sábado, 18 de fevereiro de 2017

Parkinson: "Interruptor genético" pode desempenhar papel fundamental na preservação das células cerebrais

18/02/2017 - A descoberta de um "switch genético" que ajuda a manter a saúde das células cerebrais pode levar a novos tratamentos que poderiam atrasar ou mesmo prevenir os sintomas da doença de Parkinson.

Assim concluem pesquisadores da Universidade de Leicester, no Reino Unido, que lideraram um novo estudo publicado na revista Cell Death and Differentiation.

Em todo o mundo, mais de 10 milhões de pessoas vivem com a doença de Parkinson, uma desordem progressiva devastadora do cérebro que afeta o movimento.

A doença de Parkinson dá origem a sintomas que incluem: rigidez muscular; comprometimento da marcha, equilíbrio e postura; tremores nos membros, mãos, rosto e mandíbula; e problemas com a fala.

A doença afeta principalmente uma parte do cérebro chamada substância negra, onde destrói gradualmente células cerebrais vitais, ou neurônios, que produzem dopamina - um mensageiro químico que é essencial para controlar o movimento.

A perda de células produtoras de dopamina pode acontecer por várias razões, mas em alguns casos hereditários de doença de Parkinson, pode resultar de mitocôndrias insalubres - minúsculos compartimentos dentro de células que lhes fornecem energia para funcionar e permanecer vivo.

Interruptores genéticos controlam a saúde mitocondrial
Algumas formas hereditárias da doença de Parkinson são causadas por mutações nos genes PINK1 e PARKIN, que desempenham um papel importante na manutenção da qualidade e integridade das mitocôndrias.

Para seu estudo, a equipe usou moscas de fruta porque oferecem um bom modelo para investigar os processos genéticos e moleculares de doenças humanas. Os insetos carregam aproximadamente 75 por cento dos genes que causam a doença humana.

Por exemplo, moscas de frutas com mutações em PINK1 e PARKIN também mostram características da doença de Parkinson - eles têm músculos fracos, lutam para voar, movem-se lentamente e perdem células de dopamina em seus cérebros. Eles também acumulam mitocôndrias defeituosas.

Os pesquisadores usaram moscas de frutas portadoras de formas mutantes dos genes PINK1 e PARKIN, a fim de pesquisar outros genes envolvidos na doença de Parkinson.

Usando uma abordagem chamada bioinformática, eles descobriram que um gene chamado ATF4 é vital para a saúde mitocondrial; Ele age como um interruptor para aumentar ou diminuir a atividade de PINK1 e PARKIN.

O Dr. Miguel Martins, da Unidade de Toxicologia do MRC em Leicester, explica que quando a expressão de ATF4 foi reduzida nas moscas da fruta, também reduziu a expressão de PINK1 e PARKIN, levando a "defeitos locomotores dramáticos, diminuição do tempo de vida e mitocôndria disfuncional no cérebro."

A equipe também descobriu que a superexpressão desses genes mitocondriais nos modelos de mosca da fruta da doença de Parkinson restabeleceu a função mitocondrial e evitou a perda de células cerebrais.

Ao encontrar as redes de genes que orquestram os processos mitocondriais que mantêm as células cerebrais saudáveis, a equipe acredita que eles identificaram uma série de novos alvos para o tratamento da doença de Parkinson. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medical News Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário