sintomas da doença de Parkinson.

Estimulação cerebral não invasiva
Estudantes da Universidade Johns Hopkins sugeriram o uso de uma terapia não-invasiva chamada estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC). Neste método, um dispositivo do tipo capacete com dois eléctrodos - um cátodo e um ânodo - é encaixada sobre a cabeça do paciente para fornecer corrente de baixa intensidade em áreas motoras específicas do cérebro. Estimula os neurônios com correntes (sob o ânodo) e as inibe (sob o cátodo) que, por sua vez, podem controlar os sintomas da doença. O dispositivo ainda não foi testado em seres humanos, mas a ideia é promissora, pois é baseada na lógica de som apoiada pela ciência.

A disfuncionalidade cortical tem sido implicada na doença de Parkinson. Estudos de neuroimagem e neurofisiológicos têm mostrado que a hiper ou a hipo-estimulação de certas áreas do cérebro, como o córtex motor, podem desencadear os sintomas da doença.

Os cientistas tinham reconhecido a eficácia e a segurança dos procedimentos de neuromodulação não-invasivos como ETCC como alternativas ao método DBS há algum tempo atrás. A aplicação deste procedimento em indivíduos com doença de Parkinson durante os ensaios clínicos levou ao alívio sintomático de curta duração, apenas alguns minutos. Não houve reações adversas, pois os eletrodos foram colocados justamente sobre aquelas regiões corticais que estão envolvidas com o movimento. Também não houve resultados não intencionais entre várias regiões corticais que são associados com outros sintomas.

Os cientistas acreditam que estimular o córtex motor pré-frontal pode aliviar alguns dos sintomas da doença. Estudos posteriores também confirmaram que ETCC pode melhorar a funcionalidade motora de mão em pacientes com AVC. No entanto, todos os estudos confirmam que o principal desafio é fazer com que os benefícios da ETCC durem mais tempo. Os cientistas pensam que as sessões repetidas de ETCC que utilizam correntes de maior intensidade pode prolongar a excitabilidade cortical. Os parâmetros de estimulação - a força da corrente, o número a ser aplicada por sessão, o número de sessões e o intervalo entre eles, e as áreas específicas do cérebro a serem alvos - têm de ser levados adiante precisamente para replicar resultados positivos e fazer previsões. As investigações estão em andamento.

Medicamentos contra a malária para combater a doença de Parkinson (tema já abordado neste blog, no post “Equipe de Harvard em Cingapura desvenda potencial cura do Parkinson“ de 16/08/2015.

Outras abordagens farmacológicas para tratar e controlar a doença de Parkinson
Outro estudo recente sugere que uma nova abordagem farmacológica possa impedir a neurodegeneração associada com a doença de Parkinson.

Verificou-se que a degeneração dos neurônios de dopamina na região da substantia nigra do cérebro e uma deposição anormal da proteína alfa-sinucleína em outros neurônios anos antes da manifestação da doença são as características clássicas de doença de Parkinson. Os cientistas sabem também que uma mutação específica da enzima LRRK2 está presente em cerca de dois por cento de todos os pacientes de Parkinson e que os ratos de laboratório sem esta enzima são protegidos contra a neurodegeneração, apesar de terem um excesso de alfa-sinucleína.

A experiência acima referida foi realizada em ratos de laboratório que tinham a mutação exata da enzima LRRK2 que é conhecida por provocar a doença de Parkinson e de um excesso de alfa-sinucleína. Os cientistas descobriram uma classe de inibidores do LRRK2 quando administradas aos ratos interrompe a neurodegeneração.

Outros pesquisadores estão experimentando maneiras de combinar abordagens farmacológicas para aumentar a eficácia e a sustentabilidade da terapia de reposição de dopamina.

Vários anos atrás, foi mostrado que os movimentos em doentes de Parkinson podem ser melhorados por estimulação dos receptores dopaminérgicos e inibindo junto os receptores de adenosina A2A. Os investigadores acreditam que os inibidores de adenosina A2A devem ser utilizados em conjunto com tratamentos de estimulação de dopamina. Em testes de laboratório, a administração de inibidores da adenosina A2A não só melhorou a mobilidade dos pacientes, mas também não provocou efeitos secundários que estão geralmente associados com a terapia com L-DOPA, o medicamento padrão usado para elevar os níveis de dopamina em pacientes. E mais, os investigadores pensam que o uso de inibidores da adenosina A2A também irá permitir que os médicos reduzam a dose de L-DOPA e, assim, prevenir o aparecimento de efeitos colaterais, como a flutuação motora grave e no comportamento discinético que são tipicamente associados com a droga.

Um estudo posterior identificou três inibidores, de adenosina A2A—BIIB014, preladenant, e ST-1535 - que podem ser usados em conjunto com L-DOPA para melhorar a eficácia deste último em fases tardias da doença. Este estudo também descobriu que BIIB014 é eficaz por si próprio durante os estágios preliminares da doença.

As descobertas acima mencionadas no tratamento da doença de Parkinson dão esperanças a milhões. Pacientes que sofrem de outros distúrbios de movimento como distonia também podem esperar uma cura que vai deixá-los levar vidas produtivas e significativas. (original em inglês, tradução Google, revisão Hugo) Fonte: Brain Blogger, com referências bibliográficas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário