sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Genética e imagem, uma nova realidade para o diagnóstico precoce de Parkinson

O diagnóstico precoce de Parkinson

2016/11/18 - Falando sobre a palestra de Parkinson acerca de uma das doenças neurodegenerativas presente em nosso dia a dia, com uma incidência já ultrapassa 160.000 casos em Espanha.

Diferentes técnicas de diagnóstico relacionados com esta doença e do seu futuro e possibilidades levaram ao seminário Imagenômica: como a imagem e Genética se complementam no estudo da doença de Parkinson. A reunião organizada pela Fundação QUAES, no âmbito da 68a. Reunião da Sociedade Espanhola de Neurologia (SEN), onde a neuroimagem e os especialistas em genética têm abordado os mais recentes avanços na detecção precoce desta patologia complexa.

O seminário reuniu cerca de 40 profissionais médicos e de pesquisa clínica, em torno de uma mesa redonda moderada pelo Dr. José Miguel Lainez, chefe de Neurologia do Hospital Universitário de Valência.

Os trabalhos foram realizados por um painel multidisciplinar de peritos, composto por Dr. Alejandro Romera, especialista em unidade de genética médica em Sistemas genoma; Dr. Antonio Salvador Aliaga, neurologista da Clínica Dr. José Luis Leon Guijarro, radiologista da Unidade de Ressonância Magnética do ERESA, localizado no mesmo Hospital de hospital de Valência.

"Em doenças heterogêneas tais como Parkinson, a realização de um diagnóstico multidisciplinar é essencial. A imagiologia estudo e genética pode nos ajudar a confirmar estes diagnósticos ou ficar no rastro de outras possíveis doenças ", disse o Dr. Romera, e continua: "devido à grande quantidade de informação que fornecem, ambas as técnicas se tornarão um futuro em testes laboratoriais de rotina são essenciais para a detecção clínica de Parkinson".

Na mesma linha, o Dr. Leon Guijarro destacou as vantagens de combinar os mais recentes avanços no campo da radiologia, com análise genética, a fim de "reduzir a incerteza no diagnóstico diferencial do Parkinsonismo atípico, especialmente nos estágios iniciais da doença".

Por outro lado, o Dr. Salvador Aliaga sublinhou a importância da ligação entre a genética e neuroimagem "para a detecção precoce, diagnóstico, a fim de progredir após os primeiros sintomas observados (sintomas prodrômicos) e antecipar a evolução da doença. Isto é especialmente útil em muito jovens pacientes com história familiar de Parkinsonismo, e que poderiam se beneficiar de futuras terapias que atualmente estão sob investigação."

Durante a reunião, o impacto destas técnicas sobre o futuro tratamento de Parkinson também teve um lugar de destaque, apontando para as vantagens da análise genética para, nas palavras do Dr. Romera; "Contribuir conhecimento sobre as vias moleculares que são alteradas durante a doença, fornecendo informações sobre novos marcadores para o desenvolvimento de novos medicamentos e para a futura implementação da medicina personalizada". Os papéis de Imagenômica: como a imagem e Genética se complementam no estudo de Parkinson, foram desenvolvidos dentro do programa desta nova edição da reunião anual da SEN, que é realizada a partir do dia 15 até 19 de novembro no Palácio de Congressos de Valência. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: PR Notícias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário