segunda-feira, 3 de julho de 2017

Tratamento radical para Parkinson ressuscitado

JULY 3, 2017 - Os pesquisadores estão trabalhando para revitalizar um tratamento radical para a doença de Parkinson.

O tratamento envolve o transplante de células cerebrais saudáveis ​​para substituir células mortas pela doença. É uma abordagem que foi tentada há décadas e depois foi retirada após resultados decepcionantes.

Agora, grupos na Europa, os EUA e a Ásia estão se preparando para tentar novamente, usando células que eles acreditam serem mais seguras e mais eficazes.

"Houve avanços enormes", diz Claire Henchcliffe, neurologista da Weill Cornell Medicine em Nova York. "Estou otimista".

"Estamos muito otimistas quanto à capacidade de [as novas] células melhorarem os sintomas dos pacientes", diz Viviane Tabar, neurocirurgiã e bióloga de células-tronco no Memorial Sloan Kettering Cancer Center, em Nova York.

Henchcliffe e Tabar juntaram-se a outros cientistas proeminentes para descrever os planos para reviver os transplantes de células cerebrais durante uma sessão na terça-feira na reunião da International Society for Stem Cell Research em Boston.

Sua mensagem animada marca uma mudança dramática para a abordagem.

Durante os anos 80 e 90, pesquisadores usaram células tiradas diretamente do cérebro de fetos abortados para tratar centenas de pacientes com Parkinson. O objetivo era parar a doença.

Parkinson destrói células cerebrais que produzem uma substância chamada dopamina. Sem dopamina suficiente, as células nervosas não podem se comunicar com os músculos, e as pessoas podem desenvolver tremores, têm dificuldade em andar e outros sintomas.

As drogas podem aumentar temporariamente os níveis de dopamina, aliviando os sintomas. Mas sua eficácia tende a diminuir ao longo do tempo.

Assim, os pesquisadores pensaram que uma melhor abordagem seria simplesmente substituir as células que produzem dopamina. "O raciocínio é que se essas células estão perdidas, e sabemos que elas fazem dopamina, e sabemos que a dopamina é importante para uma boa coordenação, bom movimento automático, por que não podemos substituir essas células", diz Henchcliffe.

Para alguns pacientes, as células fetais transplantadas produziram melhorias dramáticas. Mas estudos rigorosos acabaram por mostrar que muitos outros pacientes não foram ajudados. E alguns desenvolveram um efeito colateral indesejável: movimentos descontrolados (discinesias).

Assim, em 2003, os pesquisadores declararam uma moratória sobre transplantes para Parkinson. "Houve um recuo para reavaliar o que exatamente aconteceu", diz Henchcliffe.

Isso demorou um pouco. Mas está claro agora que, a longo prazo, alguns pacientes realmente foram ajudados pelo procedimento.

Henchliffe chegou a examinar cinco pessoas que receberam transplantes mais de 15 anos antes.

"Estes eram pacientes com décadas de doença de Parkinson, e pensei que era realmente impressionante que um subconjunto realmente parecesse fazer muito melhor do que seria de esperar", diz ela.

Enquanto isso, os pesquisadores nunca pararam de procurar formas de tornar os transplantes celulares mais seguros e eficazes.

Os primeiros transplantes eram bastante grosseiros, diz Tabar. Um problema era que as células vieram diretamente dos cérebros dos fetos, ela diz.

"O que você estava colocando no paciente era apenas uma sopa de cérebro", diz ela. "Não tinha apenas os neurônios da dopamina, que existem no tecido, mas também vários tipos diferentes de células".

Algumas dessas outras células também podem ter crescido nos cérebros dos pacientes, causando efeitos colaterais, diz ela.

Para evitar esse tipo de problema, os cientistas de Sloan Kettering passaram os últimos doze anos descobrindo como transformar células-tronco em linhas puras de células da dopamina no laboratório.

Ao contrário das células fetais transplantadas, essas células são uma substituição exata para os neurônios que produzem dopamina em um cérebro adulto. "Então você está confiante de que tudo o que você está colocando no cérebro do paciente consistirá em um tipo de célula correta", diz Tabar.

Outra vantagem das células cultivadas em laboratório é que o fornecimento é ilimitado. "Não só podemos cultivá-los, de fato, temos quase 1.000 doses dessas células já sentadas em um freezer", diz Tabar.

Tabar, juntamente com seu colega e marido, Lorenz Studer, esperam que a Food and Drug Administration lhes dê permissão para começar a testar essas células em pacientes com Parkinson em 2018.

Ambos têm uma participação financeira em uma startup que está financiando o projeto.

Enquanto isso, vários outros grupos em todo o mundo também estão lançando estudos de transplante. Os pesquisadores dizem que um punhado de pacientes na Austrália já recebeu células.

Alguns cientistas estão preocupados com o fato de que o recomeço para fazer transplantes funcionar poderia levar a mais decepções.

Mas Tabar diz que o tempo está certo. "Por um lado, você não quer se apressar", diz ela. "Por outro lado, acho que o campo está pronto para algo ousado".

Copyright 2017 NPR. Para ver mais, visite http://www.npr.org/.
Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: KQed.

Nenhum comentário:

Postar um comentário