domingo, 18 de outubro de 2015

Poderia uma droga contra o cancer reverter o parkinson e a demencia?

OCTOBER 17, 2015 - Um medicamento que já está aprovado para tratar a leucemia parece reduzir drasticamente os sintomas em pessoas que têm doença de parkinson com demência, ou de uma condição relacionada chamada demência de Lewy.

Um estudo piloto de 12 pacientes que receberam pequenas doses de nilotinib (nomes comerciais no Brasil - Tasigna, Glivec), constatou que o movimento e a função mental melhoraram em todas as 11 pessoas que completaram o teste de seis meses, pesquisadores relataram sábado na reunião em Chicago da Sociedade de Neurociência.

E para muitos pacientes as melhorias foram dramáticas, diz Fernando Pagan, um dos autores do estudo e diretor do Programa de Transtornos Movimento na Georgetown University Medical Center. Uma mulher recuperou a capacidade de alimentar-se, um homem foi capaz de parar de usar um andador, e três pacientes que previamente não-verbalizavam começaram a falar de novo, diz Pagan.

"Depois de 25 anos na pesquisa da doença de parkinson, este é a mais animada em que eu já estive", diz Pagan.

Se a eficácia da droga é confirmada em estudos controlados com placebo maiores, o nilotinib poderia tornar-se o primeiro tratamento a interromper um processo que mata as células cerebrais no parkinson e outras doenças neurodegenerativas, incluindo a doença de Alzheimer.

Um dos pacientes no estudo piloto foi Alan Hoffman, 74, que vive com sua esposa, Nancy, na Virgínia do Norte.

Antes e depois de tomar nilotinib

Mary Leigh tem a doença de parkinson há quase 20 anos. Aqui está ela antes do tratamento e depois de cinco meses usando a droga. (veja fotos na fonte)

Hoffman foi diagnosticado com parkinson em 1997. No início, ele teve dificuldade para mover seus braços. Com o tempo, tornou-se a caminhada mais difícil e sua fala tornou-se arrastada. E, em 2007, a doença começou a afetar seu pensamento.

"Eu sabia que tinha deixado a minha capacidade de ler", diz Hoffman. "As pessoas continua me dando livros e eu li o primeiro capítulo de cerca de 10 deles. Eu não tinha a capacidade de de concentrar neles."

"Ele tinha cada vez mais dificuldade em fazer sentido", diz Nancy Hoffman. Ele também se tornou menos ativo, menos capaz de ter conversas e, eventualmente, até mesmo parou de fazer as tarefas domésticas, diz ela.

Mas depois de algumas semanas de nilotinib, Hoffman "melhorou em todos os sentidos", diz a mulher. "Ele começou a carregar a máquina de lavar louça, carregando as roupas na secadora, coisas que ele não tinha fazia ha um longo tempo."

Ainda mais surpreendente, os escores de Hoffman nos testes cognitivos começaram a melhorar. Em casa, Nancy Hoffman diz que seu marido estava fazendo sentido novamente e recuperou a sua capacidade de se concentrar. "Ele realmente leu um livro de David McCullough sobre os irmãos Wright e começou a ler o jornal do começo ao fim", diz ela.

A idéia de usar nilotinib para tratar pessoas como Alan Hoffman veio de Charbel Moussa, professor assistente de neurologia na Universidade de Georgetown e um dos autores do estudo.

Moussa sabia que em pessoas que têm doença de parkinson com demência ou uma condição relacionada chamada demência de Lewy, onde proteínas tóxicas se acumulam em certas células cerebrais, eventualmente, matando-as. Moussa pensou que o nilotinib pudesse ser capaz de reverter esse processo.

Seu raciocínio era que o nilotinib ativa um sistema em células que funciona como um depósito de lixo - ele limpa, tira fora as proteínas indesejadas. Além disso, Moussa havia mostrado que, enquanto as células cancerosas tendem a morrer quando expostas ao nilotinib, as células do cérebro na verdade se tornam mais saudáveis.

Então Moussa teve em seu laboratório experimentos da droga sobre as células cerebrais em uma placa de Petri. "E descobrimos que, surpreendentemente, com uma quantidade muito pequena da droga que pode-se limpar todas essas proteínas que supostamente são neurotóxicas", diz ele.

Em seguida, Moussa teve sua equipe dando a droga aos ratos transgénicos que foram quase completamente paralisados pela doença de parkinson. O tratamento "resgatou" os animais, diz ele, o que lhes permite mover-sem quase tão bem quanto ratos saudáveis.

Os camundongos de Moussa chamaram a atenção de Pagan do Programa de Transtornos do Movimento de Georgetown. "Quando o Dr. Moussa mostrou para mim", diz Pagan, "parecia que, hey, este é o tipo de droga que estamos procurando porque vai à raiz do problema."

O estudo piloto foi desenhado para determinar se nilotinib era seguro para os doentes de parkinson e para determinar a quantidade de droga a partir das cápsulas que estavam consumindo atingia seus cérebros. "Mas nós também vimos eficácia, que é realmente inédita em um estudo de segurança", diz Pagan.

O estudo descobriu que os níveis de proteínas tóxicas no sangue e fluido espinhal diminuiu uma vez que os pacientes começaram a tomar nilotinib. Além disso, testes mostraram que os sintomas, incluindo tremor de parkinson e "congelamentos" diminuiram. E durante o estudo os pacientes foram capazes de utilizar doses menores de medicamentos de parkinson, o que sugere que as células do cérebro que produzem dopamina estavam trabalhando melhor.

Mas existem algumas ressalvas, diz Pagan. Por um lado, o estudo foi pequeno, não foi concebido para medir a eficácia, e não incluiu pacientes que tomaram um placebo.

Além disso, o nilotinib é muito caro. O custo da sua prestação para pacientes com leucemia é milhares de dólares por mês. Original em inglês, traducao Google, revisao Hugo. Fonte- Health News from NPR.

2 comentários:

  1. Nilotinib é carissimo em todo o mundo. Porque?
    Quais seriam os componentes que causariam esse exagero de preço?
    Principios ativos, pagamentos p/ a pesquisa, lucro exagerado, escala de vendas?
    Alguém sabe?
    Abs,
    Neusa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente. É uma incógnita. Aliás, este estudo com remédio caríssimo, deve ter sido patrocinado pelo laboratório que o produz. Imagina se fazem um estudo similar com um remédio barato e que funcione? O preço subiria. Ou não?

      Excluir