segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Dor e Doença de Parkinson

February 22, 2017 - A dor é um sintoma comum, mas talvez inesperado, não-motor da doença de Parkinson (DP). Até 75 por cento das pessoas podem experimentar algum tipo de desconforto durante o curso de sua doença. Infelizmente, este sintoma é muitas vezes sub-reconhecido e, portanto, subtratado.

Muitas causas potenciais de dor na doença de Parkinson
Alguns tipos de dor são devidas aos sintomas motores do Parkinson e também sintomas não-motores, outros à própria doença subjacente. Alguma dor ou desconforto não pode ser ligado diretamente à DP, mas ainda é bastante comum. Uma lista das principais causas de dor em pessoas com Parkinson inclui:

Rigidez muscular: Sintomas motores, tais como rigidez e lentidão de movimento pode levar a dores e dor, o que pode resultar em diminuição da mobilidade e ainda mais dor. A rigidez pode ser generalizada em todo o corpo ou localizada em uma região, como o ombro, braço ou perna. Às vezes um tremor descontrolado pode provocar dor.

Distonia: A distonia é uma contração muscular prolongada e involuntária que causa uma postura anormal. Ele pode afetar qualquer parte do corpo, mas os exemplos típicos em PD são cãibras nos pés ou “torção” debaixo dos dedos dos pés. A distonia surge com maior freqüência de manhã ou durante os períodos "off", quando a medicação não está funcionando corretamente e os sintomas de Parkinson retornam.

Discinesia: A discinesia é um movimento anormal, involuntário, que pode se desenvolver com o uso prolongado de levodopa (em conjunto com uma maior duração da doença). A discinesia geralmente ocorre quando os sintomas de Parkinson são de outro modo controlados (isto é, durante os tempos "on"). Os movimentos podem ser um movimento contorcendo-se ou movendo-se.

Dor central: Na DP, as regiões cerebrais que processam sensação e dor podem não funcionar corretamente, o que pode resultar em uma síndrome chamada "dor central". Os sintomas de dor central variam muito de pessoa para pessoa. A dor pode ser generalizada, afetando todo o corpo ou focada em uma área. Pode ser uma sensação de queimadura constante ou uma explosão intermitente aguda de dor.

Dor abdominal: A maioria das pessoas com Parkinson tem constipação ou estômago virado em algum ponto, muitas vezes mesmo antes do diagnóstico. Constipação pode variar de um incômodo menor para uma condição que provoca inchaço severo e desconforto. (Veja um webinar sobre constipação.)

Dor músculo-esquelética: Devido à diminuição da mobilidade, alterações posturais, quedas e, por vezes, fraturas, Parkinson pode causar dor muscular e sensação de dor nos ossos. Muitas pessoas também têm dor na parte baixa das costas e até mesmo dor ciática associada (dor, formigamento e dormência irradiando para baixo a parte de trás de uma perna).

Dor nas articulações: A artrite não faz parte do Parkinson em si. Mas ambas as condições são mais comuns com o envelhecimento para suas dores pode ser difícil de diferenciar. Mão, joelho, quadril e parte inferior das costas articulações muitas vezes são endurecidas por artrite.

Neuropatia: Danos aos nervos periféricos (aqueles que carregam sensação para as mãos e pés) podem se manifestar como dormência, formigamento ou queimação. Este tipo de neuropatia pode ser causada por uma série de condições, incluindo diabetes e deficiências de vitamina B.
A dor, como a maioria dos sintomas não motores (e motores), pode flutuar. Ao falar sobre o Parkinson, as pessoas que vivem com a doença descrevem dias bons e dias ruins. Estresse físico e emocional, bem como a falta de sono, fadiga e depressão podem agravar a dor. A dor no Parkinson, não importa de onde ela venha, também é geralmente pior durante os períodos "off" (períodos em que os sintomas de DP retornam porque os medicamentos não estão funcionando idealmente).

Múltiplas abordagens para o tratamento da dor em Parkinson
Alguns princípios básicos para o tratamento da dor no Parkinson são:

Identificar a fonte da dor, se possível,
Otimizar o controle dos sintomas motores,
Incorporar exercício,
Use métodos não-farmacológicos, se útil,
Adicionar medicação para dor, se necessário.

Se a dor surgir, discuta com seu especialista em transtorno de movimento, que pode avaliar o seu Parkinson, avaliar outras causas além da PD (mesmo pequenas infecções podem piorar os sintomas do Parkinson e dor) e direcionar tratamento adequado.

Se os sintomas motores não forem controlados, a dor também pode não ser adequadamente controlada. Se o tempo "off", discinesia ou distonia estão contribuindo ou causando dor, medicação e ajustes da dopamina são susceptíveis de ser a estratégia inicial para o tratamento da dor. As terapias adicionais para a distonia podem incluir injeções de toxina botulínica (Botox) nos músculos afectados, ou fármacos orais, tais como relaxantes musculares.

Exercício pode ser benéfico para a maioria das dores (e constipação), mesmo que esta seja a última coisa que você senta vontade de fazer. Um terapeuta físico ou ocupacional pode ajudá-lo a elaborar um regime personalizado, e familiares e amigos podem mantê-lo responsável.

Tratamentos não-farmacológicos da dor incluem massagem terapêutica, atenção plena e técnicas de meditação, acupuntura e aplicação de calor ou frio. Estes podem ser usados ​​por conta própria ou em combinação com medicação.

Para dor músculo-esquelética e outras, anti-inflamatórios podem ser recomendados. Para a dor severa, as baixas doses de opióides podem ser prescritas. Opióides podem causar constipação, embora, por isso eles devam ser usados ​​com cautela. Para a dor central ou neuropática, particularmente quando a depressão está presente (e mesmo quando não), certos antidepressivos muitas vezes podem aliviar os sintomas.

Uma abordagem de equipe multidisciplinar para o tratamento da dor pode ser necessária. Além de seu especialista em transtorno de movimento, os prestadores podem incluir terapeutas físicos ou ocupacionais, psiquiatras e até mesmo especialistas em gerenciamento de dor. Cada um desses praticantes tem como alvo um aspecto diferente da dor.

Pesquisa Ativa em Vários Aspectos da Dor de Parkinson
Os pesquisadores estão trabalhando para entender melhor os mecanismos por trás da dor no Parkinson, para que eles possam ser mais eficazmente abordados. Eles estão procurando medições objetivas, como imagens cerebrais, para diagnosticar e monitorar a dor e avaliar a resposta ao tratamento. (Agora isso só pode ser feito subjetivamente, ou pedindo a uma pessoa para avaliar sua dor usando uma escala numérica ou visual.) E, eles estão investigando várias drogas e estimulação cerebral profunda para os seus potenciais benefícios no tratamento da doença de Parkinson dor. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Ourparkinsonsplace.

3 comentários:

  1. Bom dia eu tenho Parkinson e sinto câimbras em todo o corpo são tipo contração dos musçúlar e muito forte ños çonsigo nem çamiñha teñho que mim deita noçonsigo fazer movimentos parece que vá quebrava a coluna o que posso fazer

    ResponderExcluir
  2. A situação é difícil. Talvez tentar hidroginástica em piscina aquecida permita exercícios sem cãibras. Para ajudar tomo comprimidos de Cloreto de Magnésio PA, pois ajuda na flexibilidade. Aconselho consultar um médico. Por curiosidade, quando tomo refrigerantes, coisa rara, opto por água tônica, pois o Quinino, embora a componha com traços, teoricamente ajuda com as cãibras, mas talvez seja só efeito placebo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja mais sobre cãibras em nosso antigo blog: http://maldeparkinson.blogspot.com.br/search/label/caimbras

      Excluir