sábado, 21 de julho de 2018

Cetamina para Parkinson? Ensaio clínico em andamento

Friday 20 July 2018 - A droga mais usada (L-dopa) para tratar alguns dos sintomas mais importantes da doença de Parkinson é conhecida por expor os pacientes a problemas motores, como parte de seus efeitos colaterais. Os pesquisadores sugerem que a ketamina, (ou cetamina em português brasileiro) (marcas comerciais: Ketaset, Ketalar, Ketalar SV, Ketanest, Ketanest S, nomes populares nos EUA: Special K, K, Super C, Cat Valium, Jet, Super acid, Green) pode ser usada para neutralizar esses efeitos colaterais.

Os pesquisadores estão planejando um ensaio clínico de fase I para testar os efeitos da ketamina no alívio da discinesia.

A doença de Parkinson, um distúrbio do sistema motor, é caracterizada por tremor, rigidez de membros, equilíbrio prejudicado e lentidão de movimento, bem como coordenação deficiente de movimentos.

Atualmente, não há cura conhecida para esse transtorno, por isso os tratamentos se concentram principalmente no gerenciamento dos sintomas.

Isso ajuda as pessoas a manter a autonomia e qualidade de vida, tanto quanto possível.

Um dos principais medicamentos usados ​​para tratar a doença de Parkinson é a levodopa, que pode ajudar na rigidez dos membros e na lentidão do movimento. Mas há uma ressalva: os pacientes para quem a levodopa trabalha começam a experimentar efeitos colaterais potencialmente debilitantes após alguns anos de uso da droga.

"O problema é que a levodopa funciona muito bem por alguns anos - chamamos isso de 'lua de mel' - mas depois você começa a ter esses efeitos colaterais", observa o Dr. Scott Sherman, neurologista da Faculdade de Medicina da Universidade do Arizona, em Tucson.

Então, o que acontece com muitos pacientes que tomam levodopa? Eles desenvolvem discinesia, ou movimentos involuntários e incontroláveis ​​que podem afetar os membros, a cabeça ou até mesmo o corpo inteiro, em vários graus de gravidade.

Uma vez que um indivíduo desenvolva discinesia relacionada à levodopa, ela não desaparece a menos que o tratamento com essa droga seja interrompido por completo - embora isso possa significar que seus sintomas não serão mais controlados.

Mas há algo que possa neutralizar os efeitos colaterais da levodopa? O Dr. Sherman e o colega Torsten Falk acreditam que a resposta pode estar na ketamina.

Efeito da ketamina na discinesia
Sherman e Falk descobriram as primeiras pistas sobre o potencial da ketamina em compensar a discinesia quando a testaram como uma droga para aliviar a dor em pacientes com Parkinson.

O seu ensaio levou-os a observar um efeito não intencional mas bem-vindo: a discinesia foi melhorada, ou até desapareceu completamente durante algumas semanas no caso de indivíduos em levodopa que também foram administrados com ketamina.

Quando os pesquisadores tentaram duplicar essas descobertas em um modelo de rato, eles descobriram que os efeitos compensadores da discinesia da ketamina eram fortes.

Isto levou-os a planear um ensaio clínico controlado na esperança de descobrir como - ou se - a ketamina poderia ser melhor utilizada em conjunto com a levodopa no tratamento de doentes com doença de Parkinson.

O efeito colateral mais conhecido da ketamina é a dissociação (também conhecida como desassociação), em que uma pessoa sente como se estivesse percebendo o mundo de algum lugar fora de seus próprios corpos. Esse efeito estranho é também o motivo pelo qual a ketamina tem sido notoriamente usada como uma "droga de festa", ou “recreativos”.

"A desassociação é uma espécie de experiência 'fora do corpo'. Quando as pessoas descrevem, elas me disseram que sentem que estão num aquário", explica o Dr. Sherman.

Outro risco comum de tomar ketamina é o aumento da pressão arterial. No entanto, os cientistas estão estrategizando para manter esses possíveis efeitos sob controle, calculando cuidadosamente a dosagem.

De acordo com o Dr. Sherman, "vamos monitorar a pressão arterial de perto para garantir que ela não fique alta. E, continua ele, "sabemos em que dosagem da ketamina provoca essa desassociação; esperamos que com a dose necessária na doença de Parkinson" doença vai ficar bem abaixo desse nível".

Próximos ensaios clínicos para confirmar efeitos
Os cientistas planejam lançar o ensaio clínico de fase I - no qual trabalharão com 10 pacientes com doença de Parkinson - no final deste ano na Faculdade de Medicina da Universidade do Arizona.

O projeto seria financiado por uma doação de US $ 750.000 por três anos, que será concedida pela Comissão de Pesquisa Biomédica do Arizona.

Esses fundos também devem cobrir experimentos adicionais em um modelo de roedores, o que permitirá aos pesquisadores obter uma melhor compreensão dos mecanismos subjacentes em jogo.

"Queremos descobrir exatamente o que a ketamina está fazendo para ter esse efeito", diz o Dr. Sherman.Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medical News Today.




2 comentários:

  1. Fiquei curioso e pedi para o meu amigo Dr Luiz Cezar Ribas, anestesista, a sua opinião:
    Luiz Cesar Ribas Querido amigo Roberto, a minha experiência com a cetamina foi muito intensa quando trabalhava no serviço de queimados do hospital Evangélico. Ela tem um poder analgésico só comparável a drogas de 100 a 1000 vezes mais potentes do que a morfina entretanto sem muita depressão respiratória.
    Problemas : como atua na zona limbica, apresenta muitas alucinações em pctes adultos com pesadelos ligados aos "medos" das pessoas além de aumentar pressão arterial, pressão intragastrica e pressão intra ocular, o que contra indica para alguns pacientes.
    TUDO depende da dose e da via de administração.
    Eu sou um fã de cetamina enquanto anestesista, mas não ousaria usar em mim sem extrema necessidade.
    Existe o uso fora do ambiente médico liofilizada e misturada na bebida, no cigarro ou até cheirada mas sem controle de dosagem apenas para efeito alucinógeno.
    Vejo com bons olhos a indicação para controle de efeitos colaterais da levodopa e hoje já existe a cetamina levogera que apresenta menos efeitos colaterais.
    Vamos continuar acreditando.
    É sempre um prazer falar com você!

    ResponderExcluir
  2. Como se deduz, trata-se de uma análise experimental, e como tal, não se recomenda o uso sem orientação médica.

    ResponderExcluir