quarta-feira, 15 de março de 2017

Parkinson é como um problema social e de saúde pública

Antonino Marra, presidente di Parkinson Italia
15 marzo 2017 - Ele está programado para amanhã, Quinta-feira, 16 de março em Milão, na conferência intitulada "Parkinson como um problema social e de saúde. Resultados de um estudo sobre o contexto de Milão", o momento final do projeto de um “Libro Bianco lombardo" sob a condição de doentes de Parkinson, o desenvolvimento de uma iniciativa de importância europeia que a Confederação Parkinson Itália está promovendo durante algum tempo. O objetivo, em essência, é para detectar e analisar pela primeira vez na Itália, os problemas clínicos e sociais nos doentes de Parkinson e de integrar estas dimensões em uma estrutura unificada.

Com o apoio organizacional do Departamento de Sociologia da Universidade Católica de Milão, será realizada amanhã, Quinta-feira, 16 de março de em Milão (Aula São João Bosco de Largo Gemelli, 1, horas 9-13,30), a conferência intitulada Parkinson como um problema de assistência social e saúde. Resultados de um estudo sobre o contexto de Milão, o momento final do projeto de um livro Bianco lombardo sobre a condição dos pacientes de Parkinson, o desenvolvimento de uma iniciativa de importância europeia que a Confederação Parkinson Itália está promovendo por algum tempo.

É um projeto que tem como objetivo detectar e analisar pela primeira vez na Itália, os problemas clínicos e sociais do doente de Parkinson, e integrar estas dimensões em uma estrutura unificada.

Hoje a doença de Parkinson afeta pelo menos 4 por mil da população em geral e cerca de 1% das pessoas com mais de 65 anos de idade. Na Itália, ele afetada cerca de 300.000 pessoas, a maioria do sexo masculino, com início entre as idades de 59 e 62 anos. Supõe-se que, em média, que no momento do diagnóstico inicial, o dano cerebral precoce pode antedatar por pelo menos de seis anos.

Deve ser dito que a doença de Parkinson, infelizmente, não cobre apenas os idosos: a idade de início do Parkinson é feito na verdade, mais e mais jovens (um em cada 4 doentes com menos de 50 anos, 10% têm menos de 40 anos ), que é dizer que hoje cerca de metade dos pacientes estão em idade de trabalhar e que, em cerca de 25.000 famílias com crianças em idade escolar um dos pais é afetado pela doença.

O Livro Branco sobre o estado dos pacientes com DP é proposto, pela primeira vez na Itália, para conduzir uma investigação completa que permita obter informações sobre as pessoas com Parkinson, nas suas várias fases, integrando ponto clínica e de vista social. A idéia é coletar e analisar esses dados, para gerar novas escalas de medição do bem-estar dos pacientes (criação de bem-estar social e de índices de saúde de pacientes e suas famílias, as condições socio-econômicas, as condições sócio-demográficos). Através da análise de modelos de serviços regionais, a iniciativa tem a ambição de contribuir para a elaboração de um único caminho de diagnóstico e alívio terapêutico (PDTA) em todo o país.

As informações e processamento coletadas durante a pesquisa – em que têm trabalhado em conjunto médicos e sociólogos - irá então ser partilhada e disponibilizada através de um documento final do trabalho, que irá integrar as habilidades clínicas e sociais múltiplas, para construir um quadro de conhecimento integrado de evidências epidemiológicas, avaliar contextos de enfermagem e contribuir para a disseminação de novas tecnologias nos processos de saúde e da mobilização de profissionais de saúde. Além disso, os dados recolhidos contribuirão para a formação de um "conhecimento público" sobre o fenômeno, envolvendo pesquisadores, associações, agências de publicidade, mídia e os tomadores de decisão em uma campanha de sensibilização sobre a doença que a Parkinson Itália pretende promover já a partir do ano em curso.

O Livro Branco é um projeto de Parkinson Italiano (aderente à FISH – Federazione Italiana per il Superamento dell’Handicap), Confederação dos vinte e três associações voluntárias independentes, que operam no país, cuja missão é melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas pela doença e suas famílias.

"Não há em nosso país - disse Antonino Marra, presidente da Parkinson Itália - mas, mesmo na Europa, um estudo abrangente sobre a doença de Parkinson. Começamos com o projeto piloto na Lombardia, um modelo de pesquisa que também poderia ser adotada por outros países europeus. "

Os vários oradores da conferência em Milão, em seguida, apresentarão um relatório sobre os resultados relacionados com a pesquisa sociológica realizada na cidade de Milão através de grupos focais, entrevistas em profundidade e questionários, com foco em dois aspectos críticos: primeiro, o tema da difícil integração entre social e de saúde no sistema regional, a pedra angular de um processo mais amplo de gestão de pessoas tomadas e os seus problemas, para superar a fragmentação das intervenções. Em segundo lugar, uma exploração menos abordada em questões de prática clínica, tais como relações e o tema da carga de trabalho e a preocupação que caem sobre o cuidador. Original em italiano, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Superando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário