sábado, 22 de julho de 2017

Distúrbios do sono e Parkinson: é uma relação bidirecional?

21 juillet 2017 - Amesterdã, Países Baixos - em pacientes com doença de Parkinson, existe uma correlação inversa entre o sono profundo e progressão dos sintomas. Isto foi relatado pelo Dr. Simon Schreiner (Universidade de Zurique) durante o congresso da European Academy of Neurology.

Salientando que a associação observada é "robusta", Dr. Schreiner sugeriu que melhorar o sono profundo poderia ser uma abordagem terapêutica para a doença de Parkinson.

A relação entre sono e doença de Parkinson não é nova. Os distúrbios do sono afetam de fato a maioria dos pacientes, e presume-se que os mecanismos neurodegenerativos afetam o cérebro que controla os ciclos de sono-vigília. No entanto, de acordo com Dr. Schreiner, "evidência está acumulando para mostrar uma relação bidirecional, distúrbios do sono também promover mecanismos neurodegenerativos."

"Se esta relação de mão dupla é comprovada, distúrbios do sono podem estar envolvidos em um ciclo vicioso, acelerando o processo neurodegenerativo. E isso é o que dá esperança de que uma intervenção melhorar o sono pode ter um efeito sobre a progressão da doença".

Estudo retrospectivo "representativo da vida real"
Os resultados apresentados são de uma análise retrospectiva em 79 pacientes consecutivos com doença de Parkinson (63 anos, 34% mulheres). O diagnóstico foi feito a partir de 5,2 anos, em média. Menos de um ano após o diagnóstico, a polissonografia com um EEG para quantificar a profundidade e duração de sono profundo, foi realizada em todos os pacientes.

Este coorte foi descrito pelo Dr. Schreiner como "representativo da vida real."

Os indivíduos foram divididos em dois grupos, dependendo da quantidade de sono profundo. Os dois grupos eram similares em termos de idade, duração da doença, e apresentação clínica (forma rígida acinético, tremor, mistos). Inicialmente, a pontuação UPDRS III (Unified Parkinson's Disease Rating Scale ) também foram semelhantes, assim como as doses diárias de levodopa. (A única diferença entre os grupos foi a maior proporção de mulheres entre os “dormidores profundos”).

Durante um tempo médio de acompanhamento de 5 anos, a dose média diária de levodopa aumentou em todos os doentes, bem como a da UPDRS III.

Crescimento anual mais baixo nas “dormidoras profundas”
Após o ajuste para diferentes co-factores, o aumento anual desta contagem, no entanto, foi inferior em “dormidores profundas” (p = 0,05). Note-se que a correlação aparece mais forte nas fases iniciais da doença (duração <5 anos="" p="0,03).</p"> Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medscape.

Ou seja: Quanto melhor tivesse sido nossa qualidade do sono, menor teria sido a chance de desenvolvermos o parkinson....

Nenhum comentário:

Postar um comentário