domingo, 14 de janeiro de 2018

POSSÍVEL LINK ENCONTRADO ENTRE CROHN E PARKINSON EM ASHKENAZI

Esta descoberta poderia potencialmente ajudar os médicos a desenvolver novos tratamentos para Crohn, que visarão um determinado gene Ashkenazi

JANUARY 14, 2018 - Uma possível ligação entre as doenças de Crohn e Parkinson foi identificada nos judeus ashkenazi (n.t.: ashkenazim) Pesquisadores do Hospital Mount Sinai em Manhattan descobriram que os judeus de origem européia que sofrem de Crohn, uma doença gastroenterológica crônica, são mais propensos a transportar a mutação do gene LRRK2, que é uma das principais causas genéticas do Parkinson, um transtorno do movimento neurológico incurável.

As descobertas da equipe, lideradas pela pesquisadora de ciências genéticas e de ciências genômicas, Prof. Inga Peter, na Icahn School of Medicine da Mount Sinai, acabaram de ser publicadas na revista Science Translational Medicine e apresentadas em sua capa. A descoberta, eles disseram, poderia ajudar os médicos a entender melhor a doença de Crohn, determinar especificamente quem está em risco e desenvolver novos medicamentos para tratamento e / ou prevenção, visando esse gene específico.

"Crohn é uma desordem complexa com múltiplos genes e fatores ambientais envolvidos, o que afeta desproporcionalmente indivíduos de ascendência judaica Ashkenazi", explicou Peter. "A presença de mutações LRRK2 compartilhadas em pacientes com Crohn e Parkinson fornece uma visão refinada dos mecanismos da doença e pode ter grandes implicações para o tratamento dessas duas doenças aparentemente não relacionadas".

Eles usaram dados internacionais da última década até o presente para analisar a ocorrência de 230.000 mutações genéticas de codificação no genoma de 2.066 pacientes com Crohn e compararam-nas a 3.633 pessoas sem o transtorno. Todos os assuntos do estudo eram de descendência judaica Ashkenazi. Eles identificaram mutações no gene LRRK2 que são mais freqüentemente encontradas em casos de doença de Crohn em comparação com indivíduos não afetados.

Quando descobriram um vínculo entre as mutações do gene de Crohn e LRRK2, eles foram mais longe para avaliar a possível ligação genética entre Crohn e Parkinson. A equipe então analisou uma amostra muito maior de 24.570 pessoas, incluindo pacientes com doença de Crohn, Parkinson e nenhuma doença (cada grupo era composto de sujeitos judeus e não judeus).

O estudo encontrou duas mutações do gene LRRK2 em pacientes com doença de Crohn. Um, chamado "mutação de risco", era mais comum em pacientes com Crohn, enquanto o outro, a "mutação protetora", era mais prevalente em pacientes sem a doença. A maioria dos sofredores de Crohn que carregaram a mutação de risco desenvolveu a doença em média seis anos antes do que aqueles que não carregavam essa mutação.

A pesquisa também mostra que mais pacientes de Crohn com a mutação de risco desenvolveram a doença no intestino delgado, em comparação com aqueles sem a mutação. Se a doença começa no intestino delgado, torna-se mais difícil de gerir e muitas vezes leva a complicações e cirurgias. O efeito dessas mutações foi observado tanto em populações judaicas Ashkenazi quanto em populações não-judaicas.

"Definir a biologia das mutações protetoras que ocorrem naturalmente é bastante importante, pois definem os resultados desejados para terapias potencialmente novas", explicou o co-autor do estudo, Dr. Judy Cho, diretor do Centro de Estudos Integrativos da doença de Crohn e do Instituto de Personalização Medicina na Escola Icahn.

"Identificar mutações genéticas associadas ao risco de doença é uma maneira efetiva de entender melhor os mecanismos da doença, identificar indivíduos em risco e desenvolver novos alvos de drogas para tratar a doença", acrescentou Peter. "Nossa pesquisa também pode ajudar a identificar os indivíduos que se beneficiarão mais de terapias dirigidas a LRRK2, contribuindo assim para o campo da medicina personalizada". Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: JPost.

Nenhum comentário:

Postar um comentário