sábado, 10 de dezembro de 2016

Maconha: Poderia retardar a progressão da doença de Parkinson?

Friday 9 December 2016 - A doença de Parkinson é a segunda doença neurológica mais comum nos Estados Unidos, causando tremores, lentidão de movimento, instabilidade postural e equilíbrio e coordenação prejudicados. Mas os resultados de uma nova revisão sugerem que os sintomas da doença podem ser melhorados com a maconha.

A revisão foi conduzida pelo Prof. Zvi Loewy, do Touro College of Pharmacy in New York, NY. É publicado na revista Parkinson's Disease.

Os pesquisadores observam que a maconha medicinal foi aprovada em vários Estados Unidos para tratar sintomas de câncer, HIV / AIDS, glaucoma, dor crônica, convulsões, caquexia e esclerose múltipla.

Recentemente, outro estudo sugeriu que o tetrahidrocannabinol (THC) - o composto ativo na maconha - reduziu os níveis de beta-amilóide em células nervosas, uma proteína considerada marca registrada da doença de Alzheimer.

Nos Estados Unidos, a doença de Parkinson (DP) afeta cerca de 1 milhão de pessoas. É progressiva, o que significa que se agrava ao longo do tempo, e ocorre quando o cérebro de uma pessoa deixa de produzir dopamina.

A dopamina é um neurotransmissor que desempenha um papel fundamental no movimento, bem como nas funções cognitivas e psicológicas.

Atualmente não há cura para a doença; Tratamentos trazem consigo várias limitações e não retardam a progressão da DP.

'Maconha deve ser estudada para alívio da dor na DP'
Os pesquisadores deste último estudo dizem que pesquisa recente indicou que o sistema endocannabinoide desempenha um papel importante na DP. Em detalhe, os componentes deste sistema "são altamente expressos no circuito neural dos gânglios da base, que é parte de um complexo sistema neuronal", dizem eles.

O sistema neuronal que mencionam organiza atividades de certas regiões corticais que são ativas no controle de movimento.

"Quando começamos a fazer essa revisão", diz o Prof. Loewy, "as terapias lá fora eram basicamente para os sintomas motores, mas Parkinson também tem sintomas não-motores que tem muito impacto na qualidade da vida de uma pessoa.

Para cavar mais fundo, ele e sua equipe realizaram uma revisão completa da literatura sobre estudos de maconha.

A descoberta mais convincente foi que os componentes químicos de maconha tem rendimento benéfico na sequência de diferentes sintomas de DP.

Por exemplo, Prof Loewy observa que a maconha foi encontrada para aliviar a dor em outras doenças, acrescentando que ela deva ser estudada para alívio da dor em pessoas com DP. A dor afeta quase 50 por cento das pessoas com a condição, observam os pesquisadores.

Mas por que a maconha é especificamente promissora para a DP? De acordo com a equipe, os compostos canabinóides na maconha se ligam aos receptores da dopamina para reduzir os efeitos da dopamina reduzida no cérebro.

"Essencialmente, os compostos substituem os compostos normais que são adversamente afetados pelo Parkinson", diz Loewy.

Prevenir danos nos neurônios pode retardar a progressão da doença
Mas a grande descoberta de sua revisão centra-se em torno dos efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes da maconha, que pode impedir danos nos neurônios.

Os pesquisadores dizem que a inflamação pode danificar neurônios que produzem dopamina - a falta de que contribui para problemas de movimento em Parkinson. Como tal, eles dizem que a prevenção de danos nos neurônios pode retardar a progressão da DP.

Eles observam que há necessidade de medicamentos mais seguros para o tratamento da DP, acrescentando que a cannabis "pode ​​fornecer uma alternativa viável ou uma adição ao tratamento atual da doença de Parkinson".

No entanto, como com qualquer substância, existem riscos a ter em conta. Pesquisas recentes descobriram algumas desvantagens no uso de maconha, incluindo perda de memória, aumento do risco de osteoporose e comprometimento da função dos vasos sanguíneos.

Além disso, um estudo publicado em abril deste ano sugeriu que o uso de maconha pode reduzir a dopamina no cérebro, assim como isso poderia afetar a DP e deve ser levado em conta.

Os pesquisadores deste último estudo concluem que "mais estudos são necessários para fornecer mais dados sobre eficácia, segurança, farmacocinética e interações de canabinóides". Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medical News Today.

Nenhum comentário:

Postar um comentário