sexta-feira, 7 de julho de 2017

Os medicamentos para a doença de Parkinson podem causar desejos incontroláveis

O tema é antigo, mas importante, muita gente ao redor do mundo foi desgraçada por este medicamento. Há que ter cuidado!

19 Oct 2009 - Kathe, uma pacata mãe de dois filhos a cidade de Manchester, tinha somente 44 anos quando foi diagnosticada com Parkinson. A enfermidade, uma condição neurológica progressiva que afeta a habilidade de andar, falar e escrever, e impõem tremores debilitantes, normalmente acomete pessoas na casa dos 60. No Reino Unido somente 1 em 15 pacientes está abaixo dos 50. Kathe, portanto, era desafortunada, e ela desesperadamente tentou ocultar os sintomas de seus conhecidos.
Porém aconteceu ainda da outra coisa em sua vida que a devastou mais do que condição de Parkinson.

Destituída de maquiagem, cabelos louros mal cuidados e olhos azuis aguados, o corpo dela é atormentado pelos efeitos do Parkinson. Kathe sofre de severas câimbras nos pés, conhecidas por distonias, e lhe é doloroso caminhar. Durante a nossa entrevista ela se vê forçada a apoiar os antebraços para que parem de tremer. "Quando cheguei em casa depois da primeira noite, fazendo sexo com um estranho, eu tive que me convencer que já estava limpa após banhar-me em água sanitária ", diz ela sem rodeios. "Então, no dia seguinte, a compulsão voltava e eu fazia tudo outra vez. Toda noite eu tomava embalo e, depois, me sentia degradada."

O marido de Kathy tinha conhecimento de seus jogos. Mas ele não sabia sobre o sexo. O casal tinha camas separadas, e Kathy escapava da casa pela meia-noite, retornando antes que ele acordasse. O relacionamento deles, na verdade, já estava se deteriorando antes do diagnóstico de Kathy. O casal finalmente se separou em 2006. No entanto, a separação aumentou a sensação de caos geral na vida de Kathy. "Eu passei a evidenciar propensão ao suicídio", diz ela. "Graças ao Parkinson, eu já tinha perdido o controle do meu corpo. Mas agora eu sentia como se estivesse perdendo o controle de minha mente".

Kathy acredita que suas compulsões foram causadas pela droga ROPINOROL (Requip), prescrita para seu Parkinson. Quando finalmente teve a coragem de relatar o que se passava ao especialista que a acompanhava, sua dose foi reduzida e seu comportamento compulsivo cessou.

Desde 2003, um número crescente de doentes com Parkinson no Reino Unido, América e Europa tem dado queixas de comportamento obsessivo, desenvolvido após tomar uma classe de medicamentos conhecidos como agonistas da dopamina, tais como PRAMIPEXOL, CABERGOLINA e PERGOLIDE. "Ao menos 14 por cento das pessoas que tomam essas drogas desenvolvem alguma desordem de controle de impulso", diz o Dr. Kieran Breen, diretor de pesquisa e desenvolvimento da Sociedade de Doença de Parkinson. Seus números são baseados em um artigo de 2006 da revista Neurology, escrito por Valerie Voon do Instituto Nacional de Saúde, em Maryland, EUA. "O comportamento deles muda, tornam-se muito mais impulsivos, porém eles não sabem que seu comportamento mudou. Não estão a par do que se passa"

Além de um aumento na libido, uma condição conhecida como hipersexualidade, os outros efeitos colaterais são a compulsão para jogos, compras e comida. Há vários registros de pacientes que queimaram todas a suas economias, empresas que foram levadas à falência e casamentos que quebraram.

Pesquisadores do Hospital Hammersmith de Londres, sob a orientação da professora Paola Piccini, estão tentando identificar a causa desses efeitos colaterais. Acredita-se que estejam conectados a receptores no cérebro. "Na doença de Parkinson, as células nervosas morrem", diz o Dr. Breen. "Estes são responsáveis pela coordenação do movimento, algo que eles conseguem através da transmissão de sinais de uma parte do cérebro para outro valendo-se de uma substância químico chamada dopamina. Quando as células começam a morrer, ocorre uma diminuição da dopamina.

Medicamentos chamados Agonistas da Dopamina são usados para estimular os receptores da dopamina no cérebro. "No entanto, dependendo do tipo de receptor em seu cérebro, além de impactar a parte do cérebro associada com o movimento, a dopamina pode afetar a parte do cérebro associada com humor e compulsões". Ainda que a equipe do Prof. Piccini esteja investigando mediante várias técnicas de varredura cerebral, não há como prever quem está mais sujeito a esses efeitos colaterais,
Além dos agonistas da dopamina, a outra grande classe de fármacos utilizada no tratamento do Parkinson é a LEVODOPA, que é convertida directamente em dopamina no cérebro. Estima-se ser menos provável que os fármacos da LEVODOPA produzam o comportamento compulsivo dos agonistas da dopamina.

"Alguns pacientes respondem melhor a uma medicação do que a outra", diz Peter Jenner, Professor de Farmacologia da King's College de Londres e membro da British Pharmacological Society.
"Não se pode deixar de prescrever drogas dopaminérgicas, pois do contrário os pacientes se tornarão profundamente Parkinsonianos", diz ele.

"Precisamos descobrir o tipo de receptor de dopamina que é responsável por esses comportamentos. Estamos particularmente focados em um receptor chamado D3. O nosso problema é que não dispomos de drogas que bloqueiem seletivamente o receptor D3, e deixem os outros receptores da dopamina disponíveis para o tratamento da doença de Parkinson."

O escritório de advocacia Leigh Day está preparando uma ação de classe em nome de pessoas que tomaram ROPINIROL e outro agonista de dopamina chamado CABERGOLINA. A empresa espera abrir um processo contra os fabricantes — entre eles a GlaxoSmithKline e a Pfizer — no início de 2010. O problema, argumenta Leigh Day, não é que as drogas sejam falhas — pois, na verdade, funcionam muito bem no combate aos sintomas da Parkinson—, mas o ponto é que os pacientes não foram avisados sobre os efeitos colaterais.

Um porta-voz da Pfizer diz: “Fatos relatados por pacientes e algumas publicações sugerem que o jogo patológico (obsessão por jogos de azar) pode ser um efeito típico da classe inteira dos agonistas da dopamina. Caso os pacientes ou seus cuidadores tiverem alguma preocupação sobre qualquer aspecto de sua medicação, devem consultar imediatamente o seu médico".

Peter Middleton, um ex-líder de obras da South Woodham Ferrers, em Essex, foi diagnosticado com Parkinson em 2002. Hoje, após quase sete anos de jogos compulsivos, depara-se dívidas de R$ 535.000. "Vi dois especialistas e duas enfermeiras de Parkinson, e nenhum deles me advertiu sobre as compulsões", diz ele. Peter, de 53 anos, passaria 20 horas ininterruptas online jogando roleta ou caça-níqueis virtual. Quando ele não estava usando a internet, ele iria para um cassino. "Eu estourei o limite de cinco cartões de crédito", diz ele. "Eu roubei da minha esposa e meus filhos. É incrível como você pode se tornar tortuoso. Não entendo como a minha esposa continuou comigo".
A GlaxoSmith Kline agora alerta sobre o comportamento compulsivo na lista dos efeitos colaterais de seus medicamentos. A empresa diz que "continua avaliando dados de ensaios clínicos, relatórios de ensaios clínicos, relatórios pós-comercialização e a literatura médica. […] Até o momento, as evidências para confirmar uma associação causal entre o desenvolvimento de comportamentos compulsivos (como o jogo patológico) e o uso de ROPINOROL continuam insuficientes".
Consultores e profissionais especializados no Parkinson estão sendo instados pela Sociedade da Doença de Parkinson a destacar os perigos para os pacientes. Mas ainda não há como prever qual deles está mais exposto ao risco.

"Não importa o medicamento da classe dos agonistas da dopamina, sempre haverá alguém que terá efeitos colaterais", diz Kieran Breen. "O que está ao alcance dos médicos fazer é prescrever a medicação considerem apropriada e, se houver problemas, insterrompê-la num estágio inicial".
Infelizmente, para milhares de pessoas, esse conselho está chegando tarde demais. Original em inglês, tradução Google. Fonte: Telegraph.

Nenhum comentário:

Postar um comentário