quinta-feira, 29 de junho de 2017

Estes cientistas têm um plano para salvar o cérebro moribundo

Ressuscitar os mortos pode estar fora de questão, mas uma nova pesquisa aponta para melhores maneiras de cuidar de pacientes com lesões cerebrais críticas.
Imagem de uma sinapse. | Science Picture Co | Getty Images
por Bahar Gholipour  / This content is subject to copyright.
Jun.29.2017 / Os cientistas estão avançando para salvar um cérebro danificado

Nada é tão seguro quanto a morte. No entanto, os humanos encontraram maneiras de empurrá-lo para além disso. O coração para de bater? Faça CPR. Os pulmões falham? Use um ventilador mecânico. Essas técnicas salvaram a vida de milhões de pessoas. Há um ponto de não existe retorno, porém: quando o cérebro morre.

Uma empresa, a Bioquark Inc., baseada em Filadélfia, pensa que pode ser possível reverter mesmo esse último passo. A Bioquark planeja lançar um estudo para usar células-tronco e uma série de outras terapias para trazer um vislumbre de vida de volta aos cérebros mortos de pacientes recentemente falecidos.

A idéia levou a centenas de manchetes arrepiantes e encontrou séria contração de cientistas e especialistas em ética. Embora o estudo proposto da Bioquark possa desencadear preocupações éticas e práticas, os especialistas dizem que os avanços na pesquisa com células-tronco e nas tecnologias médicas significam que algum dia a morte cerebral pode ser reversível. Talvez (e isso é grande talvez) a morte cerebral não será o fim da vida.

"Eu concordo que a tecnologia de células-tronco nas neurociências tem um tremendo potencial, mas nós temos que estudá-lo de uma maneira que faz sentido", disse a Dra. Diana Greene-Chandos, professora assistente de neurocirurgia e neurologia no Centro Médico Wexner da Universidade Estadual de Ohio. O que não faz sentido, diz ela, é aplicar pesquisas com células-tronco em cérebros humanos complexos - muito danificados - antes que estudos em animais tenham chegado o suficiente.

É por isso que o estudo proposto pela Bioquark, previsto para ter lugar na América do Sul em algum momento deste ano, causou tal alvoroço na comunidade científica. A equipe planeja administrar terapias a 20 indivíduos com morte cerebral com a esperança de agitar a atividade elétrica no cérebro. A idéia é entregar células-tronco ao cérebro e estimulá-las a crescer em novas células cerebrais, ou neurônios, com a ajuda de um coquetel peptídico nutritivo, estimulação nervosa elétrica e terapia a laser.

"Estamos empregando esta abordagem [combinada], usando ferramentas que, por si só, têm sido empregadas extensivamente, mas nunca em um processo tão integrado", disse o CEO da Bioquark, Ira Pastor.

Uma crítica é que tal estudo poderia dar falsas esperanças às famílias que podem ter uma má compreensão da gravidade e irreversibilidade da morte encefálica e confundi-la com coma ou estado vegetativo. "Há uma série de áreas cinzentas em medicina. E todos devemos manter uma mente aberta. Mas precisamos nos certificar de que não estamos confundindo nossos pacientes", disse a Dra. Neha Dangayach, médica assistente na unidade de terapia intensiva neurocirúrgica do Hospital Mount Sinai, em Nova York.

Resposta de Pastor às críticas? O público está apontando para a idéia de morte cerebral. Ele também esclareceu que a ressurreição total não é o objetivo pretendido da empresa - pelo menos ainda não. "Não estamos reivindicando a capacidade de apagar a morte. Estamos trabalhando em uma janela muito pequena, uma zona cinza entre coma reversível e morte ", disse ele.

Além disso, ética, os críticos dizem que há problemas práticos com o plano. Não há evidências suficientes por trás da abordagem da Bioquark, argumentam, e a forma como o estudo é planejado não soa realista.

Quando o cérebro morre, a inflamação e o inchaço funcionam mal, as conexões entre os neurônios se desintegram, o colapso das artérias e o fluxo sanguíneo cai. "Uma vez que alguém está com o cérebro-morto, você pode mantê-los no ventilador, mas é muito difícil manter os órgãos desligados e o coração batendo por mais de alguns dias", disse o neurologista Richard Senelick. "A natureza vai seguir seu curso".

Assim, muitos cientistas dizem que o estudo de Bioquark pode ser uma questão quixotesca - com par de preservação cerebral criogênica e transplantes de cabeça. Eles podem parecer bons na teoria, mas são tão impraticáveis ​​que eles têm poucas chances de sucesso. No entanto, os especialistas concordam que a missão levanta questões sérias que merecem respostas. O que seria necessário para salvar um cérebro? Talvez ressuscitar cérebros mortos não esteja no campo da possibilidade ... mas o que é?

MORTE CEREBRAL E O INTERRUPTOR DE “SUÍCIDOS CELULARES"
Existe uma recompensa imensa na busca da regeneração cerebral. Se puder, pode salvar as vidas de pessoas feridas em um acidente ou, mais comumente, sofrer danos cerebrais extremos após uma parada cardíaca ou acidente vascular cerebral. Todos os anos, nos Estados Unidos, cerca de 350 mil pessoas experimentam uma parada cardíaca fora do hospital, de acordo com a American Heart Association. Apenas cerca de 10% sobreviveram com boa função neurológica. Outras 130 mil pessoas morrem de acidente vascular cerebral anualmente.

Para apreciar o desafio de salvar o cérebro, é primeiro olhar o que é preciso para matá-lo. Pensou-se há muito tempo que a morte ocorre quando o coração pára. Agora sabemos que a morte realmente acontece no cérebro - e não em um único momento, mas várias etapas. Um paciente deitado em coma em uma unidade de terapia intensiva pode parecer pacífico, mas os achados de estudos bioquímicos pintam uma cena muito diferente em seu cérebro: fogos de artifício no nível celular.

Quando os neurônios se deparam com um evento traumático, como a falta de fluxo sangüíneo após a parada cardíaca, eles entram em frenesi. Algumas células morrem durante o apagão inicial. Outras lutam para sobreviver na complexa cascata de mecanismos de lesões secundárias, desencadeada pelo estresse de ser privado de oxigênio. Os neurotransmissores derramam os neurônios em altas concentrações. Os radicais livres se acumulam, queimando furos nas membranas das células cerebrais. As células perfuradas respondem ao ataque produzindo mais inflamação, danificando outras células.

Eventualmente, a resposta ao estresse desencadeia a apoptose, ou o processo de morte celular programada. Em outras palavras, o "interruptor de suicídio" da célula é ativado. As células morrem uma a uma até que o cérebro deixe de funcionar.

Essa é a morte cerebral: a perda completa e irreversível da função do cérebro. Os médicos determinam a morte cerebral, verificando se as pupilas do paciente reagem à luz, quer ele responda à dor, e se seu corpo tenta respirar ou retém qualquer outra função vital do tronco encefálico, a parte mais resistente às feridas.

"Nós temos testes rigorosos, porque é uma questão muito séria - a questão de distinguir a vida da morte", disse Dangayach.

Para danos cerebrais em uma escala muito menor, no entanto, a situação pode ser gerenciável. As terapias de ponta estão focadas nesta possibilidade.

MAIS NEURÔNIOS EM UMA PÍLULA?
As células-tronco trouxeram uma potencial oportunidade potencial para a área sombria do tratamento de lesões cerebrais. Atualmente, não há terapia baseada em células-tronco aprovada pela FDA para problemas cerebrais, e especialistas sugerem ficar longe de qualquer clínica que ofereça tais terapias. Mas isso não impede os pesquisadores de estarem entusiasmados com as possibilidades. Ao contrário de outras partes do corpo, as células perdidas no cérebro se foram para sempre. As células-tronco podem substituí-las?

"Essa é uma coisa razoável para perguntar", disse o neurologista Dr. Ariane Lewis, da Universidade de Nova York. Lewis é um forte crítico da abordagem da Bioquark, dizendo que o estudo "faz fronteira com o charlatão", mas ela acha que a pesquisa com células-tronco é promissora para recuperação de acidente vascular cerebral. "Temos pouca evidência neste momento, e esta não é uma terapia comum, mas é uma questão de pesquisa".

Duas regiões no cérebro adulto contêm células-tronco que podem dar origem a novos neurônios, sugerindo que o cérebro possui uma capacidade incorporada para se reparar. Algumas dessas células podem migrar longas distâncias e chegar ao local da lesão.

Em algumas lesões, o cérebro produz fatores biológicos que estimulam as células estaminais. Os pesquisadores estão trabalhando para identificar esses fatores - com o objetivo de algum dia traduzir os achados em novos medicamentos para aumentar as células-tronco do próprio paciente.

"Se pudermos identificar fatores que estimulam essas células, poderíamos repará-las diretamente", disse o Dr. Steven Kernie, chefe de medicina pediátrica de cuidados críticos do New York Presbyterian Hospital, que está trabalhando nesta pesquisa.

Outras equipes têm trabalhado para transformar diferentes tipos de células cerebrais em neurônios. Uma equipe da Penn State University desenvolveu um coquetel de moléculas que podem converter células gliales, um tipo de célula cerebral, em neurônios funcionais em camundongos. O coquetel de moléculas poderia ser embalado em comprimidos de drogas, disseram os pesquisadores, talvez um dia feito pelos pacientes para regenerar os neurônios.

Outra opção: transplante novos neurônios para o cérebro. Em um estudo de 2016, cientistas transplantaram com sucesso os neurônios jovens em cérebros danificados de camundongos. Uma lesão da vida real no cérebro humano é uma situação muito mais complicada do que uma lesão clara feita no laboratório. Mas, eventualmente, tais avanços podem se traduzir em técnicas para reparar danos no acidente vascular cerebral.

Para doenças como o Parkinson, em que uma determinada população de neurônios está perdida - ao contrário de um dano indiscriminado generalizado - houve vários ensaios clínicos com muitos outros. Cientistas da Austrália usam células cerebrais de porcos como substituto de neurônios perdidos. No final deste ano, um ensaio clínico chinês implantará jovens neurônios derivados de células estaminais embrionárias humanas em cérebros de pacientes com Parkinson. E mais cinco grupos estão planejando testes semelhantes nos próximos dois anos, relatou a Nature.

As abordagens tomadas nos testes de Parkinson podem ser as mais biologicamente plausíveis, disse Kernie. Se esses ensaios forem bem-sucedidos, eles podem abrir caminho para uma aplicação mais ampla de células-tronco para o tratamento de doenças cerebrais. "Ainda não está comprovado que vai funcionar, mas é algo que está no horizonte". Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: NBC News, com links.

Nenhum comentário:

Postar um comentário