quinta-feira, 18 de junho de 2015

Novos neuroquímicos alteram imagem na Doença de Parkinson

June 17, 2015 - BALTIMORE - Em pacientes com doença de Parkinson, alterações neuroquímicas vistas em imagem molecular poderiam abrir a porta para um melhor tratamento da disfunção motora, mostra nova pesquisa.

Especificamente, a diminuição da expressão da proteína fosfodiesterase 10A (PDE10A) foi observada em pacientes com doença de Parkinson em exames de PET que utilizou o radioligand carbono 11 IMA107 (¹¹C-IMA107), disse a investigadora Flávia Niccolini, MD, do Kings College London, Reino Unido.

Além disso, a diminuição da expressão do PDE10A está significativamente ligada à progressão da doença e a gravidade dos sintomas motores, ela relatou.

“Nosso estudo é a primeira demonstração in vivo de perda de expressão do PDE10A em pacientes em estágio médio e avançado da doença de Parkinson”, disse o investigador Marios Politis, MD, também da Faculdade Kings College.

Porque PDE10A, uma proteína expressa principalmente nos gânglios da base, “é crítica em função de neurônios dopaminérgicos, é possível que novos tratamentos visando PDE10A poderia ajudar a melhorar os sintomas e complicações de Parkinson”, disse ao Medscape Medical News.

Dra Niccolini apresentou os resultados do estudo aqui na Reunião Anual de 2015 da Sociedade de Medicina Nuclear e Imagem Molecular.

Detalhes do estudo
O estudo envolveu 24 pacientes com doença de Parkinson que tinham recebido tratamento estável com levodopa durante pelo menos 6 meses. A média de idade foi de 61,7 anos. Esses pacientes foram comparados com 12 indivíduos de controle saudáveis, sem histórico de distúrbios psiquiátricos ou neurológicos.

No início do estudo, todos os participantes do estudo foram submetidos a PET com ¹¹C-IMA107 e um exame de ressonância magnética estrutural. Os pacientes com doença de Parkinson estavam com seus medicamentos durante esses exames.

Além disso, sintomas motores e as complicações foram avaliados com a seção de exames motores da Unified Parkinson Disease Rating Scale (UPDRS) e o Dyskinesia Rating Scale Unificado.

Pacientes com doença de Parkinson tinham menos PDE10A obrigatório no striatum que os indivíduos controle (redução média, 22,8%; P <0 25= (...) Os declínios no striatum foram fortemente associados com maior duração da doença (P = 0,027) e sintomas motores piores, avaliada com o UPDRS (P = 0,011). Os declínios no globo pálido também foram fortemente associadas com maior duração da doença (P = 0,030) e piores sintomas motores (P = 0,003). Estes resultados fornecem evidência de uma alteração neuroquímica nova em pacientes com doença de Parkinson; uma perda de 14% a 28% do estriado e palidal na PDE10A cuja expressão estava ligada a progressão e gravidade da doença, a Dra. Niccolini relatou. “PDE10A poderia servir como um novo alvo terapêutico para a doença de Parkinson, e as drogas moduladoras da PDE10A - agindo independente ou em sinergia com levodopa - poderia ter um papel terapêutico no alívio de sintomas e complicações motoras”, explicou ela.

“Fosfodiesterases, como reguladores chave de nucleotídeos cíclicos, e seus inibidores foram emergindo como novos alvos farmacológicos para muitas doenças, incluindo patologias do sistema nervoso central”, escreve Carmen Gil, PhD, do Centro de Investigaciones Biológicas em Madrid, e colegas em uma revisão recente (Curr Med Chem 2014; 21:. 1171-1187).

Porque “PDE10A é altamente expressa no corpo estriado, a modulação farmacológica desta enzima poderia ser uma abordagem promissora para doenças neurodegenerativas, como Parkinson e doença de Huntington,” A Dra. Gil disse ao Medscape Medical News.

“Como consequência do crescente interesse em PDE10A, há uma busca por diferentes rádio ligantes PET para imagem da PDE10A no cérebro humano in vivo, o que poderia levar a uma melhor compreensão do seu papel nas doenças”, explicou ela. Neste estudo, ¹¹C-IMA107 foi usado “para demonstrar o importante papel da PDE10A na fisiopatologia da doença de Parkinson”, acrescentou.

Dra Niccolini e Dra Gil não declararam relações financeiras relevantes.

Sociedade de Medicina Nuclear e Imagem Molecular (SNMMI) 2015 Reunião Anual: Resumo 32. Apresentado 07 de junho de 2015. (original em inglês, tradução Google, revisão Hugo) Fonte: MedScape.

Nenhum comentário:

Postar um comentário