sábado, 4 de agosto de 2018

Tratamento de Parkinson vinculado a problemas de controle de impulso

August 3, 2018 - Segundo a UPI, um estudo recente descobriu que os tratamentos padrão da doença de Parkinson podem ser responsáveis ​​por uma infinidade de outras coisas também. Mais notavelmente, aqueles que tomam as drogas de Parkinson, muitas vezes apresentam problemas de controle de impulso também.

A doença de Parkinson é uma doença do sistema nervoso central que afeta os movimentos do corpo. A doença é progressiva, por isso normalmente fica pior e pior ao longo do tempo. Os sintomas do mal de Parkinson se desenvolvem gradualmente, e incluem coisas como tremores, perda de equilíbrio, movimentos lentos, postura prejudicada, músculos rígidos e alterações na fala, entre outros. Não há cura conhecida para Parkinson, mas existem opções de tratamento disponíveis que ajudam a atenuar os sintomas. Para ler mais sobre a condição, clique aqui.

Entre as opções de tratamento para a doença de Parkinson estão os substitutos da dopamina. O Dr. Michael Okun, diretor nacional da Fundação Parkinson, realizou recentemente uma pesquisa que mostrou que mais da metade dos pacientes que usam agonistas da dopamina também desenvolvem transtornos do controle dos impulsos.

"Esses pesquisadores acompanharam pacientes por cinco anos e seus resultados revelaram uma incidência muito maior do que a esperada de distúrbios de controle de impulsos", elaborou o Dr. Okun.

O estudo, no entanto, foi incapaz de demonstrar definitivamente que esses tratamentos específicos de dopamina eram a causa de problemas de controle de impulsos.

Isso não é minar o vasto efeito que essas questões trazem aos pacientes. A Dra. Laura Boylan, da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, explicou que essas questões de controle de impulsos podem trazer uma infinidade de questões para o indivíduo, bem como para as pessoas ao redor do indivíduo.

Eles poderiam potencialmente colocar famílias em dificuldades financeiras, colocar o indivíduo em questões legais e arruinar relacionamentos. Na verdade, o dr. Boylan tinha um paciente com um apego tão incontrolável e impulsivo à pornografia que o indivíduo realmente quebrou a situação.

"A família não sabia que seus problemas de controle de impulso poderiam estar relacionados ao remédio, e ele estava sendo repetidamente internado no hospital porque não podia pagar seus remédios por causa de seu hábito particular", disse Boylan sobre o paciente.

O tratamento da dopamina para aqueles com Parkinson é devido ao fato de que aqueles que têm a condição não são capazes de produzir quantidades suficientes de dopamina no cérebro. Essa produção de dopamina é crucial na capacidade do sistema nervoso de controlar os movimentos corporais. As terapias de dopamina agem como transmissores de pseudo-dopamina para resolver este problema.

A dopamina, no entanto, também está "envolvida centralmente no sistema de recompensa do corpo", afirmou Boylan. “A cocaína e a nicotina produzem uma liberação de dopamina”.

Portanto, o tratamento com dopamina pode ser uma faca de dois gumes, pois é eficaz no tratamento de sintomas de Parkinson, mas também estimula os desejos de um paciente, encorajando o comportamento impulsivo.

O estudo, liderado por pesquisadores franceses, descobriu que 52% dos pacientes com Parkinson que usaram tratamentos com dopamina também desenvolveram uma condição de controle de impulso ao longo de cinco anos. 12% dos pacientes que nunca usaram agonistas da dopamina desenvolveram o transtorno do controle do impulso em comparação.

O comportamento impulsivo, definido pelo pesquisador-chefe Dr. Jean-Christophe Corvol, incluía dependência sexual, compulsão alimentar, jogo e compra compulsiva. Esses tratamentos relacionados à dopamina também podem ter tido implicações em um incidente perto de casa.

"Pode ser coincidência, mas vale mencionar que o suicídio de Robin Williams ocorreu logo após o início de um agonista", disse Boylan.

Não só isso, mas os autores do estudo também observaram que doses maiores do tratamento também se correlacionam com maior risco de desenvolvimento do comportamento impulsivo. Drogas que carregavam o maior risco eram pramipexole (Mirapex) e ropinirole (Requip), de acordo com pesquisadores.

Como resultado disso, os profissionais de saúde "devem ser extremamente vigilantes, já que os distúrbios de controle de impulsos no cenário da doença de Parkinson podem surgir após um atraso significativo", alertou o Dr. Okun.

"As famílias devem estar cientes desses problemas, porque muitas vezes as famílias e os próprios pacientes não acreditam que sejam relevantes para a doença de Parkinson", elaborou o Dr. Boylan.

Okun também continuou que os pacientes mais jovens correm maior risco de desenvolver esses problemas de controle de impulsos. Também entre essa população incluem-se pacientes que sofrem com ansiedade ou têm histórico de dependência.

Os pesquisadores também fizeram questão de observar que metade desses transtornos impulsivos diminuiu após um ano de folga da medicação. Para ler mais sobre esta pesquisa, clique aqui. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Patient Worthy.

Nenhum comentário:

Postar um comentário