quinta-feira, 21 de julho de 2016

DNA mostra como as pessoas com Parkinson podem responder ao tratamento

Jul 20, 2016 - DNA ampliado
Cientistas do cérebro encontraram marcadores genéticos que podem ajudar a prever como uma pessoa irá responder a uma droga usada para tratar sintomas da doença de Parkinson.

"Nós encontramos duas variantes genéticas que se presente em uma pessoa com doença de Parkinson vai significar uma maior melhora em seus sintomas durante as fases iniciais da doença, quando tratados com uma droga anti-Parkinsoniana comum chamada rasagilina," diz o Dr. Mario Masellis, pesquisador l[ider do novo estudo e neurologista do Sunnybrook. "Essas descobertas podem levar a uma terapia personalizada para pacientes."

Doença de Parkinson (DP) é a segunda perturbação neurodegenerativa mais comum depois da doença de Alzheimer, e não há nenhuma cura. "Contamos com drogas que tratam os sintomas para ajudar os pacientes a controlar a doença da melhor maneira possível, mas as drogas não funcionam sempre da mesma maneira para todos", acrescenta Masellis, também um professor assistente na Universidade de Toronto.

Com DP, o cérebro pára gradualmente a produção de dopamina: um neurotransmissor que ajuda a regular os movimentos. Pessoas com deficiência de dopamina podem experimentar tremores, inclinando-se ou arrastando os pés quando eles andam, e tem dificuldades com as habilidades motoras finas, como abotoar uma camisa ou abrir um frasco.

Os sintomas da doença são tratados com drogas de substituição de dopamina ou inibidores enzimáticos, como a rasagilina, que ajudam a impedir o colapso da dopamina no cérebro. Mas quão bem a droga funciona irá variar para cada pessoa, de acordo com estudos clínicos anteriores.

No maior estudo de farmacogenético de seu tipo na doença de Parkinson realizado até à data, os investigadores analisaram trechos de DNA em 692 pacientes. Eles compararam variações genéticas com mudanças na pontuação Unified Disease Rating Scale de Parkinson (UPDRS), que leva em conta os sintomas motores, o funcionamento mental e humor. Embora a maioria dos pacientes beneficiaram-se com o fármaco, os resultados mostraram que os pacientes com rasagilina com as variações genéticas identificadas experimentaram uma melhoria significativamente maior no seu motor e sintomas mentais em 12 semanas de tratamento com a droga em comparação com o grupo placebo e aqueles sem a variaçãogenética.

Masellis enfatiza que é necessária mais investigação, mas diz que as associações genéticas são encorajadoras. "Farmacogenética e, mais amplamente, a medicina personalizada são avenidas emocionantes para prosseguir no tratamento da DP, com a intenção de, eventualmente, desenvolver testes point-of-care clinicamente úteis que podem identificar respondedores de não-respondedores e aqueles com risco de reações adversas a medicamentos", ele diz.

O estudo foi feito em colaboração com outros investigadores da Universidade de Toronto: Dr. Anthony Lang na University Health Network, e as Dras. James Kennedy e Jo Knight no Centro de Dependência e Saúde Mental. Foi publicado na edição de julho 2016 da revista de Neurologia Brain. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Sunnybrook.

Nenhum comentário:

Postar um comentário