sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Terapia com células-tronco para a doença de Parkinson

Doença de Parkinson é uma doença acompanhada por mau funcionamento do cérebro. Quando as células cerebrais que produzem a dopamina para o transporte de sinais nervosos no cérebro são danificadas, os sintomas de Parkinson aparecem. Como o cérebro controla todas as outras funções corporais, a vítima da doença de Parkinson pode ter que ser medicamente assistido para movimentos diários e funções corporais. Os sintomas da doença de Parkinson são-perda de equilíbrio, retesamento muscular, tremores, lentidão de movimentos, distúrbios do sono, tonturas, depressão e perda de memória. Em muitos países, a doença de Parkinson está em ascensão, especialmente entre a população sênior adulta. Atualmente, não há tratamento disponível para a doença de Parkinson. Os medicamentos podem aliviar parcialmente os sintomas.

Terapia com células estaminais para Parkinson: Os resultados da pesquisa
As células-tronco, descoberta pelo cientista canadense James Até Ernest McCulloch em 1961, ofereceu uma base para o estudo do cérebro humano. As células-tronco são conhecidos por duas propriedades características, elas podem replicar por conta própria, e elas podem amadurecer como células especializadas para funções corporais específicas. O principal objetivo da pesquisa com células-tronco tem sido descobrir maneiras de regenerar, reparar ou substituir as células ruins ou mortas, de modo que o funcionamento normal do corpo possa ser restaurado. Investigação em células estaminais para a doença de Parkinson baseia-se no pressuposto de que as células estaminais podem ser transplantadas com sucesso para o cérebro de restaurarem a produção de dopamina.

Este objetivo tem motivado os cientistas a estudar as células-tronco, tanto embrionárias e adultas como uma fonte alternativa para neurônios produtores de dopamina. Em laboratórios, com a combinação adequada de fatores de crescimento (tais como hormônios de produtos químicos), as células-tronco indiferenciadas podem ser cultivadas para um ponto onde elas podem tornar-se neurônios de dopamina, em seguida, implantadas no cérebro do animal para terminar o amadurecimento. Devido à natureza exploradora de investigação sobre células estaminais, a terapia com células estaminais para Parkinson ainda está em fase experimental, mas em breve uma solução prática pode estar disponível.


Como a terapia com células estaminais para Parkinson ajudou pacientes?
Os cientistas continuam a explorar quais os tipos de células estaminais são as mais apropriadas para o tratamento da doença de Parkinson. Os investigadores estão atualmente a estudar as células-tronco diferentes para entender que as células-tronco replicam e produzem dopamina em condições específicas. Os cientistas ainda estão estudando como o cérebro humano permite auto-reparo em células com os envolvimentos de células-tronco adultas presentes no cérebro. Por exemplo, certa parte do cérebro humano contém células progenitoras multipotentes que têm a capacidade de replicar a forma de todos os principais tipos de células do cérebro, incluindo neurônios. Esta capacidade inerente de células estaminais para regenerar depende de fatores de crescimento e outras moléculas de sinalização. No caso de um cérebro humano, as "células neuronais transplantadas" terão a capacidade instintiva de saber qual parte do cérebro é ferida e requer a regeneração. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Stem Genn.
Trata-se de empresa de New Delhi - 110051, India

Nenhum comentário:

Postar um comentário