sábado, 25 de março de 2017

Os resultados da pesquisa podem ajudar a entender como o Parkinson se desenvolve no nível molecular

21.03.2017 - Numa série complexa de experiências, examinaram quais os efeitos da alteração de um único aminoácido na proteína. Os físico-químicos foram capazes de provar como esta pequena alteração perturba a ligação da alfa-sinucleína às membranas. "Esperamos que a descoberta desta ligação de membrana seletivamente defeituosa nos ajude a entender como o Parkinson se desenvolve em nível molecular. Em última análise, isso facilitará a elaboração de estratégias terapêuticas", descreve Julia Cattani, um estudante de doutorado, que desempenhou um papel importante no sucesso da pesquisa. Os resultados da pesquisa foram revelados na revista especializada Journal of the American Chemical Society, em sua edição on-line de 16 de março de 2017.

O cérebro humano contém grandes quantidades da pequena proteína alfa-sinucleína. Sua função biológica exata ainda é desconhecida, mas está intimamente ligada à doença de Parkinson. A proteína "aglomera-se" nas células nervosas de pacientes com Parkinson. A alfa-sinucleína consiste numa cadeia de 140 aminoácidos. Em casos raros, a doença de Parkinson é hereditária. Onde isso ocorre, um desses 140 componentes foi substituído. Malte Drescher e seu grupo de trabalho no Departamento de Química da Universidade de Konstanz descobriram agora a influência que essas mudanças seletivas na seqüência de proteínas podem ter no comportamento da alfa-sinucleína. "Podemos mostrar que as mutações seletivas perturbam a ligação à membrana da alfa-sinucleína em nível local", explica Malte Drescher.

Para saber mais sobre a influência de mutações seletivas, os químicos de Konstanz, Dra. Marta Robotta e Julia Cattani, aplicaram minúsculas moléculas sondas magnéticas em vários locais da proteína alfa-sinucleína. Com a ajuda da espectroscopia de ressonância paramagnética eletrônica - um procedimento semelhante ao método de ressonância magnética (MRI) usado no campo médico - os pesquisadores foram capazes de medir a rotação desses nanomagnetos. Em cada resíduo no qual a alfa-sinucleína se liga a uma membrana, a rotação diminui. Desta forma, eles foram capazes de descobrir exatamente quando e onde uma ligação às membranas ocorre - e quando não. No caso dos aminoácidos trocados, os físico-químicos de Konstanz descobriram uma perturbação da ligação da alfa-sinucleína à membrana - uma pista importante para o contexto molecular da doença de Parkinson.

"Fizemos grandes realizações, realizando mais de 200 experiências espectroscópicas, cujos resultados comparamos com nossos modelos por meio de um algoritmo de simulação especialmente desenvolvido, o resultado certamente compensou nossos esforços", diz Julia Cattani. O líder do projeto Malte Drescher acredita que, além do enorme comprometimento de sua equipe, um importante pré-requisito para o sucesso da pesquisa foi, sobretudo, o ambiente do Centro de Pesquisa Colaborativa (SFB) 969, "Princípios químicos e biológicos da proteostase celular", que formou a base para o patrocínio do projeto: "Por meio de redes em um nível interdisciplinar e discutindo com colegas, conseguimos resolver os muitos problemas que enfrentamos", enfatiza Malte Drescher. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: News-medical Net.

Fonte:
Https://www.uni-konstanz.de/en/university/news-and-media/current-announcements/news/news-in-detail/Parkinson-auf-der-spur/

Nenhum comentário:

Postar um comentário