quarta-feira, 19 de julho de 2017

Técnica chilena para parkinson mostra resultados em todo o mundo

Veja aqui no original: Técnica chilena contra el Parkinson muestra resultados a nivel mundial.
ou aqui, na versão traduzida para o português:

Técnica chilena contra o Parkinson mostra resultados a nivel mundial

Criado pelo acadêmico da Faculdade de Medicina da Casa de Bello

19 de julio de 2017 - O médico Rómulo Fuentes, acadêmico do Departamento de Neurociência e Investigador do Instituto Milenio de Neurociência Biomédica, BNI, explorou um método que foi testado em 62 pacientes de Inglaterra, Francia, Japão, Estados Unidos e Brasil. O cientifico assegurou que esta estratégia permitiu frear sintomas motores da doença a nível de movimento, postura e marcha. O objetivo é desenvolver um sistema inteligente e não invasivo de estimulação, com o uso de eletrodos sob a pele, sem efeitos secundários.

Pequenos eletrodos que envolvem impulsos elétricos desde a medula espinal ao cérebro estão a ser convertidos em uma estratégia esperançadoura para aliviar o Parkinson, doença que afeta a mais de 30 mil chilenos. Detrás desta nova metodologia está o médico Rómulo Fuentes, investigador da Faculdade de Medicina da Universidade do Chile, no Instituto Milenio de Neurociência Biomédica, BNI, de todas as décadas, de seus efeitos no nível cerebral e da redução de sintomas motores ocasionados pela patologia.

Seu otimismo é crescente, é que a maioria dos 60 pacientes com Parkinson de Inglaterra, França, Japão, Estados Unidos e Brasil estão com os benefícios deste tipo de estimulação elétrica, cujos efeitos e conhecimentos na área de saúde dado seu uso no valor da dor crônica, por exemplo.

Casos clínicos e melhoras
"A estimulação medular se tem provado em torno de 62 casos clínicos de Parkinson no mundo, entre os anos 2010 e 2017, todos eles com mais de uma de suas novidades, e em 60 deles se reportou que houve melhoras severas a nivel de movimiento, postura e marcha, tal como nós prevámos em nossas observações em modelos animais. No caso dos pacientes, apenas se liga o estimulador-um implante de eletrodos que se colocam a um nível medular sobre a coluna vertebral, sob a pele, estes parâmetros melhoram muito, e isso é muito relevante para a ciência e a saúde pública. Você também pode aprender sobre o combate da doença", comente o académico, também investigador do Núcleo Milenio de Enfermedades Neuropsiquiátricas Numin, e diretor de Investigação da Faculdade de Medicina da Universidade do Chile.

Esa estimulação é percebida por paciente, em uma sensação denominada parestesia, que consiste em um formigamento na pele e na altura do implante. A freqüência dos pulsos é entre 10 e 300 hertz.
- Está indicado em qualquer etapa da doença?
- Nós cremos que sim, uma exceção de quem é um portador avançado.

Além destes casos clínicos, você está pronto para ensaios com pacientes em países como Canadá e França, estudos que podem concluir dentro de uns três anos, e que permitam analisar com maior profundidade os benefícios da estimulação elétrica em pessoas afetadas por este mal, ainda sem cura. No Chile, até o momento, não existem as facilidades, nem os apoios necessários para realizar este tipo de ensaios clínicos.

Estimulador não-invasivo
"Uma pessoa com Parkinson custa a arrancar, e uma vez que você começar, se você quiser mudar de direção, congela, repetindo o mesmo movimento, portanto, ele não consegue se virar. Outro sintoma é a marcha propulsiva: andando e de repente eles começam a dar os passos cada vez mais curtos até que caiam", exemplifica o cientista.

A este cenário, o Dr. Fuentes explora em detalhe como refinar os parâmetros de estimulação, a fim de desenvolver um método não-invasivo que permite eletrodos de uso superficialmente. Esta tecnologia, que visa melhorar a função dos neurônios motores, poderia tornar-se um futuro em um caderno ou tratamento ambulatorial para reabilitar pacientes com Parkinson, o que seria particularmente relevante considerando que as terapias atuais, tais como o uso de drogas levodopa não conseguem curar ou reduzir com sucesso a progressão da doença complexa. "Este implante poderia ser utilizado de uma forma complementar com a utilização desta droga, mas também indicado como um único tratamento, também não tem nenhum efeito co-lateral."

Portanto, ele acrescenta que "um dos nossos maiores sonhos é chegar ao fim da estrada e para realizar ensaios clínicos. Para fazer isso, nós precisamos fazer o teste em nossos modelos e, por outro lado, esperamos criar um novo e patente de produto ", explica o pesquisador BNI, um especialista em neuromodulação.

A expectativa é a criação de um sistema de estimulação inteligente; ou seja, trabalhar de acordo com a demanda e automaticamente. "Esperamos cinco a quinze minutos por dia e causar mudanças positivas no nível dos neurônios, melhorar sintomas motores e mobilidade dos pacientes", diz o pesquisador.

Neurônios espinhais
A origem destes resultados começou na Universidade de Duke, Estados Unidos, enquanto o Dr. Fuentes fez seus estudos com o Dr. Miguel Nicolelis, criador do exoesqueleto que permitiu que um paraplégico pontapé de saída na Copa do Mundo no Brasil. Depois de estudar a atividade neural do Parkinson, o cientista brasileiro encontrou semelhanças com epilepsia e surgiu a idéia de estimulação através de um circuito que poderia atingir o cérebro. Foi assim que o Dr. Fuentes começou a desenhar o implante espinhal, cujo sucesso resultados em modelo animal se tornou capa na revista Science em 2009. "Por meio de uma pequena operação que se poderia inserir os eletrodos na medula espinal, entre as vértebras, mas sem entrar no tecido do sistema nervoso" disse o especialista em electrofisiologia. Nesses experimentos, ele confirmou a hipótese de que, ao estimular o osso teve um efeito sobre os sintomas motores do cérebro e redutores.

Mas o que sobre o impulso que parece ser eficaz? De acordo com o cientista, para estimular o osso, o sinal percorre axónios e, em seguida, sobe para o tálamo, atingindo o córtex sensorial e motor e, finalmente, o corpo estriado. "Mesmo que não poderíamos caracterizar com precisão o que acontece, há muita coisa que não sabemos. No entanto, sabemos que esta manipulação está mudando a atividade de todo o circuito e restaurando algumas funcionalidades ", diz ele.
Outro ponto a ser notado é que a atividade elétrica que atinge o cérebro ativo, não só os neurónios, mas também faz com que estas expressam outros genes. "Em Parkinson morte neuronal ocorre na substantia nigra, mas, em seguida, os neurónios também de outras áreas afetadas são vistos. Na verdade, quando os pacientes já não pode andar, é porque a área do controle de locomoção foi danificada; e esta técnica de neuromodulação ativa muitos circuitos, então esperamos continuar investigando e analisando seu potencial para retardar Parkinson em diferentes estágios ", diz o acadêmico. Para isso, ele acrescenta que, juntamente com outros pesquisadores do BNI, como a equipe chefiada por seu suplente, Dr. Claudio Hetz, particularmente Dr. René Vidal estão analisando os efeitos celulares e moleculares desta técnica, tanto a nível sistémico no longo prazo. Também termina esperança de que através de tais alianças obtenção do financiamento para a realização de futuros estágios clínicos mais viáveis.

Doença de Parkinson
A cada ano aumentar o percentual de pacientes com doença de Parkinson e mortalidade por esta doença. dados do Ministério da Saúde indicam que, entre 1997 e 2013 a taxa de mortalidade desta doença aumentou cinco vezes em nosso país. Atualmente, cerca de quatro milhões de pessoas no mundo foram diagnosticadas com esta doença, cuja origem tem um componente esporádica em 90% dos casos, o que inclui a exposição a poluentes no ambiente-, enquanto o resto é devido a uma causa hereditária genética, como sucede com o ator americano Michael J. Fox. Além disso, o aumento da expectativa de vida no mundo, e o consequente envelhecimento da população também afetam o seu desenvolvimento.

Os sintomas começam com dificuldade em dormir, perda de olfato e, no longo prazo, as habilidades motoras são afetadas, causando os tremores característicos. Ao longo do tempo, Parkinson pode progredir para afetar o corpo inteiro, o que leva a danos e perda significativa de múltiplas funções, como a fala, comer, engolir e coordenação de forças e movimentos. Em estágios avançados também pode ser gerado danos ao nível cognitivo. Esse cenário afeta muito a qualidade de vida dos pacientes, além de causar um grande custo social e econômico, o que também impacta o ambiente familiar e próximo. Por esta razão, ajudar a mitigar este problema de saúde pública, é um objetivo fundamental para Dr. Rómulo Fuentes e cientistas de BNI. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário