quarta-feira, 15 de março de 2017

O ácido folínico pode ser útil contra Parkinson

Leicester, marzo 15: A substância utilizada na quimioterapia do cancro para o intestino, pode impedir ou atrasar o aparecimento da doença de Parkinson.

Pessoas com certas formas de início precoce da doença de Parkinson podem se beneficiar, em teoria, tomando uma droga usada para tratar certas formas de cancro. Isto emerge de uma nova pesquisa feita por cientistas da Universidade de Leicester e financiado pelo Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido.

O estudo, publicado em Science Matters, sugere que o ácido folínico, que é usado em medicamentos para tratar o cancro do cólon, também podem proteger os neurônios associados com a doença de Parkinson em moscas da fruta, espécies usadas como "modelo animal" por décadas.

Dr. Miguel Martins da Unidade de Toxicologia do MRC, da Universidade de Leicester explicou sobre isso, "doença de Parkinson é uma doença incapacitante para o qual não há cura ainda disponível. Além disso, após os neurônios dopaminérgicos são perdidos, há apenas algumas opções para o tratamento paliativo dos sintomas de Parkinson. Portanto, os tratamentos que impedem ou retardam o início da doença em um estágio inicial são necessários ", para prolongar o tempo e capacidade de resposta”.

Deve-se notar, que a adição de "ácido folínico já está aprovado e usado para aplicações clínicas como um adjuvante durante a quimioterapia e pode ser administrada oralmente como um suplemento dietético, ou por via intravenosa."

Em linha com este, "o risco de segurança do fármaco é baixo, e o desenvolvimento de uma ou mais drogas para a reutilização de ácido folínico como um tratamento para a doença de Parkinson seria mais rápido do que uma nova droga."

Com isto em mente, "parece que vale a pena tentar ainda mais a suplementação de ácido folínico em ensaios clínicos com participantes humanos como um potencial preventivo terapêutico ou paliativo para a doença de Parkinson, e para expandir o repertório de opções de tratamento".

Quanto ao que tem sido feito, os pesquisadores estudaram as moscas de fruta com mitocôndrias defeituosas causadas por uma mutação que imita a doença de Parkinson em seres humanos. Experimentos de laboratório como este, permitiram tirar conclusões sobre o efeito do ácido folínico nos neurônios em moscas de fruta.

Pesquisas anteriores pela mesma equipe demonstraram que o ácido fólico protege os neurônios em modelos da doença de Parkinson. O ácido folínico está relacionado com o ácido fólico, mas é metabolicamente mais ativo.

Em contraste com o ácido fólico, ácido folínico (veja nos links as diferenças entre os dois) tomado por via oral pode penetrar no cérebro humano. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Mirada Profesional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário