terça-feira, 6 de setembro de 2016

A realidade virtual vai ajudar a fazer um diagnóstico precoce da esclerose múltipla e Parkinson

O sistema desenvolvido baseia-se na realidade virtual para o diagnóstico do início de doenças neurodegenerativas.

O paciente será imerso em um ambiente virtual que irá realizar alguns testes funcionais
2016/05/09 - Um sistema experimental de diagnóstico precoce utilizando realidade virtual vai simplificar a abordagem para a esclerose múltipla ou doença de Parkinson, entre outras doenças neurodegenerativas.

Graças a esta ferramenta, desenvolvida por cientistas da Universidade Politécnica de Tomsk e Universidade Estadual de Medicina Sibéria (Rússia), o paciente encontra-se imerso em um ambiente virtual que irá realizar alguns testes funcionais. Tudo isso enquanto os pesquisadores introduzem mudanças para modificar os parâmetros do ambiente e registrar seus movimentos virtuais

O sistema incorpora a realidade aumentada, óculos, um controlador de sensor sem contato e uma plataforma móvel, e experimentalmente os pesquisadores testaram dispositivos existentes como sensores do Google Glass ou Kinect. A pessoa que a ser diagnosticada para doenças neurodegenerativas põe os óculos para entrar no ambiente de realidade virtual onde os sensores de movimento são usados ​​para detectar as suas alterações posturais medidas através de 20 puntos.

De acordo com os autores este sistema já foi testado em 50 voluntários, e pessoas saudáveis rapidamente adaptam-se a realidade virtual e mantém uma posição estável, enquanto, caso contrário, iriam apresentar evidência de perda de equilíbrio. "integramos dispositivos existentes e desenvolvemos modelos matemáticos para a análise de dados. Para além disso, foi criado um modelo de esqueleto humano, que identifica 20 pontos importantes através dos monitores Kinect. o diagnóstico ocorre quando há desvios nesses 20 pontos", disse David Khachaturyan, um dos autores do estudo.

Cada avaliação leva cerca de 10 minutos, embora ainda não seja possível diagnosticar com precisão, os autores reconhecem o potencial desta técnica para determinar se há algum problema no sistema nervoso. Os investigadores continuam a desenvolver a parte técnica do projeto por um ano e, se os resultados forem positivos, eles vão começar a ensaios clínicos e da certificação técnica necessária. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: El Mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário