terça-feira, 21 de março de 2017

FDA aceita nova droga como tratamento complementar para Parkinson

A Food and Drug Administration aprovou a primeira droga nova em uma década para a doença de Parkinson, o debilitante transtorno do movimento.

March 21, 2017 - TRENTON, N.J. (AP) — Os reguladores norte-americanos aprovaram a primeira droga nova em uma década para a doença de Parkinson, uma doença neurológica crônica que causa tremores e dificuldades de movimento.

A Food and Drug Administration disse terça-feira que aprovou Xadago para uso quando os medicamentos regulares de um paciente não estão funcionando bem.

A pílula foi testada em dois estudos de seis meses que incluíram cerca de 1200 pacientes tomando um tratamento padrão, levodopa.

De acordo com o FDA, adicionando Xadago ao levodopa diminuíram períodos com sintomas como o movimento involuntário do músculo. Os pacientes que tomaram Xadago também tiveram melhor controle do movimento em comparação com os grupos que receberam levodopa e pílulas falsas.

Cerca de 1 milhão de americanos e até 10 milhões de pessoas em todo o mundo têm Parkinson. Geralmente atinge os idosos, afetando 1 por cento a 2 por cento dos maiores de 65 anos.

Parkinson é uma doença progressiva com os sintomas piorando ao longo do tempo. Levodopa, que a maioria dos pacientes toma, pode tornar-se menos eficaz à medida que a doença progride. Portanto, medicamentos adicionais são necessários.

A Newron Pharmaceuticals, sediada em Milão, Itália, que possui uma subsidiária americana em Morristown, Nova Jersey, desenvolveu Xadago, conhecido quimicamente como safinamida. Foi aprovado na União Europeia em 2015.

O parceiro da Newron, US Worldwide Meds LLC, de Louisville, no Kentucky, irá comercializar Xadago nos EUA. A empresa disse que o preço de lista sem seguro será de US $ 670 para um suprimento de 30 ou 100 miligramas.

Possíveis efeitos colaterais podem incluir movimento involuntário, náuseas e insônia. A FDA disse Xadago não deve ser tomada por pessoas com problemas hepáticos graves ou aqueles que tomam opiáceos analgésicos e certos antidepressivos. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: US News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário