quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O consumo de álcool afetar o risco para a doença de Parkinson?

10 de novembro de 2015 -
Por muitos anos, os pesquisadores estão investigando se existem associações entre a doença de Parkinson (DP) e opções de vida como o tabagismo e o consumo de café e álcool. Em uma nova revisão, os autores dizem que a literatura sobre o consumo de álcool apresenta informações conflitantes.

HISTÓRIA COMPLETA
Por muitos anos, os pesquisadores estão investigando se existem associações entre a doença de Parkinson (DP) e opções de vida como o tabagismo e o consumo de café e álcool. Em um comentário publicado no Jornal da Doença de Parkinson, a literatura sobre o consumo de álcool apresenta informações conflitantes.

Uma revisão sistemática da literatura relevante a partir de 2000-2014, a partir de estudos observacionais, encontraram pouca evidência para qualquer um efeito positivo ou negativo sobre o risco de DP do consumo de álcool. Quando as associações fracas foram observadas em alguns relatos, os autores descobriram que os estudos de maior risco de seleção e viés de memória, o que poderia comprometer os efeitos encontrados.

Dezesseis artigos que preencheram os critérios de inclusão foram identificados. Todos eram artigos de pesquisa primária, publicado em Inglês em revistas e jornais. Esses estudos tiveram que inclueir um grupo de comparação ou controle constituído por indivíduos sem DP, relatar uma medida de associação entre quantidade e freqüência de consumo de álcool e o risco de DP, e ajustar, pelo menos, para os potenciais fatores de confusão do tabagismo e idade. As pesquisas que mediram a exposição ao álcool apenas como bebedor versus não-bebedor foram excluídas.

"Esta avaliação determinou várias deficiências metodológicas possíveis que poderiam explicar a variável e muitas vezes conflitantes resultados de estudos que relatam exposições de estilo de vida como o tabagismo, café / chá e consumo de álcool contribui para risco de DP", explicou o investigador principal Silvana Bettiol, PhD, MPH, Escola de Medicina da Universidade da Tasmânia, Tasmânia, Austrália. "Estes incluíram seleção ou de auto-seleção de controles, dificuldades na avaliação retrospectiva de consumo de álcool, diferenças nos comprimentos dos períodos de acompanhamento, e as definições inconsistentes de bebedores e não-bebedores."

Além disso, em estudos em que o consumo de álcool e incidência de DP foram medidos com precisão ao longo do tempo, só as associações não-significativas foram encontradas, apoiando ainda mais o argumento de que várias limitações e preconceitos afetaram muitos dos estudos.

"Este estudo destaca a necessidade de mais estudos prospectivos que investiguem a relação entre o álcool e a DP de amostras de dimensão adequada. Melhorias em relatórios de estudos por investigadores particularmente com respeito ao tamanho da amostra poderiam ajudar os outros a interpretar o significado epidemiológico de quaisquer conclusões", concluiu Dr. Bettiol. Em resumo, "a maioria dos estudos mostrou ser preliminar e a melhoraria do poder estatístico para detectar efeitos conjuntos foi encorajada."

Fonte da história:

O post acima é reproduzido a partir de materiais fornecidos pela IOS Press. Nota: Os materiais podem ser editados por conteúdo e extensão. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Science Daily.

Nenhum comentário:

Postar um comentário