sexta-feira, 2 de junho de 2017

CBD e seu cérebro


June 2, 2017 - THC vem à mente quando muitas pessoas falam sobre cannabis, mas a CBD está ficando bem conhecida devido aos seus efeitos benéficos no corpo. À medida que a pesquisa científica se move passo a passo a cada dia, torna-se claro que toda a cepa médica de cannabis possui suas próprias propriedades. CBD ajuda o cérebro de uma maneira intrincada e pertinente. Não há efeito psicoativo associado à CBD. Isso torna diferente do THC que tem alguns efeitos psicoativos. Isso acontece porque os receptores CB1 não são ativados pelo cannabidiol. A maneira pela qual o cannabidiol afeta o cérebro deve ser explicada ainda mais.

Possui propriedades antipsicóticas relevantes
CBD tem efeitos antipsicóticos que são como os de amisulpride. A tendência recente é que mais e mais pessoas preferem CBD devido ao fato de que não tem tantos efeitos colaterais quanto a amisulpride. Os efeitos antipsicóticos do CBD derivam do efeito que tem sobre a anandamida que é aumentada no cérebro por causa da presença de cannabinoides. Uma redução nos sintomas psicóticos relacionados foi associada ao aumento dos níveis de anandamida no cérebro.

Protege as células cerebrais de danos nas doenças neurodegenerativas
A pesquisa indicou que o CBD pode manter as células cerebrais longe de danos. Isso reduz a resposta inflamatória que o sistema imunológico produz. Quimiocinas, citocinas e outras moléculas inflamatórias que são encontradas nos locais de inflamação são então reduzidas. Quando várias lesões cerebrais de modelos animais foram examinadas, descobriu-se que o CBD aumentou uma série de células cerebrais viáveis. Também diminuiu o número de células cerebrais que foram mais de metade danificadas. Isso mostra que CBD pode diminuir a lesão no cérebro causada por traumas. CBD também pode bloquear sinais de dor que são enviados para o cérebro, diminuindo a inflamação através de meios periféricos. Unguentos que contêm CBD reduziram dores súbitas e inflamação das articulações. Portanto, é perfeito para tratar a dor causada pela artrite. Os compostos químicos da maconha e da maconha propriamente dita são perfeitos para proteger as células do cérebro de doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer, a doença de Parkinson e outras formas de demência.

Ajuda com depressão e ansiedade
CBD pode impedir que compostos como o THC se liguem aos receptores CB1 interagindo com os receptores de uma maneira específica. O CBD também pode curar muitos problemas causados ​​por THC, como problemas de memória e ansiedade. O CBD interage com um receptor de serotonina que se relaciona diretamente com sintomas de depressão. Verificou-se também que as regiões que se tornam hiperativas durante os transtornos de ansiedade podem ser acalmadas pela CDB. CBD faz isso diminuindo o fluxo de sangue para as áreas do cérebro, como o hipotálamo que está relacionado com a ansiedade. Os escores gerais de ansiedade de quem participou do estudo diminuíram. O CBD também pode funcionar como um antidepressivo que é exclusivo da sua função como um redutor de ansiedade. Para pessoas deprimidas, a CBD pode criar um equilíbrio no comprometimento do sistema endocanabinoide. Em um estudo, exames de imagem foram utilizados pelos pesquisadores para entender as regiões cerebrais que estão envolvidas com os efeitos anti-ansiedade da CBD. Isso criou novas formas de curar a depressão. Embora os medicamentos convencionais que usam para curar a depressão tenham efeitos colaterais, a CBD não possui nenhum.

Pode ser usado para tratar epilepsia

O efeito da CBD sobre a epilepsia criou muitos rumores e levou a um enorme progresso na cura da epilepsia. CBD pode reduzir convulsões na epilepsia da mesma forma que pode moderar outros produtos químicos encontrados no cérebro. A CBD pode proibir mecanismos do cérebro que contribuem para convulsões, aumentando a liberação de GABA, o neurotransmissor inibitório. Charlotte Figi é o caso mais popular de CBD sendo usado para curar a epilepsia. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: 420 Meta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário