terça-feira, 17 de novembro de 2015

Detecção precoce da doença de Parkinson a um passo

16 de Novembro de 2015 - A batalha para enfrentar a doença de Parkinson crônica e progressiva (PD) foi reforçada com notícias encorajadoras do trabalho de pesquisa pioneiro que poderia ajudar a diagnosticar a doença em um estágio muito mais cedo.

Atualmente, quando um diagnóstico clínico da doença de Parkinson é feito, com base na observação de sintomas como rigidez muscular, tremor nas mãos, pés e mandíbula, e piora do equilíbrio e postura, danos sérios já foram feitos nas células nervosas do cérebro.

Nesta fase, a perda da chave de dopamina neurotransmissora, a qual transporta sinais elétricos no cérebro, conduz a uma alteração significativa no equilíbrio químico delicado do cérebro com acetilcolina. A morte de células nervosas na importante região da substantia nigra já terá ocorrido, com a perda de mais de 80 por cento dos neurônios produtores de dopamina.

Pesquisa de ponta por uma equipe de cientistas da Universidade de Keele, na Inglaterra, em colaboração com colegas da Universidade da Flórida, utiliza dados coletados a partir de um síncrotron Diamond Light Source em Harwell, Oxfordshire.

Usando este acelerador de partículas de diamante como fonte luminosa, a equipe de investigação centra-se de luz, que tem a intensidade equivalente a uma lâopada de milhões de watts, em um feixe tão pequeno quanto a largura de uma única célula. Com esta técnica, os cientistas são capazes de mostrar-se as principais modificações de neurônios individuais em células cerebrais que produzem a dopaminaque a DP destrói.

Isto é feito através de um eficaz mapeamento da poicão e a forma de ins metálicos, principalmente ferro, nas principais regiões do cérebro onde a doença se desenvolve.

Este agora abre-se a possibilidade real de intervenção anterior nesta doença neurodegenerativa, aplicando essa técnica mara tecnologias de digitalização, como a ressonância magnética. Com tal diagnóstico dos médicos na DP de início precoce serao capazes de usar as mais recentes terapias de droga que poderiam ajudar a retardar o processo irreversível de destruição das células, o que resulta nos sintomas.Quando você considerar que existem mais de 4 milhões de pessoas em todo o mundo que sofrem esta doença progressiva, crônica, o impacto potencial deste trabalho é altamente significativo.

Os dados mostram que o Parkinson afeta cerca de 1% das pessoas acima de 60 anos, com o aparecimento dos primeiros sintomas que ocorrem por volta dessa idade. Os médicos então tem que usar o leque de intervenções para manter a melhor qualidade de vida para seus pacientes.

Esta técnica de diagnóstico revolucionário potencial significaria que clínicos têm um aviso avançado da doença de Parkinson e a capacidade de escolher a partir de uma combinação de intervençoes farmacológicas, fisioterapia e técnicas de estimulação profunda do cérebro em um estágio anterior, e assim torná-los mais eficazes. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Treasure Seekers.

2 comentários:

  1. Fui diagnosticada com Pk em maio de 2014, meu médico receitou selegilina e retardou o aparecimento dos sintomas da doença.Estou com o pé no chão, não sei se isto acontece no início da doença. continuo o tratamento. Acontece mesmo o que está acontecendo comigo?Gostaria que alguém que estiver lendo me dissesse algo.

    ResponderExcluir
  2. Fui diagnosticada com Pk em maio de 2014, meu médico receitou selegilina e retardou o aparecimento dos sintomas da doença.Estou com o pé no chão, não sei se isto acontece no início da doença. continuo o tratamento. Acontece mesmo o que está acontecendo comigo?Gostaria que alguém que estiver lendo me dissesse algo.

    ResponderExcluir