sábado, 27 de junho de 2015

O olho da mente - a chave para controlar alucinações de Parkinson?

26 JUN 2015 - A nossa capacidade de interpretar visualmente o ambiente que nos rodeia é facilmente tida como certa. Mas o que dizer quando começamos a ver as coisas que não estão lá?

A nossa capacidade de interpretar visualmente o ambiente que nos rodeia é facilmente tida como certa. Mas o que dizer quando começamos a ver as coisas que não estão lá, um cenário enfrentado por muitos australianos que vivem com transtornos psiquiátricos?

A descoberta por uma equipe de investigação da UNSW e University of Sydney sobre a forma como os doentes de Parkinson experimentam imagens mentais visuais é fornecer a esperança de que suas alucinações não controladas possam ser tratados.

Os investigadores acreditam que um procedimento de estimulação cerebral, visando as anomalias únicas, identificadas no cérebro de pacientes com Parkinson que vivenciam ambas as alucinações visuais e intensas imagens mentais, poderia tratar com êxito as suas alucinações.

A doença de Parkinson é a segunda doença neurológica mais comum após demência. O custo econômico da doença na Austrália em 2011 foi de 8300 milhões dólares, com 30 australianos agora diagnosticados a cada dia. Não há atualmente nenhuma cura conhecida.

Como a doença de Parkinson progride, a maioria dos pacientes irá experimentar alucinações não controladas, um sintoma debilitante para a qual não há nenhum tratamento corrente.

O psicólogo Dr. Joel Pearson, da UNSW, diz que as alucinações, muitas vezes evocam medo ou temor, onde eles vão ver um parente morto ou uma cobra em uma cama, por exemplo.

"Elas também são um forte indicador de que a doença está progredindo rapidamente," diz o Dr. Pearson.

"O mecanismo neural subjacente preciso a este fenómeno permane um mistério, em grande parte devido às dificuldades inerentes a reproduzir sintomas alucinatórios em um ambiente de pesquisa."

"A relação entre a imagem mental voluntária e alucinações visuais não controlados em pacientes com transtornos psiquiátricos também não foi adequadamente explorado", diz o Dr. Pearson.

Apoiado por quase meio milhão de dólares em financiamento por parte do Conselho de Pesquisa Nacional de Saúde e Medicina, o trabalho da equipe sobre a doença de Parkinson é responder esta questão.

A pesquisa sugere que as alucinações visuais na doença de Parkinson estão relacionados a uma incapacidade de usar a atenção com rapidez e flexibilidade. Os resultados da equipe foram publicadas na revista Proceedings da Royal Society B.

O estudo colaborativo, conduzido pela UNSW equipes universitárias de Sydney no Instituto de Pesquisa Mente Cérebr, mediu alucinações visuais e imagens mentais voluntária em 19 indivíduos. Para fazer isso, os pesquisadores criaram uma nova ferramenta capaz de provocar alucinações visuais, conhecida como Bistable Percept Paradigm.

Os participantes do estudo, incluindo 10 doentes de Parkinson com alucinações visuais, nove sem e 10 que eram controles saudáveis, viram uma série de imagens monocromáticas estáveis ​​e biestáveis ​​e, em seguida, identificaram algum item 'oculto' por eles percebidos.

Os pesquisadores descobriram que pacientes com doença de Parkinson com alucinações visuais eram muito mais propensos a perceber imagens "escondidas" em imagens estáveis. Isto é, pacientes viram algo que não estava lá -a própria definição de uma alucinação.

"Nós descobrimos que este grupo também experimentou mais intensas imagens mentais em comparação com os outros grupos, o que confirmou nossa hipótese", diz o Dr. Pearson.

Os pesquisadores usaram então esta informação para interrogar os padrões de conectividade funcional dentro do cérebro em repouso usando exames de ressonância magnética. Eles identificaram múltiplos defeitos nas redes de controle de atenção de pacientes que tinham experimentado ambas as alucinações visuais e imagens mentais mais fortes.

"Esses dois fenômenos foram distinguidos no nível neural, tanto com imagens mentais e percepções equivocadas visuais associadas com anormalidades específicas na conectividade da rede de atenção", diz o Dr. Pearson.

"Nossos resultados fornecem a primeira evidência de ambas as vias neurais são compartilhados e únicas destes dois fenômenos semelhantes, porém distintas."

As conclusões do estudo serão utilizadas para construir o entendimento da equipe de como as partes visuais do cérebro diferem em pacientes de Parkinson que experimentam alucinações visuais.

Professor Associado em Neurociência Cognitiva da Universidade de Sydney, Simon Lewis, diz que os tratamentos atuais para alucinações não são muito eficazes e isso é em parte por causa da nossa limitada compreensão dos fenômenos.

"A equipe está agora a explorar abordagens não-farmacológicas que podem ser capazes de reduzir alucinações", diz o professor adjunto Lewis.

A equipe vai em breve começar a testar a estimulação do cérebro como um possível tratamento para controlar alucinações visuais, utilizando uma corrente elétrica muito fraca passando pelo cérebro.

"Nós já podemos controlar as imagens visuais em indivíduos saudáveis ​​que utilizam esta mesma tecnologia de estimulação cerebral - por isso estamos otimistas de que as mesmas técnicas possam funcionar para controlar alucinações visuais," diz o Dr. Pearson. (original em inglês, tradução Google, revisão Hugo) Fonte: News Room UNSW.au.

Nenhum comentário:

Postar um comentário