quinta-feira, 23 de março de 2017

Mapeando o futuro da medicina de precisão na doença de Parkinson

(Os desenhos acima são neurônios desenhados pelo pai da neurociência do século 19, Santiago Ramón y Cajal)

March 22, 2017
Resumo:
Uma nova abordagem transformadora para definir, estudar e tratar a doença de Parkinson foi revelada pelos investigadores. Em vez de se aproximar da doença de Parkinson como uma única entidade, o quadro internacional de pesquisadores defende a segmentação de terapias para diferentes "nodos ou clusters" de pacientes com base em sintomas específicos ou características moleculares de sua doença.

Duas publicações de referência com um ou mais co-autores da Universidade de Cincinnati Gardner Instituto de Neurociência esboçaram uma abordagem transformadora para definir, estudar e tratar a doença de Parkinson. Em vez de se aproximar da doença de Parkinson como uma única entidade, o quadro internacional de pesquisadores defende a segmentação de terapias para distintos "nós ou clusters" de pacientes com base em sintomas específicos ou características moleculares de sua doença.

Alberto Espay, MD, professor associado de neurologia na Faculdade de Medicina da UC e diretor do Centro James J. e Joan A. Gardner Família para a Doença de Parkinson e Transtornos do Movimento, é autor principal das publicações, que recentemente apareceu online nas revistas Nature Reviews Neurologia e Distúrbios do Movimento.

"Chegou a hora de perguntar o que devemos fazer de maneira diferente", diz Espay. "A ciência médica fez um investimento global de US $ 23 bilhões em terapias com a promessa de retardar a progressão da doença de Parkinson, e os 17 ensaios clínicos concluídos fase III têm rendido pouco mais do que decepção. Precisamos perguntar se o crescente número de falhas, os ensaios podem ser explicados pela nossa abordagem de um único alvo e uma única doença para o desenvolvimento de fármacos ".

Espay e seus colegas teorizam que a doença de Parkinson não é uma doença, mas sim várias doenças quando consideradas a partir de perspectivas genéticas e moleculares. Eles reconhecem que a visualização do Parkinson como um único transtorno que envolve predominantemente a degeneração dos neurônios de dopamina tem sido útil no desenvolvimento de tratamentos para sintomas como tremores e caminhadas instáveis ​​que atingem a grande maioria dos pacientes. Ao mesmo tempo, este ponto de vista ainda tem de entregar uma terapia que é eficaz na desaceleração, modificação ou cura Parkinson. Uma razão importante, diz Espay, pode ser que terapias moleculares promissoras foram testadas em grandes ensaios clínicos de pessoas que compartilham o diagnóstico de Parkinson, mas não com o subtipo de doença específico mais provável de se beneficiar.

Os pesquisadores defendem uma "medicina de precisão" abordagem que está enraizada na biologia de sistemas, um estudo interdisciplinar que incide sobre as complexas interações dos sistemas biológicos.

"Olhando para a doença de uma perspectiva de biologia de sistemas nos permite reconhecer que nossos pacientes podem ser divididos em subtipos baseados em anormalidades genéticas, biológicas e moleculares", diz Espay. "Como resultado, eles vão responder de forma diferente a diferentes terapias."

Os neurologistas têm observado há muito tempo as muitas faces do Parkinson em seus pacientes. Alguns progridem rapidamente em sua doença, alguns lentamente. Alguns desenvolvem demência relativamente cedo, enquanto outros não.

Os testes também revelaram que os pacientes desenvolvem depósitos de alfa-sinucleína, uma proteína, em graus variados no cérebro, cólon, coração, pele e bulbo olfatório. Mas embora esses depósitos tenham sido pensados ​​para serem denominadores comuns na maioria dos indivíduos com Parkinson, eles podem representar subprodutos de uma série de anomalias biológicas e podem não ser os melhores alvos da terapia. "Perseguir essa cauda pode se tornar um alvo indescritível", diz Espay.

Rumo a um conjunto ideal de biomarcadores

Espay e seus colegas dizem que o campo deve trabalhar para desenvolver um conjunto ideal de biomarcadores. Sua decepcionante conclusão vem depois de um investimento de US $ 45 milhões pela Fundação Michael J. Fox na Parkinson's Progression Markers Initiative (PPMI). Espay, líder do site da parte de Cincinnati do estudo de 33 locais, esperava que o esforço ajudasse os pesquisadores a descobrir biomarcadores que identificassem os processos de doença subjacentes.

A abordagem ideal, escrevem Espay e seus co-autores, começaria com "uma avaliação de processos biológicos" em grandes populações de idosos. As avaliações capturariam varreduras do cérebro, perfis genéticos e outras medidas biológicas de indivíduos saudáveis ​​e insalubres ao longo do tempo. Sinais anormais dentro de cada uma dessas medidas biológicas seriam então rastreados para o grupo de pessoas de onde emergem. Ao fazê-lo, o campo iria desenvolver "biomarcadores imparciais" que impulsionam a criação de subtipos de doenças específicas.

"Esse processo é o inverso do que temos hoje, com biomarcadores sendo validados por ancoragem ao paciente observável pelas características clínicas, ou fenótipos", diz Espay.

Espay comparou a situação com um período anterior em oncologia, quando os pesquisadores buscaram "a cura para o câncer". Ao longo de um período de décadas, os pesquisadores de câncer evoluíram longe do foco geral para uma compreensão da complexidade profunda do câncer. Eles aprenderam a avaliar o perfil molecular de um câncer e a segmentar sua mutação ou vulnerabilidade única. Ao fazer isso, inauguraram a era da medicina de precisão - a combinação de medicamentos com subtipos de doenças.

"O neurologista do futuro seria muito parecido com o oncologista do presente", diz Espay. "O diagnóstico da doença de Parkinson só estará completo quando um perfil de biomarcador for capaz de identificar os subtipos moleculares da doença e sugerir um tratamento modificador de doença a ser aplicado".

História Fonte:

Materiais fornecidos pela Universidade de Cincinnati Academic Health Center.

Journal References:

Alberto J. Espay, Patrik Brundin, Anthony E. Lang. Precision medicine for disease modification in Parkinson disease. Nature Reviews Neurology, 2017; 13 (2): 119 DOI: 10.1038/nrneurol.2016.196
Alberto J. Espay, Michael A. Schwarzschild, Caroline M. Tanner, Hubert H. Fernandez, David K. Simon, James B. Leverenz, Aristide Merola, Alice Chen-Plotkin, Patrik Brundin, Marcelo A. Kauffman, Roberto Erro, Karl Kieburtz, Daniel Woo, Eric A. Macklin, David G. Standaert, Anthony E. Lang. Biomarker-driven phenotyping in Parkinson's disease: A translational missing link in disease-modifying clinical trials. Movement Disorders, 2017; 32 (3): 319 DOI: 10.1002/mds.26913
Cite This Page:
MLA
APA
Chicago
University of Cincinnati Academic Health Center. "Mapping the future of precision medicine in Parkinson's disease." ScienceDaily. ScienceDaily, 22 March 2017. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Science Daily.

Veja mais aqui => The Future of Parkinson’s Disease Therapies.

Nenhum comentário:

Postar um comentário