segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

A terapia genética a ser testada para a doença de Parkinson

Imunohistoquímica para alfa-sinucleína mostrando coloração positiva (marrom) de um corpo de Lewy intraneural da substância negra na doença de Parkinson. Crédito: Wikipedia
February 22, 2016 - Especialistas da Universidade de Pittsburgh School of Medicine estão desenvolvendo o segundo braço de um ensaio clínico usando terapia genética para aliviar os sintomas de tremor e deficiência de mobilidade em pacientes com doença de Parkinson. A técnica é promissora no prolongamento da eficácia da levodopa, o principal tratamento para a doença neurodegenerativa progressiva, por aumento da produção de uma enzima chave essencial para converter o fármaco no neurotransmissor dopamina.

Estima-se que de 7 a 10 milhões de pessoas em todo o mundo têm a doença de Parkinson, que é causada pela degeneração dos neurônios produtores de dopamina, disse Mark Richardson, MD, Ph.D., professor assistente de cirurgia neurológica da Escola de Medicina de Pitt, e diretor de Cirurgia de Epilepsia e Distúrbios do Movimento no UPMC. A levodopa pode substituir a dopamina deficiente por um tempo, mas eventualmente a droga perde eficácia, e os aumentos subsequentes na dose podem causar a ativação de efeitos colaterais.

"Menos de dopamina é feita com a degeneração dos neurônios, e uma das razões é que há uma diminuição em uma enzima necessária para transformar levodopa em dopamina", disse Richardson, que é o principal investigador do braço de Pitt no teste. "Ao inserir o gene para essa enzima em células, numa parte específica do cérebro, esperamos tornar o tratamento de levodopa mais eficaz por um período mais longo de tempo."

Na terapia genética, um vírus inofensivo chamado de vírus adeno-associado 2 é utilizado para transportar o gene que produz a enzima - aromático descarboxilase dos L-aminoácidos (AADC) - em neurônios. Uma vez nos neurônios, a maquinaria celular entra em ação para aumentar a produção da enzima AADC.

Para proceder o tratamento, o Dr. Richardson vai fazer um pequeno orifício em cada lado do crânio do paciente para inserir um cateter fino no putâmen, uma região do cérebro que é uma parte importante do circuito afectado pela doença de Parkinson. Após a terapia de gen ser administrada por perfusão durante várias horas, o cateter é retirado e o crânio é reparado.

Diferentes doses de infusão serão testadas durante o curso do estudo. Até 20 participantes em dois locais, Pittsburgh e San Francisco, serão seguidos por até três anos para ter seu status de doença e medicação reavaliada.

O investigador principal do estudo, que é patrocinado pela Voyager Therapeutics, é Krystof Bankiewicz, M.D., Ph.D., da Universidade da Califórnia, San Francisco, que também conduziu um estudo anterior que mostrou a terapia genética pode ser administrada com segurança. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Medical Xpress.

Nenhum comentário:

Postar um comentário